Mesosaurus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMesosaurus
Ocorrência: Carbonífero ao Triássico 290–230 Ma
Mesosaurus

Mesosaurus
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Mesosauria
Família: Mesosauridae
Género: Mesosaurus
Distribuição geográfica
O mesossauro habitava a área em azul
O mesossauro habitava a área em azul

Mesosaurus é um género extinto de pararépteis marinhos pré-históricos, que viveram da Era Paleozóica ao início da Era Mesozóica. Os mesossauros apareceram no Período Carbonífero, há cerca de 290 milhões de anos, e tiveram seu auge no Período Permiano. A ocorrência de alguns fósseis indicam que os últimos remanescentes dessa linhagem sobreviveram até o início do período Triássico, há cerca de 230 milhões de anos. Quando adultos mediam cerca de um metro de comprimento.[1] .

As ocorrências de fósseis destes animais nos continentes americano e africano são considerados fortes evidências da deriva continental.[2]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Os mesossauros foram um dos primeiros grupos de répteis a adaptar-se a um ambiente aquático. Tinha corpo hidrodinâmico, patas com membranas interdigitais e cauda longa. O crânio era alongado e a boca estava cheia de dentes muito longos, finos e numerosos. A alimentação do mesossauro era carnívora.

Este animal habitou zonas aquáticas do antigo super-continente chamado Pangeia. Os seus restos fossilizados encontram-se hoje em dia na África e América do Sul.

Descobertas[editar | editar código-fonte]

Restos fósseis de Mesosaurus.

O primeiro fóssil deste animal foi localizado em 1864 ao sul do continente africano pelo pesquisador Paul Gervais, num sítio denominado Griquas.[2]

Edward Drinker Cope realizou em 1886, tomando por base fósseis coletados por Orville Derby no estado de São Paulo, a descrição da espécie Stereosternum tumidum.[2]

Os pesquisadores Shikama e Osaki descreveram um novo gênero e espécie em 1966, que deram o nome de Brazilosaurus sanpauloensis.[2]

"Mesosaurus brasiliensis"[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de Mesosaurus brasiliensis. Desenho original de Mac Gregor (1908) [3] .

Embora esta denominação tenha se consagrado a partir da descrição feita em 1908 por Mac Gregor, estudos recentes dão conta de que esta espécie se trata da mesma Mesosaurus tenuidens, descrita em 1864 por Paul Gervais.[2]

O Mesosaurus brasiliensis foi descrito e batizado por Mac Gregor em 1908, estudando fósseis encontrados nos folhelhos da Formação Irati, do Permiano superior, coletados pelo geólogo Israel Charles White próximos à estação de Irati, no estado do Paraná.[3] Era um réptil pequeno, com corpo esguio e longa cauda, medindo cerca de um metro quando adulto. Esses répteis apareceram há cerca de 290 milhões de anos, no Carbonífero, tendo seu auge ocorrido no Permiano. Alguns fósseis indicam que os últimos remanescentes dessa linhagem sobreviveram até o início do Triássico, há cerca de 230 milhões de anos.[4]

A ocorrência de um mesmo gênero de pequeno réptil nos dois lados do Atlântico foi logo visto por diversos geólogos e paleontólogos, a exemplo do próprio Alfred Wegener, como um dos mais fortes argumentos na teoria da deriva continental.[5]

Referências

  1. Barberena, D. C. A. & Timm, L. L. (2000) Características dos Mesosaurus e suas adaptações ao meio aquático. IN: Holz, M. & Ros, L. F . Paleontologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS/CIGO, 2000. p. 194-209.
  2. a b c d e Barberena, D.C.A. & Timm, L.L. (2000). Mesosaurus brasiliensis. CPRM. Página visitada em 12/4/2014.
  3. a b Mac Gregor, J.H. (1908) Mesosaurus brasiliensis nov. sp., Parte II. (Português e Inglês) IN: White, I.C. (1908) "Commissão de Estudos das Minas de Carvão de Pedra do Brazil”, Relatório Final, Parte II, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, Brazil, 617 pg. (Relatório bilíngüe, em português e inglês). Edição facsimilar de 1988, DNPM
  4. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil – Coluna White, Serra do Rio do Rastro, SC. Seção Geológica Clássica do Continente Gonduana no Brasil.
  5. Wegener, Alfred. (julho 1912). "Die Entstehung der Kontinente". International Journal of Earth Sciences. DOI:10.1007/BF02202896.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]