Exército Britânico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Exército Britânico
Flag of the British Army.svg
Bandeira do Exército Britânico
País  Reino Unido
Corporação Exército
Subordinação Forças Armadas do Reino Unido
Denominação British Army
Criação 1707
Patrono Monarquia do Reino Unido
Comando
Comandante General sir Peter Wall
Um tanque Challenger II do exército do Reino Unido.

O Exército Britânico (em inglês: British Army) é o ramo de guerra terrestre das Forças Armadas do Reino Unido. Surgiu com a unificação dos reinos da Inglaterra e Escócia para formar o Reino da Grã-Bretanha em 1707. O novo exército britânico incorporou regimentos que já existiam na Inglaterra e na Escócia, e eram administrados pelo Departamento de Guerra de Londres. Tem sido gerenciado pelo Ministério da Defesa desde 1964.

Desde 2011, emprega 110.210 regulares (que inclui 3.860 da Brigada de Gurkhas) e 33.100 territoriais para um componente de força combinada de 143.310 soldados. Além disso, há 121.800 reservas regulares do exército britânico.[1] [2]

O elemento de tempo integral do exército britânico também tem sido referido como Exército Regular (em inglês: Regular Army) desde a criação da Força Territorial de reservistas em 1908. O Exército Britânico está implantado em muitas das zonas de guerra do mundo, como parte de ambas as Forças Expedicionárias e Forças de manutenção da paz das Nações Unidas. O Exército Britânico está atualmente implantado no Kosovo, Chipre, Alemanha, Afeganistão, Iraque e muitos outros lugares.

Todos os membros do exército juram (ou afirmam) fidelidade ao monarca como comandante-em-chefe. No entanto, a Declaração de Direitos de 1689 (em inglês: Bill of Rights of 1689) exige o consentimento do parlamento para a Coroa manter um exército permanente, em tempos de paz. Assim, o parlamento aprova anualmente a existência contínua do exército.

Em contraste com a Royal Navy, Royal Marines e Royal Air Force, o exército britânico não inclui o termo "Real" em seu título. Muitos dos regimentos e corpos constituintes do exército obtiveram o termo "Real" e tem membros da família real ocupando posições sênior dentro de alguns regimentos.[3]

O chefe de carreira do exército britânico é o Chefe do Estado Maior Geral, atualmente o general sir Peter Wall.

História[editar | editar código-fonte]

Militares britânicos em ação no Guerra do Afeganistão em 2007.

O Exército Britânico surgiu com a fusão do Exército Escocês e do Exército Inglês, após a unificação do Reino da Inglaterra e do Reino da Escócia, resultando no Reino da Grã-Bretanha em 1707. O novo Exército Britânico incorporou regimentos ingleses e escoceses existentes, e era controlado a partir de Londres.[4] Durante esse período, o exército britânico ficou conhecido principalmente como Casacas Vermelhas, devido à cor da roupa de seus soldados, extremamente treinados e bem armados, que tinha sido vitorioso nos cinco continentes. Esse modelo foi adotado até o final do século 19, com a modernização do exército britânico. Desde o fim da Guerra dos Sete Anos em 1763, a Grã-Bretanha e seu sucessor, o Reino Unido, tem sido uma das principais potências militares e econômicas do mundo.[5]

Era pós-colonial[editar | editar código-fonte]

Soldados de elite do exército britânico, armados com o fuzil SA80.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, o Exército Britânico foi reduzido significativamente de tamanho, embora o Serviço Nacional tenha continuado até 1960.[6] Este período também viu o processo de descolonização começar com o fim da Índia Britânica, e a independência de outras colônias na África e Ásia. Consequentemente, a força do Exército foi ainda mais reduzida, em reconhecimento à reduzida participação Britânica nos assuntos mundiais, delineadas no Defense White Paper, em 1957.[7] Isto ocorreu, apesar de importantes ações na Coreia em 1950,[6] e Suez em 1956.[8] Um grande contingente de tropas britânicas também permaneceu na Alemanha, enfrentando a ameaça de invasão Soviética.[9] O Exército Britânico do Reno foi a formação de guarnição da Alemanha, com a força de combate principal sendo o I Corpo. A Guerra Fria viu avanços tecnológicos significativos na guerra e o Exército viu sistemas de armas tecnologicamente mais avançados entrarem em serviço.[10]

Apesar do declínio do Império Britânico, o Exército ainda estava implantado em todo o mundo, lutando contra as guerras coloniais em Áden,[11] Chipre,[11] Quênia[11] e Malásia.[12] Em 1982, o Exército Britânico, ao lado dos Royal Marines, ajudou a recuperar as Ilhas Falklands durante a guerra contra a Argentina.[13]

Nas três décadas seguintes de 1969, o exército foi fortemente implantado na Irlanda do Norte, para apoiar o Royal Ulster Constabulary (mais tarde Serviço de Polícia da Irlanda do Norte), em seu conflito com grupos paramilitares republicanos, chamada Operação Banner.[14] O Regimento de Defesa Ulster de recrutados localmente foi formado, mais tarde tornando-se o Regimento Real Irlandês, em 1992. Mais de 700 soldados foram mortos durante os conflitos. Após o cessar-fogo do IRA, entre 1994 e 1996 e, desde 1997, a desmilitarização ocorreu como parte do processo de paz, reduzindo a presença militar de 30.000 para 5.000 soldados.[15] Em 25 de junho de 2007, o Segundo Batalhão Princesa de Gales do Regimento Real desocupou o complexo do Exército na Bessbrook Mill, em Armagh. Isto foi parte da "normalização" programada na Irlanda do Norte, em resposta ao fim declarado do IRA às suas atividades.[16]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Table 2 - Strength of UK Armed Forces1 - full time trained and untrained personnel
  2. Table 2.15 Strength of the Reserve Forces1, at 1 April each year
  3. FAQ: Oldest Regiment in the British Army
  4. The Union of the Parliaments 1707 Learning and Teaching Scotland, accessed 2 September 2010
  5. Aptheker, Herbert. The American Revolution, 1763-1783: a history of the American people: an interpretation. [S.l.]: International Publishers Co, 1960. p. 26. vol. 2. ISBN 0717800059.
  6. a b Mallinson, p. 384
  7. Merged regiments and new brigading – many famous units to lose separate identity, The Times, 25 July 1957
  8. Mallinson, p. 407
  9. Mallinson, p. 440
  10. Mallinson, p. 442
  11. a b c Mallinson, p. 401
  12. Mallinson, p. 402
  13. Falklands Surrender Document Britains-smallwars.com (1982-06-14). Visitado em 2011-03-28.
  14. Mallinson, p. 411
  15. Army ending its operation in NI BBC News, 31 July 2007
  16. Troops pull out of Bessbrook Operation Banner News, 25 June 2007

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Exército Britânico
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.