Manmohan Singh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manmohan Singh
मनमोहन सिंह
Manmohan Singh
मनमोहन सिंह
13.º Primeiro-ministro da Índia Índia
Mandato 22 de maio de 2004 - 25 de maio de 2014
Antecessor(a) Atal Bihari Vajpayee
Sucessor(a) Narendra Modi
Vida
Nascimento 26 de setembro de 1932 (81 anos)
Gah, Punjabe
Flag of Imperial India.svg Índia Britânica
Dados pessoais
Cônjuge Gursharan Kaur
Partido Congresso Nacional
Religião Sikhismo
Profissão Economista

Manmohan Singh, ਮਨਮੋਹਨ ਸਿੰਘ na escrita gurmukhi मनमोहन सिंह na escrita devanagari do Punjabe, (Gah, 26 de setembro de 1932) foi o 13º Primeiro-ministro da Índia, pertence ao Partido do Congresso e é de religião sikh, sendo o primeiro não-hindu a chefiar o governo indiano. Singh assumiu o cargo de Primeiro-ministro em 2004, por indicação de Sonia Gandhi, e implantou várias reformas sócio-econômicas nos anos que se seguiram. Na política externa, destaca-se por seu posicionamento em prol dos Estados Unidos, tendo ampliado as relações entre os dois países.[1]

Nascido no Punjab, Singh migrou com a família para a Índia em 1947. Graduou-se em Economia em Cambridge e concluiu seu doutorado em Oxford; ambas universidades britânicas. Na década de 1960, foi funcionário das Nações Unidas, tendo se aproximado da política quando Lalit Narayan Mishra o designou como Conselheiro do Ministério de Comércio Exterior. Durante os anos 1970 e 1980, Singh atuou em vários organismos do Governo de seu país; foi Conselheiro Econômico, presidente do Banco da Reserva e integrou a Comissão de Planejamento de Mishra.

Em 1991, quando o país passava por uma forte crise financeira, o então primeiro-ministro P. V. Narasimha Rao convidou Singh para assumir o Ministério das Finanças - foi o fato que marcou sua entrada definitiva na política. No governo Rao, apesar da forte oposição, Singh liderou um processo de reforma financeira de relativo sucesso. Embora sua ações tenham rendido grande apoio popular, seu partido não foi bem-sucedido nas eleições parlamentares de 1996. Consequentemente, durante o governo de Atal Bihari Vajpayee, Singh desempenhou o cargo de Líder da Oposição no Rajya Sabha.

Em 2004, Sonia Gandhi, líder da Aliança Progressista Unida (UPA), indicou Singh para assumir o cargo de primeiro-ministro num ato histórico do país. Singh conduziu reformas no legislativo e desenvolveu projetos de inclusão social, especialmente no que diz respeito à população do interior. No plano externo, mantém uma conduta de boas relações com Ocidente e Oriente, principalmente com os Estados Unidos. Em 2008, sua oposição ao acordo nuclear proposto pelos Estados Unidos causou o afastamento dos partidos esquerdistas. Singh, porém, manteve sua popularidade perante o povo indiano. Um ponto negativo de seu governo, porém, foram as tensões diplomáticas com o Oriente Médio causadas pelos ataques terroristas à Bombaim.

Juventude e Educação[editar | editar código-fonte]

Manmohan Singh nasceu em 1932 na região do Punjab, que à época pertencia à Índia Britânica. Sua família era de religião Sikh; Órfão desde muito cedo, Singh foi educado pela avó paterna. Em 1947, sucedendo a Partilha da Índia, a família migrou para a cidade de Amritsar, situada no noroeste do país, onde Singh teve seu primeiro contato com uma comunidade hindu.

Singh foi aluno da Panjab University, onde graduou-se em 1952. Dois anos depois concluiu seu mestrado de Economia. Estudou também no respeitado St John's College, uma das faculdades integrantes da Universidade de Cambridge, Reino Unido. Após seus estudos no exterior, Singh retornou à Índia como professor universitário em Chandigarh. Em 1960, retornou ao Reino Unido, desta vez na Universidade de Oxford, onde conquistou seu Ph.D. em Economia dois anos depois.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Após concluir seus estudos, em 1966, Singh retornou à Índia e mudou-se para Genebra (Suíça) para trabalhar na Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, onde permaneceria até 1969. Sob indicação do então primeiro-ministro, Lalit Narayan Mishra, Singh foi também assessor do Ministro do Comércio Exterior. Mishra teria reconhecido nele, um "grande talento para questões de economia". Em 1969 tornou-se professor da Delhi School of Economics, da Universidade de Delhi.

Primeiro-ministério[editar | editar código-fonte]

Manmohan Singh em um encontro com os presidentes Dmitry Medvedev, Hu Jintao, Dilma Rousseff e Jacob Zuma durante a Terceira cúpula do BRICS em Sanya, China.

Após a vitória nas eleições gerais de 2004, o Congresso Nacional Indiano pôs fim à era de governo da Aliança Democrática Nacional (NDA), uma coalização entre os partidos de centro-direita formada em 1998. O Partido do Congresso Nacional uniu-se aos demais partidos de esquerda para formar a Aliança Progressiva Unida (UPA), que seria liderada por Sonia Gandhi. Gandhi, num ato inédito, recusou a candidatura ao Governo indiano, e indicou em seu lugar o economista Manmohan Singh. Apesar de não ter sido membro do Parlamento indiano ou sequer ocupado um cargo mais próximo do eleitorado, Singh desfrutou de grande apoio popular; o que fundamentou sua chegada à chefia do governo. Em 22 de maio de 2004, Singh executou seu juramento como Primeiro-ministro da Índia.

No cargo de chefe de governo, conseguiu liderar a Índia a um período de prosperidade econômica, mas a crise mundial de 2007-2010 abalou o país. Casos de corrupção e lenta diminuição da pobreza fizeram aumentar o descontentamento popular para a sua administração.[2] Muitos indianos achavam que o crescimento econômico do país atingia apenas uma pequena parcela do povo, enquanto a desigualdade social aumentava. Porém, de fato, o PIB cresceu nos anos 2000 uma média de 8–9% ao ano.[3] Singh também lançou projetos para melhorar a saúde e combater o analfabetismo.[4]

Na política externa, ele adotou uma linha mais pragmática. Ao mesmo tempo que se aproximava dos Estados Unidos, também buscou melhorar os laços com os chamados BRICs, especialmente com a China, além da União Européia e até Israel.[5] Com os americanos, Singh teve boas relações com George W. Bush e com Barack Obama.[6] Com a Rússia, o país também estreitou laços, especialmente no ramo da defesa.[7]

Referências

  1. Detailed Profile: Dr. Manmohan Singh. Página visitada em 18 de dezembro de 2011.
  2. "India's corruption scandals", BBC, 18 de abril de 2012.
  3. CIA – The World Factbook. Cia.gov. Página visitada em 15 de fevereiro de 2011.
  4. "Direct SSA funds for school panels". Página visitada em 14 de junho de 2013.
  5. China becomes India's 2nd largest trade partner
  6. U.S., India ink historic civilian nuclear deal. People's Daily (11 de outubro de 2008). Página visitada em 11 de dezembro de 2008.
  7. Roychowdhury, Amitabh (6 de dezembro de 2006). India, Russia sign agreements to further strengthen ties. Outlook. Página visitada em 11 de dezembro de 2008.

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Manmohan Singh
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Atal Bihari Vajpayee
Primeiro-ministro da Índia
2004 - 2014
Sucedido por
Narendra Modi