Naked Gun 33⅓: The Final Insult

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Naked Gun 33⅓: The Final Insult
Aonde é que Pára a Polícia? 33 1/3 (PT)
Corra que a Polícia Vem Aí 33 1/3 - O Insulto Final (BR)
pôster original do filme
 Estados Unidos
2005 • cor • 83 min 
Direção Peter Segal
Produção Robert K. Weiss
Roteiro Pat Proft
David Zucker
Robert LoCash
baseado em Police Squad! de David Zucker
Jim Abrahams
Jerry Zucker
Elenco Leslie Nielsen
Priscilla Presley
Fred Ward
George Kennedy
O.J. Simpson
Anna Nicole Smith
Kathleen Freeman
Gênero comédia
Idioma inglês
Música Ira Newborn
Cinematografia Robert M. Stevens
Edição James R. Symons
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento Estados Unidos 18 de março de 1994
Portugal 22 de junho de 1994
Brasil 29 de julho de 1994
Orçamento US$ 30 milhões
Receita US$ 51,132,598[1]
Cronologia
Último
Último
The Naked Gun 2½: The Smell of Fear
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Naked Gun 33⅓: The Final Insult (br: Corra que a Polícia Vem Aí 33 1/3 - O Insulto Final / pt: Aonde é que Pára a Polícia 33 1/3) é um filme estadunidense de 1994, do gênero comédia, dirigido por Peter Segal.

Terceiro filme da série The Naked Gun, baseado na série de televisão Police Squad!. Foi comercializado com o slogan: "Principalmente Todas novas piadas." O "33 ⅓" do título é uma referência à velocidade com que o LP faz seus registros fonográficos (discos de vinil). O filme foi originalmente ser intitulado Naked Gun 33 ⅓: Just for the Record, mas foi alterado após o estúdio sentir que muitos não entenderam a piada.[2] Ele também ia ser chamado de The Naked Gun III: The Final Insult, de acordo com algumas prévias de vídeo no Natal de 1993.

Leslie Nielsen regressa como o tenente Frank Drebin (seu caráter original de Police Squad!), junto com Priscilla Presley, como Jane Spencer Drebin, O.J. Simpson (em seu último papel antes de ser julgado por assassinato) como Diretor Nordberg e George Kennedy, como o capitão Ed Hocken. Os recém-chegados à série Fred Ward, Anna Nicole Smith , e Kathleen Freeman co-estrelam como um bando de terroristas criados para explodir a festa do Óscar. Raye Birk reprisa seu papel como o vilão "Pahpshmir" de The Naked Gun: From the Files of Police Squad!.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O detetive aposentado Frank Drebin é convocado para voltar à ativa após um perigoso terrorista ameaçar executar um atentado durante a entrega do Oscar.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Os diretores do filme nos "comentários do DVD freqüentemente mencionam os comentários críticos". O filme fez muito bem nas bilheterias, no entanto, recebeu críticas mistas.[3] Peter Rainer do Los Angeles Times deu notas altas para a seqüência de abertura, que parodiou The Untouchables, e o clímax no Oscar, mas sentiu que meio foi sem inspiração, e que o filme em geral teve muito pouco de enredo e confiou demais em comédia sem os elementos românticos ou ação dos filmes anteriores.[4] Outros achavam que o humor era fraco e muito semelhante ao dos filmes anteriores. O filme tem uma classificação de 53% no Rotten Tomatoes.

Os diretores afirmam no DVD que teria agradado a alguns críticos ao pararem o filme após os créditos de abertura. Chris Hicks é um exemplo de um crítico antipático do filme, que deu ao filme uma classificação de duas estrelas.[5] Roger Ebert era mais simpático e deu ao filme três estrelas, a mesma classificação que havia dado a The Naked Gun 2 ½.[6]

Premiações[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu duas nomeações ao Framboesa de Ouro, Pior Ator Coadjuvante para O.J. Simpson e Pior Nova Estrela para Anna Nicole Smith.

Processo[editar | editar código-fonte]

Uma imagem usada no cartaz promocional parodiou um retrato famoso feito por Annie Leibovitz, que foi destaque na capa de 1991 da revista Vanity Fair de Agosto. A fotografia original mostrou a atriz Demi Moore grávida e nua, e a fotografia paródia mostrou Leslie Nielsen em uma pose semelhante. Leibovitz processou a Paramount por violação de direitos de autor, mas a vitória foi do estúdio, a justiça entendeu a questão do fair use por causa de sua finalidade paródica transformadora.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. boxofficemojo.com
  2. "Trivia for Naked Gun 33⅓: The Final Insult" Internet Movie Database.
  3. David J. Fox (28 de março de 1994). "Oscar Winners Pick Up at the Box Office". The Los Angeles Times. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  4. Peter Rainer (18 de março de 1994). "MOVIE REVIEW : The Gags That Hit Mark Are Reason Enough to Get 'Naked'". The Los Angeles Times. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  5. Chris Hicks (18 de março de 1994). "Naked Gun 331/3: The Final Insult". Movie Review. Deseret News.. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  6. "Naked Gun 33⅕: The Final Insult :: rogerebert.com :: Reviews". Rogerebert.suntimes.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.