Maria da Fé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Maria da Fé
Maria.da.fe02.jpg

Bandeira de Maria da Fé
Brasão de Maria da Fé
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1º de junho de 1912
Gentílico mariense
Prefeito(a) Adilson dos Santos (DEM)
(2013–2016)
Localização
Localização de Maria da Fé
Localização de Maria da Fé em Minas Gerais
Maria da Fé está localizado em: Brasil
Maria da Fé
Localização de Maria da Fé no Brasil
22° 18' 28" S 45° 22' 30" O22° 18' 28" S 45° 22' 30" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Sul/Sudoeste de Minas IBGE/2008[1]
Microrregião Itajubá IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Cristina, Dom Viçoso, Virgínia, Delfim Moreira, Itajubá, São José do Alegre, Pedralva[2]
Distância até a capital 432 km
Características geográficas
Área 203,774 km² [3]
População 14 216 hab. Censo IBGE/2010[4]
Densidade 69,76 hab./km²
Altitude 1.258 m
Clima tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,733 alto PNUD/2000[5]
PIB R$ 89 246,084 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 6 093,55 IBGE/2008[6]
Página oficial

Maria da Fé é um município brasileiro do Estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2009 é de 14.637 habitantes.[7]

Maria da Fé é conhecida como a cidade mais fria do Estado de Minas Gerais. No inverno as temperaturas mínimas podem descer abaixo de 0°C.[1] .

O município está localizado em plena Serra da Mantiqueira bem próximo à estância paulista de Campos do Jordão e às mineiras do chamado Circuito das Águas. O turismo é ainda incipiente, mas existem possibilidades de turismo rural, com passeios a cavalo e comida de fogão a lenha.

Seus principais bairros e distritos são: Pinto Negreiros, Mata do Izidoro, Posses, Ilha e São João. Na cidade, a Igreja Matriz de Nossa Senhora de Lourdes possui murais de Pietro Gentilli, pintor italiano que também possui obras em Americana (Estado de São Paulo) e Mariana (Minas Gerais). A cidade também possui um Centro Cultural, onde estão disponíveis informações históricas e turísticas sobre o município e também a Casa do Artesão, um espaço criado para a exposição de trabalhos de artesanato da cidade.

Na praça Getúlio Vargas estão algumas das mais antigas oliveiras da cidade, conhecida nacionalmente[carece de fontes?] como Cidade das Oliveiras, já que a fazenda experimental de Maria da Fé da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) é a única produtora de mudas de oliveira do Brasil,[carece de fontes?] e que deu origem a duas variedades de oliveiras genuinamente brasileiras, resultadas de cruzamentos e anos de pesquisas da instituição: a JB e a Maria da Fé.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

"Procurar o vale do Sapucaí, alto do vale, o alto dos Campos do Jordão, depois da Serra da Mantiqueira, passando por Campos e planaltos cobertos de araucárias." Teria sido este, em largos traços, o itinerário estabelecido pela bandeira de Antônio Kivet, ainda em 1579. Tal itinerário coincide inteiramente com a região onde está o município de Maria da Fé. Contudo, só se têm efetivas notícias de uma efetiva colonização da região quando a fazenda Maria da Fé instala, junto à sede de seu estabelecimento, um povoado chamado Campos de Maria da Fé, por volta de 1815.

O nome do município tem duas possíveis origens: a primeira homenagearia uma mulher empreendedora e enérgica, que dirigia a fazenda e seus negócios. A outra seria a de uma jovem bonita, vinda com uma das bandeiras que cruzaram aquelas paragens e que teria se casado com o cacique Jiquitibá, por ter ele concordado em desvendar o segredo das minas de ouro da região para exploradores. Como esposa do cacique, ela teria feito erigir um grande cruzeiro de madeira, símbolo de sua fé, convertendo a tribo à religião cristã.

Por especial empenho de seus moradores mais influentes, o povoado passou a distrito e foi incorporado ao município de Cristina, em 27 de junho de 1859, com o nome de Maria da Fé. O município foi legalmente criado em 30 de agosto de 1911, desmembrando-se do município de Pedra Branca (hoje Pedralva), e instalado em 1º de junho de 1912, formando sua primeira Câmara Municipal.

De acordo com o Ministério da Justiça, o município de Maria da Fé registra um assassinato a cada meio século (50 anos). A delegacia da cidade não tem sequer cadeia. O policial nunca precisou sacar a arma para um criminoso.

Características Geográficas[editar | editar código-fonte]

Nuvola apps important square.svg
Um editor detectou que este artigo ou partes de seu texto podem ter partes copiadas de websites ou outras fontes sem a devida autorização do autor.
Por favor consulte o que a Wikipédia não é e tente resolver estas objeções na página de discussão deste artigo.

Fauna e flora[editar | editar código-fonte]

Os tipos de árvores que mais se destacam no município são os eucaliptos, os pinheiros-do-paraná ou araucárias e os Pinus elliottii. Há ainda o muchoco, o manacá-da-serra, a quaresmeira, o ipê-amarelo, a capororoca, o araticum, a candeia, o cambuí, samambaias, fáfia, jerivá, araçá, cedro e angico. Em processo de extinção na região, há ainda o pinheiro-bravo. Matas ciliares (ou matas galerias) também estão presentes no município. São matas que acompanham os rios e riachos, importantes para manter as correntes de água e reduzir efeitos de erosão.

O município tem animais como a capivara, o periquito e a maritaca.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Maria da Fé localiza-se na região Sul de Minas Gerais, na Serra da Mantiqueira, acima de 1.000 m de altitude, uma região caracterizada pela predominância de morros escarpados. A sede do município está a 1.258 m de altitude e o ponto culminante é o Pico da Bandeira, a 1.683 m. acima do nível do mar, de onde se pode avistar toda a cidade e também algumas cidades vizinhas como, por exemplo, São José do Alegre, Pedralva ou Itajubá. De lá também pode-se ver o Pico dos Marins, o Laboratório Nacional de Astrofísica em Brazópolis e a própria Serra da Mantiqueira. O relevo é predominante montanhoso, 88% da área do município sendo constituída dos chamados "mares de morros", típicos da região; o restante é composto por 10% de planalto ondulado e 2% de relevo plano. Em Maria da Fé, as formações rochosas são de rochas sedimentares formadas por areia, argila, calcário e arenito e por rochas magmáticas, principalmente granitos. Além de comporem a paisagem, as rochas são utilizadas para calçar as ruas, revestir as casas e modelar de peças de artesanato e decoração.


Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Maria da Fé possui três ribeirões: Cambuí, Sabará e Pintos Negreiros. O Ribeirão Cambuí abastece o município, sendo sua água captada pela COPASA. Possui várias nascentes nos bairros da Grota, Marmeleiro, Tijuco Preto, Campo Redondo, Alecrim, EPAMIG, Pomária e outros. O Ribeirão Cambuí atravessa a sede e também os bairros São João e Coitos. Durante o seu percurso possui algumas cachoeiras, sendo a mais notável a do Véu de Noiva, que entretanto está hoje poluída pelos esgotos da cidade.

  • Os tópicos acima foram transcritos da página oficial da prefeitura de Maria da Fé

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Maria da Fé é classificado como tropical de altitude Cwb pela classificação de Koeppen. A máxima absoluta foi de 32.6 no dia 31/12/2007 [2]. A mínima absoluta foi de -8.4°, no dia 21/07/1981, sendo inclusive a mais baixa temperatura registrado pelo INMET na região sudeste. [3].

MARIA.DA.FÉ.CLIMATE

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (2009). Mapa Político do Estado de Minas Gerais (PDF). Página visitada em 5 de dezembro de 2009.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  7. Estimativas da população para 1º de julho de 2009 (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 out. 2010). Página visitada em 16 de agosto de 2009.

Fotos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.