Portal:Paleontologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal em construção
Anning Plesiosaur.png
Portal da Paleontologia
 ver·editar Introdução


Kolihapeltis 01 Pengo.jpg
Trilobita (Kolihapeltis sp.), Devoniano Inferior (c. 400 milhões de anos atrás), Marrocos.

Paleontologia (do grego: παλαιό (palaio), "velho, antigo"; όν (on), "ser", e λόγος (logos), "estudo, pensamento") é o estudo das formas de vida pré-históricas na Terra por meio do exame dos fósseis. Isto inclui o estudo dos fósseis, traços (icnofósseis), tocas, fezes fossilizadas (coprólitos), palinomorfos e resíduos químicos.

A paleontologia moderna põe a vida antiga em seu contexto estudando como ao longo do tempo as mudanças físicas da geografia global (paleogeografia) e clima (paleoclima) afetaram a evolução da vida, como os ecossistemas têm respondido a essas mudanças e se adaptaram ao ambiente planetário, por sua vez, e como essas respostas mútuas afetam o padrão atual de biodiversidade. Por isso, a paleontologia se sobrepõe com geologia, bem como com a botânica, biologia, zoologia e ecologia - disciplinas que lidam com as formas de vida e suas interações.

As principais subdivisões da paleontologia incluem paleozoologia (animais), paleobotânica (plantas) e micropaleontologia (microfósseis). Paleozoólogos podem se especializar em paleontologia de invertebrados ou de vertebrados, incluindo os hominídeos fósseis (paleoantropologia). Micropaleontólogos estudam fósseis microscópicos, inclusive microfósseis com paredes orgânicas, cujo estudo se chama palinologia.

Há muitas especialidades em desenvolvimento, como paleobiologia, paleoecologia, icnologia (o estudo de trilhas e tocas) e tafonomia (estudo do que acontece com os organismos depois da morte). As principais áreas de estudo incluem a correlação de estratos de rochas com suas idades geológicas e o estudo da evolução das formas de vida.
(ver mais...)


 ver·editar Artigo em destaque


Fóssil do Marrella splendes proveniente dos folhelhos de Burgess.

A Explosão Cambriana foi o aparecimento relativamente rápido, em um período de vários milhões de anos, dos filos mais importantes a cerca de 530 milhões de anos atrás, conforme encontrado no registro fóssil. Este surgimento foi acompanhado por uma grande diversificação de outros organismos, incluindo animais, fitoplânctons, e calcimicróbios. Até cerca de 580 milhões de anos a maioria dos organismos eram simples, compostos de células individuais, ocasionalmente organizadas em colônias. Nos 70 ou 80 milhões anos seguintes a taxa de evolução foi acelerada em uma ordem de magnitude (conforme definido em termos da relação entre extinção e origem de espécies) e a diversidade da vida começou a se parecer com a atual.

A explosão Cambriana gerou debates científicos extensos. O aparecimento rápido de fósseis no "Strata Primordial" foi notado já no século XIX, e Charles Darwin via-o como uma das principais objeções que poderiam ser feitas contra sua teoria da evolução pela seleção natural. A perplexidade sobre o aparecimento da fauna Cambriana, aparentemente de forma abrupta e vindo de lugar nenhum, está centralizada em três pontos chave: se houve realmente uma diversificação em massa de organismos complexos sobre um período relativamente curto de tempo durante o início do Cambriano; o que poderia ter causado esta mudança rápida; e o que isto iria implicar sobre a origem e evolução dos animais. A interpretação é difícil devido a uma quantia limitada de evidências, baseada principalmente em um registro fóssil incompleto e assinaturas químicas deixadas em rochas cambrianas.
(ver mais...)


Purgar clique aqui para alterar o artigo.

 ver·editar Imagem do dia


[[Ficheiro:|thumb|center|200px|]]


 ver·editar Você sabia?
 ver·editar News
 ver·editar Como posso colaborar?




Artigos para revisar/reciclar: Artigos a revisar sobre Zoologia