São Caetano (Madalena)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal São Caetano  
—  Freguesia  —
Costa da região de São Caetano, mostrando áreas desabitadas da Terra de Pão, com a freguesia de São Caetano ao fundo.
Costa da região de São Caetano, mostrando áreas desabitadas da Terra de Pão, com a freguesia de São Caetano ao fundo.
Brasão de armas de São Caetano
Brasão de armas
São Caetano está localizado em: Açores
São Caetano
Localização de São Caetano nos Açores
38° 28' 6" N 28° 23' 56" O
País  Portugal
Região Flag of the Azores.svg Açores
Concelho MAD.png Madalena
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 24,36 km²
População (2011)
 - Total 480
    • Densidade 19,7/km2 
Código postal 9950-422 São Caetano MAD
Orago São Caetano

São Caetano é uma freguesia portuguesa do concelho da Madalena, com 24,36 km² de área e 480 habitantes (2011), uma densidade de 19,7 hab/km² e dista da cede do concelho 18.00 quilómetros.

Esta freguesia que tem como santo padroeiro São Caetano de Thiene é a mais jovem freguesia do concelho da Madalena do Pico, tendo sido elevada ao estatuto de freguesia em 2 de Outubro de 1880.

A sua posição geográfica coloca-a na costa sul do concelho e da ilha, entre as freguesias de São Mateus e os lugares da Ponte de São Macário e de Santa Margarida, junto a uma extraordinária baía onde assenta o Porto da Praínha do Galeão.

São Caetano, paisagem.
São Caetano, porto picatório.
São Caetano, corrais de vinhas.
Adegas abandonadas nas vinhas de São Caetano.
São Caetano, adegas abandonadas nas vinhas de São Caetano.

Dada a proximidade desta localidade com a Montanha do Pico sofre a influência desta no clima, particularmente na pluviosidade causada pela condensação das neblinas que com os seus 2351 metros de altitude a montanha faz condensar.

A encosta da Montanha virada a esta localidade apresenta grandes e profundas ravinas, fortemente relacionadas com o declive acentuado da mesma e com a rápida descida das águas pluviais.

Mais uma vez, e devido à proximidade da Montanha, com quem está intimamente interligada, tem dentro dos seus 24,36 quilómetros quadrados várias elevações a ter em conta, nomeadamente o Cabeço da Prainha, o Queiró com 1487 metros de altitude, O Valagão com 679 metros de altitude e a Lomba de São Mateus com os seus 1474 metros.

Tendo em atenção as elevações aqui existentes esta freguesia apresenta vários cursos de água, nomeadamente a Ribeira da Calheta, a Ribeira da Prainha, a Ribeira Grande e a Ribeira Nova.

A nível de percursos pedestres, destacam-se os antigos trilhos, que na pratica eram acessos quase directos entre a baía e o seu porto, com o interior numa altura em que não havia estradas.

Estes trilhos situados entre o mar e a montanha, levam os caminhantes por paisagens idílicas perdidas entre as montanhas onde o estonteante verde das florestas da Laurissilva típicas da Macaronésia é uma constante.

Estas antigas veredas, algumas centenárias, são em si mesmas um património insofismável que levam o caminhante por entre um rico património paisagístico. De entre estes trilhos destacam-se o Trilho da Canada de São Caetano que tem início junto à Prainha do Galeão numa escadaria; O Trilho da Canada da Ribeira da Prainha, que fazia a ligação entre a Prainha do Galeão e a parte superior da freguesia de São Caetano e que era usado por pescadores e baleeiros; o Trilho do Largo das Fontes, que fazia a ligação da localidade com as pastagens de São Caetano e famoso pelas várias fontes que se encontram pelo caminho.

Localizada praticamente no sopé da Montanha do Pico, uma vez que a montanha nesta parte da ilha faz um cota de declive extremamente acentuado é a freguesia da ilha mais próxima da referida montanha.

Os primeiros povoadores das novas terras eram geralmente quem atribuía os nomes às terras que passavam a povoar, esta toponímia variava muito consoante os factores existentes. Neste caso esteve relacionado com a devoção da população com o santo católico São Caetano, sacerdote de Vicenza.

Este santo foi eleito como orago do novo povoado e foi Francisco Pires Flores quem mandou construir uma ermida em honra deste santo.

Igualmente foram os povoadores que atribuíram o nome à localidade da Prainha do Galeão, nome que recua ao Século XVI e assinala a memória do barco, possivelmente um galeão, que, neste século, Garcia Gonçalves Madruga, então Capitão-mor, mandou construir a expensas suas de forma a pagar uma dívida que tinha para com o rei D. João III de Portugal.[1]

Corria o ano de 1878 deu-se início à construção da Igreja de São Caetano, obra que teve algumas dificuldades, entre elas a falta de madeiras adequadas ao que se pretendia. Outro facto que causou substancial atraso na obra foi a ocorrência de uma tempestade que levou à destruição de muito do trabalho então em curso.

Por destino, ou não, reza a história que nessa altura aconteceu o naufrágio na Prainha do Galeão de uma embarcação proveniente Vicenza carregado de trigo cujas madeiras do casco forneceram a madeira que faltava para a finalização da obra.

Durante muitos séculos as actividades ligadas ao cultivo da terra foram as principais fontes de riqueza dos povos desta localidade, e apesar de a agro-pecuária e a pesca estarem ainda entre as principais fontes de riqueza dos povos de São Caetano, tem surgido outras actividades como a carpintaria, a panificação, o comércio e o turismo, que tem diversificado os modo de viver das populações.[2]

Aqui se localiza a Prainha do Galeão e o Porto da Praínha do Galeão também denominado na gíria como Porto de São Caetano.

Localidades da Freguesia[editar | editar código-fonte]

Património construído[editar | editar código-fonte]

Referências