Evenkis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Evenkis
População total

~ 70 mil

Regiões com população significativa
Rússia, China, Mongolia
Línguas
Evenki, Russo
Religiões
Animismo, Ortodoxa Russa, Budismo Tibetano

Os evenques[1] ou Evenkis (autônimo: ג‎םךטכ Evenkil; em russo: גוםךט Evenki; ָwחnkט Zת; antes chamados tungues, Tungus ou Tunguz) são um povo Tungúsico no norte da Ásia, da Rússia, sendo reconhecidos como um dos povos Indígenas do norte do país, com população de 35.600 pessoas (Censo da Rússia de 2002). Na China, os Evenki formam uma dos 56 grupos étnicos indígenas da República Popular da China, sendo cerca de 35.500 pessoas conforme o Censo de 2000;

Evenkis na Rússia[editar | editar código-fonte]

Domicílio Evenki - Casa Evenki - Museu etnográfico de Ulan Ude, Rússia

Os Evenki pertencem em termos antropológicos aos tipos Baikal ou Paleo-Siberianos dos Mongóis, os quais deram origem, a partir dos "Paleo-Siberanos", aos povos localizados desde o Rio Yenissei até o Mar de Okhotsk.

Os Evenki eram conhecidos como tungus. Essa designação era usual entre os russos desde o século XVII e já era usada antes pelos Yakuts e pelos Tatars da Sibéria (na língua Yakut). Os evenkis se auto denominam de diversas maneiras, dentre as mais usadas estão even, evenk. Evenki se tornou a denominação oficial em 1931. Alguns grupos Evenki se auto denominam orochen ('habitante do rio Oro, orochon ('criador de Renas'), ile ('ser humano'), etc. Algumas vezes as designações de locais foram usadas como auto designações desse grupo étnico, tais como manjagir, birachen, solon, etc.

Muitos desses nomes de locais foram usados mesmo por diferentes etnias. Há um grupo similar siberiano de nome Evens (antes eram Lamuts), que, mesmo relacionados aos Evenkis, são considerados hoje como uma etnia separada.

Os Evenki se distribuem num território muito amplo na Taiga siberiana desde o Rio Ob a oeste até o Mar de Okhotsk no leste, desde o Oceano Árticoaté o norte da Manchúria e Sacalina ao sul, num habitat com área aproximada de 2,5 milhões de km². Em toda Rússia, apenas os próprios russos habitam um território tão amplo. Conforme a estrutura administrativa da Rússia, os Evenkis vivem, do leste para o oeste, desde o Oblast Sacalina, Krai Khabarovsk, República Sakha Buryatia, Oblasts Amur, Chita, Irkutsk, Okrug Autônomo Evenki, Krai Krasnoyarsk, Oblasts Tomsk e Tyumen. No território onde são os habitantes titulares, Okrug Autônomo Evenki, vivem 3800 dos 35.500 Evenkis, conforme o Censo russo de 2002, havendo cerca de 18.200 Evenkis na República Sakha;

A língua Evenki é mais falada dentre as do grupo Norte das línguas Manchu / Tungús, grupo que ainda as línguas Even e Negidal;

Evenkis na China[editar | editar código-fonte]

Conforme o Censo de 2000, há 35.500 Evenkis na China, formados principalmente pelos sub-grupos Solons e Khamnigans. Cerca de 89% dos Evenkis da China vivem na região de Hulunbuir no norte da Mongólia interior, nas proximidades da cidade de Hailar. O "Banner" Autônomo Evenki fica também próximo a Hulunbuir. Há cerca de 3 mil Evenkis nas cercanias da província Heilongjiang;

A Dinastia Qing em 1763 transferiu 500 famílias de Evenkis Solon e 500 dos Daur para as áreas de Tacheng e Kuldja, visando fortalecer as fronteiras oeste do Império. No ano seguinte 1020 famílias (4000 pessoas) Xibe foram também transferidas. Desde então os Solons de Xinjiang se assimilaram a outros grupos étnicos locais e não mais se identificaram como tal. [2] [3]

Religião[editar | editar código-fonte]

Antes dos contatos com os Russos, a religião dos Evenkis era o Xamanismo. Embora muitos deles tenham aderido à religião Lamaísmo (a mais importante forma do Budismo Mahayama tibetano), a maioria dos Evenkis tanto na Rússia como na China são nominalmente Cristãos ortodoxos. Junto com seus correlatos Evens e algumas poucas tribos da Sibéria, eles são uns dos poucos da Ásia que praticam a Igreja Cristã Ortodoxa, adotada por eles voluntáriamente, sem terem sido forçados a isso, desde a expansão da Rússia na Sibéria.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia. (Outono de 2012). "Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?" (PDF). a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40) p. 28. Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-7809. Página visitada em 13 de janeiro de 2013.
  2. Herold J. Wiens "Mudanças na Etnografia uso da terra no vale "ili" e região do Turquestão Chinês", Anais da Associação dos Geógrafos Americanos, Vol. 59, No. 4 (Dec., 1969), pp. 753-775 )
  3. Tianshannet / ־ךםמ ג ׁטםצחם / ֽאנמהםמסעט, םו מעםמסשטוס ך ע‏נךסךמי דנףןןו (Win dow to Xinjiang / Non-Turkic peoples) (russo)

Referências externas[editar | editar código-fonte]