Heart of Darkness (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Heart of Darkness
O Coração das Trevas
Heart of Darkness
Heart of Darkness foi originalmente publicado como uma história de série de três partes pela revista Blackwood
Autor (es) Joseph Conrad
Idioma Inglês
País  Reino Unido
Género Roman à clef, ficção, novela
Editora Blackwood's Magazine
Formato Impressão (série)
Lançamento Fevereiro de 1899
Cronologia
Último
Último
Lord Jim
Próximo
Próximo

Heart of Darkness (O Coração das Trevas) é um romance escrito por Joseph Conrad. Antes da sua publicação em 1902, apareceu como uma série em três partes (1899) na Blackwood's Magazine. É amplamente considerada como uma obra importante da literatura inglesa e parte do cânone ocidental.

O romance fala de Charles Marlow, um inglês que obteve trabalho junto de uma companhia de comércio belga como capitão de um barco a vapor num rio africano. Embora Conrad não identifique o rio, no Estado Livre do Congo, a localização do grande e importante rio Congo era à época uma colônia propriedade privada do rei Leopoldo II da Bélgica. Marlow é contratado para transportar marfim rio abaixo. No entanto, a sua tarefa mais urgente é devolver Kurtz, um famoso comerciante de marfim, à civilização.

Conrad construiu uma narrativa simbólica com uma história dentro da própria história (narrativa moldura): Marlow conta a um grupo de amigos a bordo de um navio ancorado no estuário do Tamisa, desde o anoitecer até de madrugada, a sua aventura congolesa. A passagem do tempo e o céu escurecendo-se com o pôr-do-sol sobre Londres, enquadram a atmosfera densa e pesada da história dentro da história.

O livro tem um caráter crítico e psicológico e, apesar de seu tamanho pequeno e fácil leitura em relação ao vocabulário, exige uma alta concentração do leitor por constituir uma narrativa simbólica e de rápidas conexões.

O livro inspirou o filme Apocalypse Now de Francis Ford Coppola. Enquanto o livro se passa em tempos mais remotos, o filme se situa na guerra do Vietnã, colocando o Sr. Kurtz como um coronel americano que se refugia na selva. Apesar de ser diferente do livro, o filme consegue manter as críticas do livro, transportando elas à guerra, e consegue manter a história original apesar das adaptações de roteiro.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O livro possuiu similaridades com a vida de Conrad. Oito anos e meio antes de escreve-lo, Conrad foi designado por uma companhia de comércio belga para trabalhar como capitão de um navio no Rio Congo. Na chegada a estação no Congo, ele descobriu que o navio que iria comandar sofreu danos e necessitava de reparo. No dia seguinte ele subiu o rio em um navio diferente, chefiado por outra pessoa. Durante a jornada o capitão adoeceu e Conrad assumiu o comando. Eles buscaram o agente da estação mais longínquada companhia, Georges-Antonie Klein, que morreu na viagem de volta. O próprio Conrad ficou muito doente e retornou para a Europa antes de completar os três anos de contrato que havia assinado com a companhia.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

No início do livro, o leitor se vê perante uma narração em primeira pessoa de um dos tribulantes de uma embarcação no Tamisa. Ele fala sobre Marlow, um velho tripulante a bordo do navio, o único que ainda "seguia o mar." Sem nada o que fazer já que a maré não era favorável à navegação, Marlow passa a contar a história que o levou a conhecer um lendário chefe de posto, o Sr. Kurtz. Marlow inicia a narrativa dizendo como conseguiu o posto na companhia marítima, através da ajuda e influência da tia, que conhecia a esposa de um alto dirigente da Administração. Ele se torna então comandante de um vapor, e é-lhe incubida a missão de resgatar um chefe de posto conhecido por Sr. Kurtz. Ao narrar sua aventura até encontrar o vapor, Joseph Conrad faz uma crítica em relação a falta de conectividade entre as regiões, à escravidão, ao aspecto burocrático e alheio dos comandantes e a falta de informação por parte destes. Nesse processo, Marlow passa a ouvir muitos elogios ao Sr. Kurtz, como um ótimo chefe de posto, muito inteligente e brilhante. Marlow afirma em um ponto da narrativa que, ao pensar em Kurtz, via apenas um nome e era incapaz de enxergar a pessoa por trás da lenda. Para o infortúnio de Marlow, ele descobre que um comandante improvisado havia recebido ordens dois dias antes de sua chegada para subir o rio com o vapor, e, ao fazer isso, o vapor chocou-se contra pedras do fundo do rio e naufragou. Então, sem saber o que fazer, ele decide tentar consertar o barco, e gasta alguns meses fazendo-o. Após finalmente ter consertado o vapor, ele parte rio acima à procura de Kurtz, lidando com as dificuldades de navegação do rio e as dificuldades de operação do frágil vapor, já velho, deteriorado e com o motor defeituoso. É dessa forma que Marlow vai avançando lentamente em direção ao seu objetivo, encontrar o lendário, brilhante, mas agora louco Sr. Kurtz. Finalmente Marlow o encontra, após ter adentrado o coração das trevas.