Fuas Roupinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ermida da Memória, Nazaré: painel de azulejos representando o milagre a D. Fuas.

D. Fuas Roupinho foi um nobre português do século XII, possivelmente um cavaleiro da Ordem dos Templários, hoje mais conhecido pelo seu papel de milagrado por Nossa Senhora da Nazaré conforme narra a Lenda da Nazaré.

O seu nome está ligado ao processo de Reconquista cristã da península Ibérica, sob o comando do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques que, em reconhecimento pelo seu mérito, o nomeou alcaide-mor do castelo de Porto de Mós. O seu nome também se destaca por ser o primeiro comandante naval português conhecido, e como tal, o responsável pela primeira vitória da Marinha Portuguesa, ao largo do cabo Espichel, contra uma esquadra muçulmana. Faleceu em combate naval contra os Mouros no estreito de Gibraltar.

Camões refere D. Fuas Roupinho, no Canto VIII d'Os Lusíadas:

Vês este que, saindo da cilada,
Dá sobre o Rei que cerca a vila forte?
Já o Rei tem preso e a vila descercada:
Ilustre feito, digno de Mavorte!
Vê-lo cá vai pintado nesta armada,
No mar também aos Mouros dando a morte,
Tomando-lhe as galés, levando a glória
Da primeira marítima vitória.
Os Lusíadas, estrofe 16 do Canto VIII
É, Dom Fuas Roupinho, que na terra
E no mar resplandece juntamente,
Com o fogo que acendeu junto da serra
De Abila, nas galés da Maura gente.
Olha como, em tão justa e santa guerra,
De acabar pelejando está contente:
Das mãos dos Mouros entra a feliz alma,
Triunfando, nos céus, com justa palma.
Os Lusíadas, estrofe 17 do Canto VIII










Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BOGA, Mendes. D. Fuas Roupinho e o Santuário da Nazaré. Lisboa, 1929.
  • GRANADA, João António Godinho. Nazaré, Nossa Senhora e D. Fuas Roupinho. Batalha, 1998.


Ver também[editar | editar código-fonte]