Ilhas Shetland do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Posição das ilhas Shetland do Sul
Topographic map of Livingston Island, Greenwich, Robert, Snow and Smith Islands.

As ilhas Shetland do Sul ou, muito raramente, Xetlândia do Sul,[1] são um arquipélago localizado aproximadamente a 120 quilômetros a norte da península Antártica. O arquipélago está separado do continente Antártico pelo estreito de Bransfield e da América do Sul pela passagem de Drake.

História[editar | editar código-fonte]

Ponto Williams, descoberto em 19 fevereiro de 1819

As ilhas foram descobertas pelo mercador britânico William Smith no navio Williams, que avistou a ilha Livingston em 19 de fevereiro de 1819. Smith retornou às ilhas em outubro, quando atracou na ilha do Rei George e novamente em dezembro, junto com Edward Bransfield que examinou e mapeou as ilhas.

Em 15 de novembro de 1819, o agente norte-americano em Valparaíso, Jeremy Robinson, informou o secretário de Estado dos Estados Unidos John Quincy Adams sobre a descoberta de Smith e sobre a missão de Bransfield, e sugeriu o envio de um navio do governo dos Estados Unidos para explorar as ilhas onde "as fontes novas da riqueza, do poder e da felicidade seriam divulgadas e a própria ciência fosse beneficiada desse modo."

Barco baleeiro norueguês, ilha Meia Lua

A descoberta atraiu imediatamente os caçadores de lobos ingleses e norte-americanos. O primeiro navio do lobeiro a visitar as ilhas foi o Espirito Santo comandado pelo capitão Joseph Herring, fretado por comerciantes britânicos em Buenos Aires. O navio chegou à Ilha Rugged perto da ilha Livingston, onde o grupo inglês atracou no dia de Natal de 1819, e reivindicou as ilhas para o rei Jorge III. O Espirito Santo foi seguido até às ilhas Malvinas pelo barco norte-americano Hersilia comandado pelo capitão James Sheffield (com Nathaniel Palmer como segundo oficial), o primeiro navio do lobeiro norte-americano nas ilhas Shetland do Sul. Uma narrativa dos eventos foi publicada pelo Capitão Herring na edição do Imperial Journal de Julho de 1820.

O primeiro apoio durante o inverno na Antártica teve lugar nas ilhas Shetland do Sul, quando no fim do verão de 1820/21 onze ingleses do barco Lord Melville não conseguiam sair da ilha Rei Jorge, onde conseguiram sobreviver do começo até ao fim o inverno, e foram salvos no princípio do verão seguinte.

Após circum-navegarem o continente antártico, a expedição antártica russa de Fabian von Bellingshausen e Mikhail Lazarev chegou às ilhas Shetland do Sul em janeiro de 1821. Os russos pesquisaram as ilhas, deram-lhe nomes russos, e saíram na ilha do Rei George e ilha Elefante.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Montanha de Tangra, ilha Livingston

O arquipélago tem 500 km de comprimento e cobre uma área total da terra do 3687 km², compreendendo à ilha Clarence, ilha Elefante, ilha do Rei George, ilha Nelson, ilha Robert, ilha Greenwich, ilha Livingston, Ilha da Neve, ilha Decepção, ilha Baixa e ilha Smith, assim como numerosos ilhéus. A maior altitude é a do Monte Foster (2105 m), localizado na ilha Smith.

A maior parte das ilhas (80-90%) está coberta de calotas de gelo, que formam a linha costeira em muitos sectores. O clima é antárctico marítimo com temperaturas constantes que raramente excedem 3°C no verão ou atingem menos de –11°C no inverno.

Reivindicações[editar | editar código-fonte]

As ilhas são reivindicados pelo Reino Unido (desde 1908), pelo Chile (desde 1940) e pela Argentina (desde 1943). Após o Tratado da Antártica, de 1961, as reivindicações de soberania na Antártida são paralisadas, e as ilhas estão disponíveis para o uso não-militar, primeiramente para a pesquisa científica e o turismo.

Estações científicas[editar | editar código-fonte]

A velha estação britânica na ilha Decepção, esbandalhada pela vulcão

Há diversas estaçãos científicas nas ilhas, como: Artigas (Uruguai), Arturo Prat (Chile), Bellingshausen (Rússia), Comandante Ferraz (Brasil), Eduardo Frei (Chile), Henryk Arctowski (Polônia), Juan Carlos I (Espanha), Jubany (Argentina), Parede Grande (China), Rei Sejong (Coreia do Sul), Machu Picchu (Peru), Pedro Vicente Maldonado (Equador), Shirreff (Chile/Estados Unidos da América) e São Clemente de Ohrid (Bulgária). A maioria destas bases ficam situadas na ilha Rei Jorge, beneficiando-se do aeródromo na base chilena Eduardo Frei.

Referências

  1. Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Mapas[editar | editar código-fonte]

Mapa das ilhas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (em inglês) A.G.E. Jones, Captain William Smith and the Discovery of New South Shetland, Geographical Journal, Vol. 141, No. 3 (Nov., 1975), pp. 445-461
  • (em inglês) Alan Gurney, Below the Convergence: Voyages Toward Antarctica, 1699-1839, Penguin Books, New York, 1998
  • (em inglês) R.J. Campbell ed., The Discovery of the South Shetland Islands: The Voyage of the Brig Williams, 1819-1820 and the Journal of Midshipman C.W. Poynter, The Hakluyt Society, London, 2000