Mary Anning

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mary Anning

Mary Anning (Lyme Regis, 21 de Maio de 1799 — Lyme Regis, 9 de Março de 1847), foi uma paleontologista inglesa.

Foi Mary Anning que descobriu o primeiro fóssil de ictiossauro. Ela descobriu, por volta dos 12 anos, na costa de Dorset, incrustado em um íngreme penhasco, o primeiro fóssil de ictiossauro conhecido, que media cinco metros de comprimento.

Mary Anning ainda descobriu muitos outros répteis marinhos antigos, hoje em exposição no Museu de História Natural de Londres, como o plesiossauro, e um dos primeiros fósseis de pterodáctilo.

Anning passou boa parte da vida recolhendo fósseis na praia e vendendo para visitantes, e por isso pode ser a inspiração para o trava-língua inglês "she sells seashells on the seashore" (Ela vende conchas à beira-mar).

Curiosamente, Mary Anning nunca descobriu nenhum dinossauro.

Mary Anning (21 Maio 1799 - 9 Março de 1847) foi uma colecionadora, negociante e paleontóloga britânica a qual tornou-se conhecida mundialmente pelo número de importantes achados que ela fez nos leitos fósseis marinhos de idade Jurássica na cidade de Lyme Regis no condado de Dorset onde ela viveu[2]. O trabalho dela contribuiu para mudanças fundamentais no pensamento científico sobre a vida pré-histórica e sobre a história da Terra que ocorreram no início do século dezanove.

Anning procurou por fósseis na área dos penhascos de Blue Lies, particularmente durante os meses de inverno quando deslizamentos expunham novos fósseis que tinham de ser extraídos rapidamente, antes que fossem levados pelo mar. Era um trabalho perigoso, e ela quase perdeu sua vida em 1833 durante um deslizamento que vitimou o seu cachorro Tray. As descobertas dela incluíram o primeiro esqueleto de ictiossauro a ser corretamente identificado; que ela e o seu irmão encontraram tinha ela apenas 12 anos de idade; os dois primeiros esqueletos de plesiossauros já encontrados; o primeiro esqueleto de ptrosauro localizado fora da Alemanha; e alguns importantes fósseis de peixes. As observações dela tiveram um papel crucial nas descobertas de que fósseis de belemnites continham sacos de tinta fossilizados, e que coprólitos, conhecidos como pedras de bezoar à época, eram fezes fossilizadas. Quando o geólogo Henry De La Beche pintou Duria Antiquior, a primeira representação pictórica largamente circulada de uma cena da vida pré-histórica derivada de reconstruções fósseis, ele baseou-se em grande parte nos fósseis que Anning tinha encontrado, e vendeu impressões da ilustração em benefício dela.

O género e a classe social da Anning impediram-na completamente de participar da comunidade científica da Grã Bretanha do século dezenove - dominada como ela era por senhores anglicanos ricos. Ela lutou financeiramente por grande parte de sua vida. A família dela era pobre, e como dissidentes religiosos estavam sujeitos a discriminação legal. O pai dela, um marceneiro, morreu quando ela tinha onze anos. Ela tornou-se bem conhecida nos círculos geológicos na Grã Bretanha, Europa e América, e foi consultada sobre assuntos de anatomia bem como sobre coligir fósseis. Entretanto,como uma mulher ela não era elegível para se juntar a Geological Society of London, e ela nem sempre recebia o crédito completo por suas contribuições científicas. Na verdade ela escreveu numa carta: "O mundo usou-me tão maliciosamente, que eu temo que ele fez-me suspeita de todos." O único escrito científico dela publicado em toda a sua vida apareceu na Magazine of Natural History em 1839, um trecho de uma carta na qual Anning tinha escrito ao editor da revista questionando uma de suas reivindicações. Depois da sua morte a história de vida incomum dela atraiu interesse crescente. Charles Dickens escreveu sobre ela em 1865 que:"a filha do carpinteiro conquistou um nome por ela mesma, e mereceu conquistá-lo." Em 2010 a Royal Society incluiu Anning numa lista das dez mulheres britânicas que mais influenciaram a história da ciência.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Torrens, Hugh. 1995. "Mary Anning (1799-1847) of Lyme: 'the greatest fossilist the world ever knew'," British Journal for the History of Science, 25:257-284.
  • Anon. 1828. "Another discovery by Mary Anning of Lyme. An unrivalled specimen of Dapedium politum an antediluvian fish." Salisbury and Winchester Journal, 108:5599 2.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. ^ a b Sharpe & McCartney 1998, p. 150
  2. ^ Dennis Dean writes that Anning pronounced her name "Annin" (see Dean 1999, p. 58), and when she wrote it down for Carl Gustav Carus, an aide to King Frederick Augustus II of Saxony, she wrote "Annins" (see Carus 1846, p. 197).

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.