Mensagem de William Branham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Crentes da Mensagem.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão com|....|{{subst:DATA}}}}.

(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).

Mensagem é o nome atribuído ao conjunto de ensinamentos do pregador norte-americano William Marrion Branham (1909 - 1965). A fonte primária da mensagem são as gravações dos sermões e cultos ministrados por William Branham de 1948 até 1965. Quase todos os mais de mil sermões foram transliterados em livretos, a maioria dos quais traduzidos para vários idiomas. Sublinha-se que o termo "mensagem" pode referir-se tanto ao conjunto destas gravações, — atribuindo, desta forma, um caráter sistemático a elas — quanto a cada uma delas, isoladamente.

Os seguidores dos ensinamentos de William M. Branham são conhecidos como crentes da Mensagem ou simplesmente cristãos, enquanto os ensinamentos de William Branham são nomeados Mensagem da Hora.

Os ensinamentos de Branham abrangem pontos doutrinários referentes à conduta da mulher, à doutrina do batismo, à doutrina da "semente da serpente", à doutrina quanto ao divórcio, entre outros.

Livros e sermões[editar | editar código-fonte]

A maioria dos sermões gravados foram transcritos e uma pequena parte, temos em português, traduzidos por entidades relacionadas ao ministério de William Branham, sem fins lucrativos. Em adição aos sermões gravados, William Branham também conferiu autoridade ao livro "Uma Exposição sobre as Sete Eras da Igreja", de 1955.

Números e distribuição[editar | editar código-fonte]

As pregações de Branham contra o 'denominacionalismo' têm evitado a criação de associações formais de grupos de seguidores. Desta forma, tornou-se difícil estabelecer fielmente quantos seguidores existem hoje. Uma estimativa não-oficial realizada por David Branham (neto de William Branham) em 1986, baseada nos números de distribuição de literaturas, indicava um número de cerca de 300.000 pessoas em todo o mundo (WEAVER, Douglas. O profeta curador William Branham: Um estudo da profecia no pentecostalismo americano [tradução livre]. 1987, p. 149.). Os atuais seguidores do movimento defendem que o número hoje é substancialmente muito maior.

Os crentes da mensagem estão espalhados em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos e Brasil, e também em outras partes da América Latina, África, Europa e em muitas partes da Ásia. O país com a maior concentração de seguidores é a República Democrática do Congo, com número estimado em 750.000 fiéis.[1]

Doutrina[editar | editar código-fonte]

Dois dos maiores pontos doutrinários incluem o batismo ("no nome do SenhorJesus Cristo", em lugar da fórmula "Pai, Filho e Espírito Santo"), divindade (Branham criticou fortemente a doutrina da Trindade), e Semente da serpente (o pecado original foi um ato sexual entre Eva e a Serpente, que produziu Caim).

De acordo com William Branham, Deus, ao ser conhecido, daria, ele mesmo, os passos para o aperfeiçoamento individual, sendo uma intromissão na fé individual a fixação de doutrinas pelos homens.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]