Cine-Theatro Íris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cine-Theatro Íris
Entrada e bilheteria (à direita), em 2015.
Entrada e bilheteria (à direita), em 2015.
Uso atual Sala de cinema
Localização Rua da Carioca, 51, Rio de Janeiro, RJ
Inauguração 31 de outubro de 1909 (105 anos)

O Cine-Theatro Íris ou mais comumente Cine Íris é uma sala de cinema do Rio de Janeiro.

Características e localização[editar | editar código-fonte]

Localiza-se na rua da Carioca, área central do Rio, entre o Largo da Carioca (e por conseguinte também da Estação Carioca do metrô) e a Praça Tiradentes.

Alguns consideram a localização deste cinema como bairro da Lapa. A estrutura do prédio é em art nouveau e ostenta em seu interior, entre outras coisas, azulejaria importada de Portugal e espelhos de cristais da França. Atualmente possui capacidade para 453 pessoas. Foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1982,[1] e recentemente comemorou-se seu centenário.[2] É provavelmente o cinema em atividade mais antigo da cidade.

Fica também próximo dos teatros Carlos Gomes e João Caetano.

História[editar | editar código-fonte]

A sala foi inaugurada em 31 de outubro de 1909 com 200 lugares por João Cruz Júnior, com o nome de Cinematographo Soberano, homenagem do fundador a um de seus cavalos. Foi reformado, em 1919, expandindo sua capacidade para 1 200 lugares e trocou de nome e passou a chamar-se Íris.

Apresentou, em seu período áureo, espetáculos de teatro de revista, o que para alguns já era sinônimo de decadência. Nos anos 1970 exibia principalmente filmes de artes marciais (kung-fu). Em 1970, passou por outra grande reforma.

Já a partir de 1983, logo após o tombamento, passou a apresentar espetáculos eróticos e de Striptease e seu público freqüentador desde então é basicamente masculino. Além, é claro, da projeção de filmes pornográficos (que ficaram conhecidos pelo público como cinemas poeira). A tendência no Rio, era de que com a decadência inúmeros cinemas de bairros tornaram-se exclusivamente exibidores de vídeos pornôs.

Em seu auge, chegou até mesmo a ser frequentado por personalidades, como Ruy Barbosa que tinha cadeira cativa na sala com suas iniciais gravadas. O estabelecimento sempre permaneceu sob controle da mesma família e hoje é administrado pelo bisneto do fundador, Raul Pimenta Neto.

O Íris, mais recentemente viveu sua fase de festas, ali ocorriam as populares festas Loud! (bandas como Los Hermanos e Autoramas se apresentaram no local) aos fins de semana.

Referências

  1. outras fontes dão conta que foi tombado na verdade pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (INEPAC)
  2. Público quer reforma do cinema in Extra

Ligações externas[editar | editar código-fonte]