Killing Floor (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Killing Floor
Desenvolvedora Tripwire Interactive
Publicadora(s) Tripwire Interactive
Distribuidora Steam (online)
Tripwire Interactive (América do Norte)
Iceberg Interactive (Europa)
Motor Unreal Engine 2.5 altamente modificado
Plataforma(s) Microsoft Windows
Mac OS X[1]
Linux
Gênero(s) Tiro em primeira-pessoa, survival horror cooperativo
Modos de jogo Single player, Multiplayer
Classificação Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)

Inadequado para menores de 12 anos i USK (Alemanha) (com censuras)
Permitido para maiores de 15 anos BBFC (Reino Unido)[2]

Controles Teclado e mouse

Killing Floor (abreviado como KF) é um jogo eletrônico cooperativo de tiro em primeira-pessoa desenvolvido e distribuído pela Tripwire Interactive. Foi primeiramente lançado em 14 de maio de 2009 para Microsoft Windows,[3] e para Mac OS X em 5 de maio de 2010.[4] Sua versão para Linux também foi lançado, em 10 de novembro de 2012 para a plataforma beta da Steam do sistema operacional.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Killing Floor é um jogo de tiro em primeira-pessoa, que permite o jogador mover em um ambiente tridimensional. A jogabilidade consiste de um único modo de jogo, no qual o jogador deve lutar contra ondas de espécimes com semelhança zumbi, com cada onda tornando-se mais difícil, até que a partida se conclui com uma batalha contra um espécime "chefe", chamado "Patriarch".[5] No início de uma vida, cada jogador do time recebe pelo menos uma faca, uma pistola, um aparato de cura e uma solda de portas. Jogadores adquirem dinheiro virtual para a partida por cada espécime matado, como também ao sobreviver até o fim de uma onda. No tempo de intervalo entre cada onda, os jogadores podem visitar uma comerciante para comprar e vender munição, colete e armas em si; a localização da comerciante na fase varia no fim de cada onda, o que desmotiva os jogadores de continuar em um só local. Armas, colete e munição também podem ser encontrados aleatoriamente pelo mapa. Os jogadores são incentivados a trabalharem juntos: eles podem jogar no chão armas e dinheiro, curar um parceiro é mais efetivo do que curar a si mesmo, e o time pode estrategicamente selar portas para criar uma barreira temporária contra uma horda de zumbis enquanto canaliza outra parte das criaturas em áreas específicas.

Jogadores podem selecionar uma de sete perks no começo da cada partida, ou entre ondas. A perk, semelhante à ideia de uma classe de personagem, provê bônus em certos tipos de arma, colete, movimento e outros fatores. Os jogadores podem subir de nível em cada perk para aumentar os benefícios que ela fornece. Por exemplo, a perk "Sharpshooter", que provê benefícios de precisão ao usar rifles com mira, pode ter o nível aumentado ao completar um número de tiros na cabeça com armamentos específicos. O jogador não precisa jogar com tal perk para elevar o seu nível; por exemplo, a perk "Field Medic" requer que o jogador cure um número definido de pontos de vida de outros jogadores, isto podendo ser feito ao jogar com qualquer outra perk.

Jogadores que morrerem durante uma onda deixam para trás a arma selecionada e podem voltar ao jogo no fim da próxima onda, contanto que pelo menos um dos membros do time sobreviva. Se o time inteiro é morto, eles terão que recomeçar o jogo desde a primeira onda.

Cada partida por ser configurada em termos de duração e dificuldade das várias ondas. O número de criaturas por cada onda é baseado no número de jogadores presentes e na dificuldade, sendo aumentado caso mais jogadores entrem durante a partida. Todos os inimigos, exceto pelos mais fracos, possuem algum tipo de ataque especial que pode infligir dano significante em um jogador. Além disto, a jogabilidade também traz um aspecto de slow-motion chamado zed-time, que dura alguns segundos e é ativado aleatoriamente como recompensa para mortes sangrentas de inimigos, como com tiros na cabeça. Quando ocorre, o zed-time ocorre para todos os membros de um time.

Alex Quick, o designer de fases e artista de textura, afirmou que "existe um monte de ideias na mesa de projeto que podemos adicionar após o lançamento, incluindo o modo História do mod, por exemplo".[6] Um software development kit (SDK) e editor de mapas foram inclusos para auxiliar a criação de mods e fases de jogo.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O jogo se passa em Londres, Inglaterra. A Horzine Biotech, uma empresa de biotecnologia, é contratada para conduzir experimentos de natureza militar envolvendo clonagem em massa e manipulação genética. Algo dá muito errado durante o processo dos experimentos e cobaias humanas começam a exibir mutações e desfigurações grotescas. Eles se tornam cada vez mais hostis, e eventualmente invadem as partes de segurança da empresa.

Horas depois, as primeiras ondas de espécimes começam a invadir a superfície, atrapalhando um protesto de paz fora da sede do contratante militar da Horzine. Apesar dos esforços da polícia local, os civis são rapidamente dominados e consumidos pela aparente infinita onda de clones agora fluindo para fora do quartel-general da Horzine Biotech. Tendo escapado as suas prisões, as criaturas começam a se espalhar pelas áreas vizinhas, devorando os civis indefesos de Londres enquanto a Polícia Metropolitana de Londres corajosamente mas inutilmente tentam conter a maré de carne e sangue mutantes se espalhando pela cidade.

Desesperados para conter a explosão da mutação e evitar que esta alcance países exteriores, como planejado pelo cientista Dr. Kevin Clamley (logo chamado de Patriarch) agora também mutante e equipado ciberneticamente, o governo britânico rapidamente começa a organizar times com o restante dos sobreviventes do Exército Britânico e policiais da Special Branch, para lutar contra as hordas de espécimes mutantes que já tinham se espalhado pela capital e suas periferias. O jogador assume o papel de um membro anônimo destes times em sua variedade de missões dentro e ao redor de Londres.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Killing Floor foi originalmente um mod do jogo Unreal Tournament 2004, sendo primeiramente lançado em 2005. O desenvolvedor-chefe Alex Quick foi recebeu uma oferta pela Tripwire Interactive sobre portar Killing Floor para o jogo deles Red Orchestra: Ostfront 41-45, mas Alex não aceitou. Alguns anos depois, quando a comunidade online do mod começou a se dispersar, Quick contatou a Tripwire novamente para negociar o port para Red Orchestra, e sua distribuição na Steam — similar ao que a Tripwire já tinha feito com outro mod de Red Orchestra, Mare Nostrum — e, mais tarde, a venda física do jogo.[6] A versão mod teve o seu último update oficial em julho de 2008.

A versão de venda física foi anunciada em março de 2009. Com a assistência do time original do mod, a Tripwire tornou-se a desenvolvedora.[7]

Killing Floor foi lançado em 14 de maio de 2009, após três meses de trabalho de um time com cerca de 10 desenvolvedores.[8]

Recepção na crítica[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
IGN 7,5/10[9]
GameSpot 7,5/10[10]
Eurogamer 7/10[11]
Pontuação global
Publicação Nota média
GameRankings 72.67% (24 resenhas)[12]
Metacritic 72/100 (30 resenhas)[13]

Killing Floor foi o jogo mais vendido na Steam logo após o seu lançamento em 19 de maio de 2009.[14] Em 14 de fevereiro de 2012, a Tripwire Interactive anunciou que Killing Floor tinha vendido mais de 1.000.000 de cópias para PC.[15]

O título já ganhou diversas premiações, incluindo "Overall Best PC Game of 2009" no Reader Choice Awards da Voodoo Extreme. Ele também ganhou em duas outras categorias no mesmo concurso, "Best PC Shooter of 2009" e "Best PC Game Expansion or DLC of 2009".[16]

A Eurogamer comentou que "mesmo que não perfeito", KF é um jogo "esperto e relativamente barato".[11] A GameSpot comentou que os gráficos do jogo são ruins em comparação a jogos de tiro contemporâneos, e que a dublagem ficou mal feita, mas considerou que os efeitos sonoros são muito bons e que, apesar de seus defeitos, "você não pode deixar de apreciá-lo".[10] Alguns críticos também consideraram a ausência de qualquer enredo ou objetivo fora matar espécimes para os jogadores, o número pequeno de mapas existentes e a repetitividade da jogabilidade terem reduzido o tempo-vida de jogo.[17] [18] [19] Killing Floor possui uma nota média de 72/100 na Metacritic.[13]

Referências

  1. Exclusive: Killing Floor and Red Orchestra coming to the Mac (em inglês) BigDownload. Página visitada em 8 de maio de 2010.
  2. Killing Floor rated 15 by the BBFC (em inglês) British Board of Film Classification (2 de novembro de 2009). Página visitada em 2 de novembro de 2009.
  3. Killing Floor on the Steam Store (em inglês) Steam Store. Store.steampowered.com. Página visitada em 13 de maio de 2009.
  4. Killing Floor website (em inglês) Killing Floor website. Killingfloorthegame.com. Página visitada em 9 de maio de 2010.
  5. Killing Floor Overview (em inglês) Killing Floor Official Web Site. Killingfloorthegame.com. Página visitada em 6 de maio de 2009.
  6. a b GT Q&A: Tripwire’s Killing Floor (em inglês) News.filefront.com (6 de maio de 2009).
  7. Andrew Burnes (20 de março de 2009). Tripwire Interactive Announces Killing Floor (em inglês) Voodoo Extreme. Página visitada em 5 de maio de 2009.
  8. John Gibson (21 de maio de 2011). An Open Letter To The Community (em inglês) Forums.tripwireinteractive.com. Página visitada em 21 de junho de 2011.
  9. Killing Floor Review. 28 Days Later meets Left 4 Dead (em inglês) IGN (20 de maio de 2009).
  10. a b Killing Floor Review (em inglês) GameSpot (26 de maio de 2009). "Visually, Killing Floor compares poorly with contemporary shooters, thanks to its five-year-old engine(…)The sound effects are outstanding, especially for guns, and you can often use subtle sound clues to detect incoming enemies. Unfortunately, the voice acting and soundtrack don't achieve the same level of quality(…)Meanwhile, derivative, generic metal music does little to improve the tone(…)It's absurd and crass, and yet you can't help but enjoy it"
  11. a b Killing Floor (em inglês) EuroGamer (28 de maio de 2009).
  12. Killing Floor (em inglês) Game Rankings. Página visitada em 25 de outubro de 2009.
  13. a b Killing Floor (em inglês) Metacritic. Página visitada em 21 de maio de 2010.
  14. Killing Floor Wipes the Killing Floor (em inglês) Kotaku.com.au. Página visitada em 3 de maio de 2009.
  15. Killing Floor has sold a million! (em inglês) Killing Floor website. Killingfloorthegame.com (14 de fevereiro de 2012). Página visitada em 16 de fevereiro de 2012.
  16. 2009 Reader's Choice Award Winners (em inglês) Voodoo Extreme. Página visitada em 19 de janeiro de 2010.
  17. Killing Floor (em inglês) Game-Over.com. Página visitada em 9 de agosto de 2009.
  18. Killing Floor (em inglês) HardCoreGamer.com. Página visitada em 9 de agosto de 2009.
  19. Killing Floor GameSquad.com. Página visitada em 9 de agosto de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]