Kazuyo Sejima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sejima, em Paris, 2009.
Nome completo Kazuyo Sejima (妹島 和世)
Nascimento 1956 (58 anos)
Ibaraki
Nacionalidade Japão Japonesa
Prêmios Prêmios Rolf Schock
Leão de Ouro da Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza de 2004
Prêmio Pritzker (2010)

Kazuyo Sejima (Província de Ibaraki, 1956) é um arquiteta japonesa, vencedora do Prêmio Pritzker de 2010.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois de estudar na Universidade de Mulheres do Japão e trabalhar no escritório de Toyo Ito, em 1987, Kazuyo Sejima fundou a Kazuyo Sejima and Associates. Em 1995, ela fundou uma empresa com sede em Tóquio, a SANAA (Sejima e Nishizawa and Associates), juntamente com seu ex-empregado Ryue Nishizawa. Sejima foi nomeada Diretora do Setor de Arquitetura da Bienal de Veneza, para o qual ela curou a 12.ª Exposição Internacional de Arquitetura, realizada em 2010. Ela foi a primeira mulher selecionada para esta posição. Ainda em 2010, ela foi premiada com o Prêmio Pritzker, em conjunto com Ryue Nishizawa.

O SANAA possui projetos no Japão, Alemanha, Inglaterra, Espanha, França, Países Baixos e nos Estados Unidos. Entre eles, estão o translúcido prédio da Christian Dior em Tóquio (Japão), o Pavilhão de Vidro do Museu de Artes de Toledo, em Ohio (EUA), e o recém-inaugurado Centro de Aprendizado Rolex do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Lausanne.

Carreira acadêmica[editar | editar código-fonte]

Sejima leciona como professora visitante na Universidade de Arte de Tama e na Universidade de Keio, em Tóquio. Juntamente com Nishizawa, de 2005 a 2008, ela ocupou a Cátedra Jean Labatut na Escola de Arquitetura da Universidade de Princeton, em Princeton, Nova Jersey, nos Estados Unidos, onde ela também atuou no conselho consultivo por vários anos.

Projetos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Peter Zumthor
Prémio Pritzker
2010

com Ryue Nishizawa

Sucedido por
Eduardo Souto de Moura