Héctor Babenco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Héctor Babenco
Héctor Babenco
Nome completo Héctor Eduardo Babenco
Nascimento 7 de fevereiro de 1946 (66 anos)
Mar del Plata
Nacionalidade Argentino-brasileiro de origem judaico-ucraniana
Ocupação cineasta
Outros prêmios
Prêmio do Público, na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, por Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977)
Prêmio Leopardo de Prata, no Festival de Locarno, por Pixote - A Lei do Mais Fraco (1980)
IMDb: (inglês)

Héctor Eduardo Babenco (Mar del Plata, 7 de fevereiro de 1946) é um cineasta argentino-brasileiro de ascendência judaico-ucraniana. Nasceu na Argentina e radicou-se no Brasil aos dezenove anos de idade. É naturalizado brasileiro desde 1977.


Trabalhou como figurante em filmes dos diretores Italianos Sergio Corbucci, Giorgio Ferroni e Mario Camus.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Indicado ao Oscar de melhor diretor, por O Beijo da Mulher-Aranha (1984).
  • Prêmio Leopardo de Prata, no Festival de Locarno, por Pixote - A Lei do Mais Fraco (1980).
  • Indicado ao Grande Prêmio Cinema Brasil, na categoria de melhor diretor, por Coração Iluminado (1998).
  • Prêmio do Público, na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, por Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977).

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre cineastas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.