Shenzhou 5

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shenzhou 5
Insígnia da missão
Estatísticas da missão
Número de tripulantes 1
Lançamento 15 de outubro de 2003
Centro de Lançamentos de Satélites de Jiuquan
Aterrissagem 15 de outubro de 2003
Interior da Mongólia
Órbitas 14
Duração 21h 22 min 45 s
Imagem da tripulação
Yang Liwei
Yang Liwei
Navegação
Último
Último
Shenzhou 4
Shenzhou 6 Shenzhou 6.svg.png
Próximo
Próximo

Shenzhou 5 foi a primeira missão tripulada do programa espacial chinês, que subiu ao espaço em 15 de outubro de 2003 levando a bordo o taikonauta Yang Liwei, numa viagem pioneira em órbita da Terra e que tornou a China a terceira nação a colocar um humano no espaço por seus próprios meios.

Esta foi a primeira missão tripulada seguindo quatro lançamentos anteriores não-tripulados, iniciados em 1999, usados como teste para a capacidade espacial tecnológica da China de enviar um homem ao espaço.

Tripulação[editar | editar código-fonte]

Parâmetros da Missão[editar | editar código-fonte]

Massa - 7.790 kg

Perigeu – 332 km

Apogeu – 336 km

Inclinação – 42,4º

Período – 91,2 minutos

Missão[editar | editar código-fonte]

Lançada no topo de um foguete Longa Marcha, do Centro de Lançamentos de Satélites de Jiuquan, no Deserto de Gobi, as nove horas da manhã do dia 15 de outubro de 2003,[1] a Shenzhou 5 (as quatro missões Shenzhou anteriores eram missões de teste não-tripuladas) entrou em órbita a 343 kms de altura dez minutos depois, levando a bordo o coronel da Força Aérea do Exército de Libertação Popular Yang Lìwei. Este lançamento coroou o trabalho do programa espacial chinês iniciado em 1992.

Após 14 órbitas em 21 horas no espaço, a cápsula orbital reentrou na atmosfera as seis horas da manhã do dia seguinte, pousando suavemente, amparada por pára-quedas, no interior da Mongólia. O módulo orbital da nave continuou em órbita fazendo algumas experiências automatizadas pré-programadas, até cair na atmosfera em 30 de maio de 2004. Sementes do solo de Taiwan também foram levadas a bordo da nave.[2]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Por medo de que a missão falhasse e o embaraço que isso poderia causar perante o mundo, o governo chinês não permitiu a transmissão ao vivo pela Tv nem do lançamento nem do pouso da nave, apesar do acontecimento ser do conhecimento de todos, através da imprensa oficial chinesa. Após o pouso e a saída da nave do taikonauta Liwei são e salvo, ele foi cumprimentado ao vivo pelo Presidente Hu Jintao, com a declaração "esta missão foi uma honra para nossa grande pátria, um indicador da vitória inicial do programa espacial tripulado chinês e um passo histórico para o povo chinês em sua busca por atingir o ápice da tecnologia e da ciência mundial".[3]

Este voo pioneiro – em que pela primeira vez a bandeira da ONU foi desfraldada no espaço, ao lado da bandeira chinesa[4] – foi visto com respeito e admiração em todo mundo, provocando a declaração do Departamento de Estado dos EUA de que “aplaudia o sucesso da China em se tornar a terceira nação do mundo a enviar um homem ao espaço”. O presidente George W. Bush também enviou cumprimentos ao presidente chinês.[1] O administrador da NASA, Sean O'Keefe, saudou o voo como "uma importante conquista na história da exploração humana" e o diretor-geral da Agência Espacial Européia (ESA) Jean-Jacques Dordain, declarou que "a missão poderia abrir uma nova era de cooperação na comunidade espacial mundial".[5]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b China’s Space Program: An Overview. Visitado em 16/06/2012.
  2. “神舟”五号载人飞船成功搭载台湾农作物种子 (em chinês) People's Daily. Visitado em 16/06/2012.
  3. 庆祝我国首次载人航天飞行圆满成功 (em chinês) SinaNews.com. Visitado em 16/06/2012.
  4. 航天员杨利伟在飞船中展示中国国旗和联合国旗 People Daily. Visitado em 16/06/2012.
  5. China's man in space gets mixed reaction NewScientist. Visitado em 16/06/2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]