Insônia (filme de 2002)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Insomnia (filme))
Ir para: navegação, pesquisa
Insomnia
Insônia (PT/BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2002 • cor • 118 min 
Direção Christopher Nolan
Produção Paul Junger Witt
Edward L. McDonnell
Broderick Johnson
Andrew A. Kosove
Roteiro Hillary Seitz
Baseado em Insomnia de Erik Skjoldbjærg
Nikolaj Frobenius
Elenco Al Pacino
Robin Williams
Hilary Swank
Maura Tierney
Martin Donovan
Nicky Katt
Paul Dooley
Gênero Suspense
Idioma Inglês
Música David Julyan
Cinematografia Wally Pfister
Edição Dody Dorn
Estúdio Alcon Entertainment
Section Eight
Distribuição Warner Bros. (Reino Unido)
Buena Vista International
(Reino Unido e Austrália)
Lançamento Estados Unidos 24 de maio de 2002
Brasil 16 de agosto de 2002
Portugal 6 de setembro de 2002
Orçamento US$46 milhões
Receita US$113,714,830[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Insomnia (Insônia no Brasil e em Portugal) é um filme de suspense psicológico estadunidense dirigido por Christopher Nolan e estrelado por Al Pacino, Robin Williams e Hilary Swank. Ele conta a história de dois detetives de homicídios de Los Angeles que investigam um assassinato em uma cidade do norte do Alasca. Um remake do filme de 1997 norueguês de mesmo nome, Insomnia foi lançado em 24 de maio de 2002, obtendo a aclamação da crítica e sucesso comercial, arrecadando $113 milhões de dólares americanos em todo o mundo.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Na pequena cidade de Nightmute, Alaska, uma garota de 17 anos chamada Kay Connell é encontrada morta. Dois policiais de Los Angeles, Will Dormer e Hap Eckhart, são enviados para ajudar a polícia local na investigação.

Simultaneamente, uma investigação da Corregedoria em Los Angeles está para colocar Dormer sob vigilância; Eckhart revela que imunidade foi oferecida a ele em troca de um testemunho acerca dos casos antigos de Dormer. Dormer tenta convencer Eckhart a não aceitar, porém ele aparentemente participou de alguns erros de Dormer, dizendo que ele deve cuidar de si mesmo e de sua família. Assim, ela acha que não há outra opção.

Se focando no caso de Nightmute, Dormer cria um plano inteligente para atrair o assassino de volta a cena do crime; entretanto, o plano falha e o suspeito foge para dentro da fumaça, forçando a polícia a se separar para procurá-lo. Durante a perseguição, Dormer vê uma figura na neblina, que ele acredita ser o suspeito. Ele atira, e a figura cai, porém quando Dormer se aproxima, ele descobre que ele acidentalmente atirou em Eckhart. Dormer corre para ajudá-lo, porém Eckhart acredita que Dormer atirou nele para impedi-lo de testemunhar. Eckhart morre e Dormer, sabendo da natureza do testemunho de Eckhart e sabento que a Corregedoria não vai acreditar que a morte foi acidental, muda a cena do crime antes de pedir ajuda. Ellie Burr, uma jovem oficial e uma fã de Dormer, é colocada na investigação da morte de Eckhart, o que faz Dormer usar sua influência e reputação para levar ela a acreditar que Eckhart foi morto pelo suspeito.

Dormer começa a ficar emocionalmente instável devido ao sentimento de culpa, o que causa ele ter uma insônia, que é aumentada pelo sol da meia-noite. Dormer começa a receber telefonemas do suspeito, que diz que ele viu Dormer assassinar seu parceiro e sabe que ele está tentando encobrir o caso. Dormer sabe que Kay Connell era fã do escritor de crimes Walter Finch, e livros autografados por ele foram encontrados nas posses dela, o que faz ele acreditar que Finch está envolvido de alguma forma. Dormer invade o apartamento de Finch para procurar evidências, apenas para ser descoberto. Após uma perseguição onde Finch escapa, Dormer é contatado por ele e concorda em se encontrar ele em público. Finch oferece a Dormer um acordo, onde ele vai acusar o namorado de Kay, Randy Stetz, pelo assassinato em troca do silêncio de Finch sobre a morte de Eckhart, forçando Dormer escolher entre destruir sua reputação ou permitir um homem inocente vá para a prisão.

Enquanto isso, Burr acha algumas inconsistências no testemunho de Dormer; ela acha um cartucho de 9 mm na cena do crime, o que entra em conflito com a bala encontrada no corpo, e acredita que a direção que o suspeito correu é improvável. Finch, sob as instruções de Dormer, dá falso testemunho na delegacia, que, junto com a arma colocada por Finch, incrimina Randy. De volta a delegacia, Finch oferece dar a Burr cartas indicando que Randy abusava de Kay, e pede que ela vá coletar evidências em sua segunda e isolada casa no dia seguinte.

Dormer retorna para seu hotel para uma última noite, onde ele confidencia com o dono sobre a investigação que Eckhart iria testemunhar. Ele revela que ele fabricou evidências para condenar um pedófilo que ele tinha certeza da culpa, e que teria sido libertado caso Eckhart tivesse testemunhado.

Ao retornar ao apartamento de Finch, Dormer descobre que Finch foi se encontrar com Burr sem a evidência, percebendo que ele pretende matá-la. Enquanto isso, Burr descobre o vestido que a vítima estava usando no dia do assassinato, porém ela é atacada por Finch, ficando inconsciente. Dormer, sofrendo de fadiga e insônia, chega na cabine e luta com Finch. Burr eventualmente salva Dormer, que corre para se proteger. Porém, Burr aponta uma arma para Dormer, revelando que ela sabe que ele atirou em Eckhart, exigindo saber se foi de propósito. De onde estava protegido, Finch atira neles com uma espingarda. Dormer cria um plano: enquanto Burr distrai Finch, ele iria pega-lo por trás. Quando Dormer chega em Finch, uma luta começa, terminando na morte de Finch e deixando Dormer ferido.

Burr corre para ajudá-lo, e depois o confronta afirmando que o tiro em Eckhart foi acidental e tenta jogar o cartucho da bala fora. Dormer impede ela de fazer isso. Após um curto período, Burr decide colocar o cartucho na sacola de evidências.[2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Insomnia recebeu críticas muito positivas. No site Rotten Tomatoes o filme possui um índice de aprovação de 92%, baseado em 167 críticas, com uma média de 7,7/10. O consenso é "Guiado pela interpretação de Pacino, Insomnia é um esperto drama psicológico".[3] No site Metacritic o filme tem uma aprovação de 78/100, baseado em 36 críticas, indicando "críticas geralmente favoráveis".[4]

Novelização[editar | editar código-fonte]

Robert Westbrook adaptou o romance de forma em livro, Que foi publicado em maio de 2002 por Alex.[5]

Insomnia (filme de 1997)[editar | editar código-fonte]

Insomnia é um filme de suspense norueguês de 1997, sobre um detetive da polícia investigando um assassinato em uma cidade localizada acima do Círculo Polar Ártico. A investigação vai horrivelmente errado quando por engano atira em seu parceiro e, posteriormente, tenta encobrir. O título do filme se refere à sua incapacidade de dormir, o resultado de sua culpa (representado pelo brilho implacável do sol da meia-noite). Insomnia foi o primeiro filme de diretor Erik Skjoldbjærg. O roteiro foi escrito por Nikolaj Frobenius e Skjoldbjærg, e a trilha sonora por Geir Jenssen (apelido de Biosphere).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]