Mulher-fruta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mulher-fruta é a designação dada a um fenômeno do funk carioca surgido na primeira década do século XXI, quando uma série de dançarinas começou a ganhar destaque no cenário do funk brasileiro.[1] O sucesso logo se espalhou para outras mídias, sendo citadas desde a página da Academia Brasileira de Letras,[2] músicas,[3] [4] participações no Carnaval no Rio de Janeiro[5] até a chamada mídia erótica, com inúmeras capas de revistas publicadas num curto período.[6] Tal sucesso remete à referida "paixão nacional", o bumbum, que desde as duas polegadas a mais que tiraram o título de Miss Universo 1954 de Martha Rocha aos 119 cm da Mulher-Melancia, teriam cativado o público brasileiro.[7]

Variantes das mulheres-fruta[editar | editar código-fonte]

Mulher-Melancia[editar | editar código-fonte]

Andressa Soares (28 de março de 1988), também conhecida como Mulher-Melancia e Garota-Melancia, foi a primeira dançarina a receber os nomes de frutas que se tornaram referências entre as dançarinas de funk no Rio de Janeiro. Apareceu no cenário nacional como dançarina do cantor MC Créu.

Mulher-Melão no Carnaval 2010

Mulher-Melão[editar | editar código-fonte]

Renata Frisson, nome artístico de Cristina Célia Antunes Batista[8] , (Florianópolis, 22 de novembro de 1990), também conhecida como Mulher-Melão, surgiu no cenário funk logo após o carnaval de 2008, quando saiu como sereia em um carro alegórico da Vila Isabel. Foi escolhida como princesa da Gaviões da Fiel, em São Paulo, e como rainha da bateria da Lins Imperial, no Rio de Janeiro.[5] Em 2010, foi candidata a deputada estadual pelo PHS para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, mas não conseguiu ser eleita. A Mulher Melão lançou o fenômeno mediático "Você Quer?" no programa Pânico na TV.[9]

Mulher-Moranguinho[editar | editar código-fonte]

Ellen Cardoso (São Paulo, 13 de julho de 1981), também conhecida como Mulher-Moranguinho, substituiu Andressa Soares após sua saída do grupo de MC Créu. Conhecida no meio artístico, fazia strip-tease no programa O Melhor do Brasil e era também ex-dançarina do grupo de axé Swing Baratinha. Em 2009, posou nua para a revista Sexy na edição de fevereiro e foi rainha de bateria da escola da Paraíso do Tuiuti, em 2009.[5]

Mulher-Pera[editar | editar código-fonte]

Suellen Aline Mendes Silva (Guaratinguetá, 4 de dezembro de 1986), também conhecida como Mulher-Pera, já iniciou em carreira solo no mundo artístico e lançou um CD. Em 2010, se candidatou ao cargo de deputada federal pelo estado de São Paulo, mas obteve apenas 3.136 votos, considerados insuficientes para conquistar uma vaga na Câmara Federal[10] Foi divulgado na imprensa que Suellen não havia obtido nenhum voto,[11] no entanto o que ocorreu é que seus votos haviam sido anulados pelo TRE por questões burocráticas. Em 2012, ela se candidatou à vereadora na cidade de São Paulo, pelo PT do B.[12] [13] Com 2.126 votos, não conseguiu ser eleita.[14] Em 2013, apresentou o programa infantil "A Fadinha do Brasil", na RedeTV!.[15]

Mulher-Maçã[editar | editar código-fonte]

Gracy Kelly (Rio de Janeiro, 05 de abril de 1984), também conhecida como Mulher-Maçã, recebeu o apelido graças ao funk A maçã, o fruto proibido, gravado por ela. Já foi cantora e dançarina do MC Leozinho, do Movimento Funk Clube e do MC Serginho.

Mulher-Cereja[editar | editar código-fonte]

Fabiana Stella, conhecida como Mulher-Cereja, é uma dançarina do MC Créu.[16]

Outras derivações[editar | editar código-fonte]

Mulher-Filé[editar | editar código-fonte]

Yani de Simone (Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1989), ficou conhecida aos 18 anos após fazer grande sucesso como dançarina do Mr.Catra, atualmente Yani Participou do Reality Show, A Fazenda, e ficou em 6º lugar. Yani já emplacou vários sucessos no mundo do funk, como por exemplo: Estaladinha, Tá Calor, Tá Quente, e atualmente sua música de sucesso é Na Maldade.

Mulher-X-Tudão[editar | editar código-fonte]

Jayla Leonar. Dançarina do MC Serginho

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Mídia televisiva[editar | editar código-fonte]

A mídia já fez algumas referências às mulheres-fruta. Na novela Sangue Bom, a personagem de Ellen Roche, Brunetty, é conhecida como "Mulher-Mangaba". Na novela há ainda outras referências a este gênero, como "Mulher-Pupunha" , "Mulher-Sapucá", "Mulher Pau-de-Jacú" e "Mulher-Aspargo".

Na novela Dona Xepa a personagem de Robertha Portella, Dafne, é mais conhecida como "Mulher Tutti-Frutti".[17] Também na mesma novela a personagem de Jeniffer Setti, Inocência, é conhecida como "Mulher Broa".

Referências