Spin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Em mecânica quântica o termo spin associa-se, sem rigor, às possíveis orientações que partículas subatômicas carregadas como protões (ou prótons Br ), electrões (ou elétrons Br) e alguns núcleos atómicos podem apresentar quando imersas em um campo magnético.

Embora o termo tenha surgido da ideia de que os elétrons "giravam" em torno de si mesmos (spin em inglês significa girar), e embora geralmente associado à ideia de momento magnético das partículas uma vez que partículas carregadas, quando em movimento de rotação, da mesma forma que uma volta de fio percorrido por uma corrente elétrica, produzem campos magnéticos, esta descrição não é adequada para os nêutrons, que não possuem carga elétrica; também não é capaz de explicar valores de spin observados em certos núcleos atômicos, a exemplo 7/2 para o U235. Nestes casos, o termo spin é encarado simplesmente como um quarto número quântico, necessário à definição dos estados quânticos destas partículas quando em estados discretos de energia em sistemas confinados, a exemplo nos orbitais em um átomo ou nos estados de energia em um gás de férmions.

O termo spin em mecânica quântica liga-se ao vetor momento angular intrínseco de uma partícula e às diferentes orientações (quânticas) deste no espaço, embora o termo seja muitas vezes incorretamente atrelado não ao momento angular intrínseco mas ao momento magnético intrínseco das partículas, por razões experimentais.

Os vetores momentos angular e momento magnético intrínsecos de uma partícula são acoplados através de um fator giromagnético que depende da carga e da espécie de partícula, e uma partícula que tenha carga e spin (angular) não nulos terá um momento magnético não nulo.

Experimentalmente o momento magnético é muito mais acessível do que o momento angular em si em virtude da interação deste com corpos magnéticos e eletromagnéticos, e o momento angular intrínseco (spin) de partículas carregadas, acaba sendo inferido a partir de seu momento magnético intrínseco.

O spin é considerado hoje uma entidade matemática que estabelece qual dentre as estatísticas disponíveis, a citar: a estatística de Fermi-Dirac para férmions (partículas com spin semi-inteiro), a estatística de Maxwell–Boltzmann (para partículas clássicas não interagentes) e a estatística de Bose-Einstein para bósons (partículas com spin inteiro) deve ser utilizada para a correta descrição termodinâmica dos entes físicos em questão quando no âmbito da mecânica quântica. Estabelece também os detalhes da aplicação da estatística correta por definir o número máximo de partículas em cada estado energético disponível: para férmions, 2 partículas no caso de spin 1/2 (elétrons na eletrosfera, nos orbitais de um átomo, a exemplo), 4 para spin 3/2, 6 para spin 7/2 ... , para bósons com spin inteiros e infinitas partículas por estado disponível. Associa-se diretamente ao momento angular intrínseco das partículas, sendo necessário à descrição desta grandeza e portanto caracteriza-se não só como uma entidade matemática, mas também como uma entidade física indispensável à descrição dos Sistemas Quânticos.

O Spin não possui uma interpretação clássica, ou seja, é um fenômeno estritamente quântico, e sua associação com o movimento de rotação das partículas sobre seu eixo - uma visão clássica - deixa muito a desejar.

Spin eletrônico[editar | editar código-fonte]

Evidências de que os elétrons podem apresentar movimento de rotação em dois sentidos diferentes foram obtidas em 1921 pelos físicos alemães Otto Stern e Walther Gerlach. Eles empregaram uma séries de experiências, com a finalidade de comprovar as suas evidências.

As experiências consistiram na passagem de um feixe de átomos metálicos, vaporizados, por um campo magnético não-homogêneo. Com alguns metais não houve desvio do feixe, enquanto outros, como o sódio, sofreram desvio. Era sabido que um feixe de partículas como elétrons ou íons, sofre desvio ao passar por um campo magnético. Contudo, átomos não têm carga elétrica. Para explicar esse fenômeno, foram atribuídos aos eléctrons dois possíveis sentidos de rotação, chamados spins.

Um átomo de sódio possui 11 elétrons dos quais 10 estão emparelhados em cinco orbitais. Quando dois elétrons estão emparelhados num orbital, seus spins estão em direções opostas, havendo assim uma compensação de forças magnéticas. Entretanto, o último elétron do sódio está desemparelhado, e a força no átomo devido à presença deste único elétron desemparelhado produz o desvio do feixe. O fato de que o feixe de átomos é dividido em dois componentes, mostra que numa metade dos átomos os spins, inclusive do elétron desemparelhado, estão em uma direção, e na outra metade os spins estão na direção oposta. Os átomos com todos os elétrons emparelhados não sofrem desvio.

Em uma terminologia química, dois elétrons com spins em sentidos opostos são ditos spins antiparalelos. As substâncias que possuem um ou mais elétrons desemparelhados são atraídas — porém, fracamente — em um campo magnético. Estas substâncias são chamadas paramagnéticas. Aquelas que não possuem elétrons desemparelhados — não sendo, portanto — atraídas em campo magnético, são chamadas diamagnéticas. A intensidade da atração depende, logicamente, do número de elétrons desemparelhados na substância.

O termo "rotação" não é o mais apropriado, pois leva à ideia do elétron como partícula apenas, contradizendo seu comportamento dual como partícula-onda. Todavia, por falta de um termo mais apropriado para elucidar a ideia do spin, este continua sendo considerado como rotação.

Spin de particulas elementares[editar | editar código-fonte]

Partículas elementares, tais como os fótons, elétrons e os quarks, são partículas que não podem ser divididas em partes menores. Teorias e estudos experimentais têm mostrado que o spin, presente nessas partículas, não pode ser explicado por postulações clássicas, onde partículas menores tendem a orbitar em volta de um centro de massa. O spin que essas partículas apresentam é uma propriedade física intrínseca, como a propriedade de carga elétrica e massa. Na mecânica quântica, o momento angular de qualquer sistema é expresso pela equação abaixo:

S=\hbar \sqrt{s(s+1)}

Onde \hbar é a constante de Planck h/2π, e o número quântico do spin s é um inteiro positivo ou uma fração (0, 1/2, 1, 3/2, 2, etc.). A fração do número quântico é a maior diferença entre o momento angular orbital do spin. O valor de s depende unicamente do tipo de partícula, não podendo ser alterada de forma alguma, ao contrário da direção do spin.

Por convenção, todos os elétrons possuem valor s=1/2. Outros tipos de partículas elementares, tais como pósitrons e neutrinos, possuem spin -1/2. O Bóson de Higgs, é a única partícula da natureza a possuir spin igual a zero.

Spin de partículas compostas[editar | editar código-fonte]

O spin de partículas compostas, tais como próton, constituido pela soma dos spins das partículas em órbita em determinado momento angular. O spin de partículas compostas está sujeita às mesmas leis que regem o spin de partículas elementares. Partículas compostas sofrem spin sob circunstâncias matemáticas determinadas, tais como as partículas elementares; por exemplo, o spin de um próton é igual a -1/2, da mesma forma que um pósitron.

Spin de átomos e moléculas[editar | editar código-fonte]

O spin de átomos e moléculas é igual a soma dos spins dos eletrons constituintes de cada um. Mais sobre o assunto, consulte paramagnetismo.

Formulação Matemática[editar | editar código-fonte]

Todas as partículas elementares, tais como: protões, neutrões, electrões, etc. possuem um momento angular intrínseco chamado SPIN, símbolo S. Não existe análogo clássico que poderia permitir a definição de spin, tal como

\vec{S}=\vec{r}\wedge\vec{p}_{s} = \vec{r}\times\vec{p}_{s}

duma maneira similar à definição do momento angular orbita

\vec{L}=\vec{r}\wedge\vec{p}=\vec{r}\times\vec{p}

O módulo de S é \frac{1}{2}\hbar.

Spin é uma propriedade interna da partícula, como a massa ou a carga .

Constitui uma coordenada ou grau de liberdade adicional na formulação da mecânica quântica.

Regras de Comutação[editar | editar código-fonte]

Estas são exatamente as mesmas que as do momento angular orbital, isto é:

\lfloor{\check{S}_{x},\check{S}_{y}}\rfloor = i\hbar\check{S}_{z}, etc

\lfloor{\check{S}^{2},\check{S}_{z}}\rfloor = 0, etc

\lfloor{\check{S}_{z},\check{S}_{+}}\rfloor = \hbar\check{S}_{+}, etc

Funções de onda ou Spinores[editar | editar código-fonte]

Estas são denotadas por |s\mu\rangle onde s=1/2 e \mu=\pm1/2.[1]

De modo que o estado de spin para cima será denotado por:

\chi_{\text{up}} = \Bigg(\frac{1}{0}\Bigg) = \Bigg|\frac{1}{2}\frac{1}{2}\Bigg\rangle

e o estado de a spin para baixo por

\chi_{\text{down}} = \Bigg(\frac{0}{1}\Bigg) = \Bigg|\frac{1}{2},-\frac{1}{2}\Bigg\rangle

Os spinores são, simultaneamente, auto-funções dos operadores de spin \check{S}^{2} e \check{S}^{z}:

\begin{align}&S^{2} \Bigg|\frac{1}{2},-\frac{1}{2}\Bigg\rangle = \frac{1}{2}\Bigg(\frac{1}{2} + 1\Bigg)\hbar^{2}\Bigg|\frac{1}{2}\frac{1}{2}\Bigg\rangle = \frac{3}{4}\hbar^{2}\Bigg|\frac{1}{2}\frac{1}{2}\Bigg\rangle\\
&S_{z}\Bigg|\frac{1}{2}\frac{1}{2}\Bigg\rangle = \frac{1}{2}\hbar\Bigg|\frac{1}{2}\frac{1}{2}\Bigg\rangle \; e \; S_{z}\Bigg|\frac{1}{2},-\frac{1}{2}\Bigg\rangle = -\frac{1}{2}\hbar\Bigg|\frac{1}{2},-\frac{1}{2}\Bigg\rangle\end{align}

Assim, a álgebra dos operadores de momento angular orbital pode ser aplicada diretamente para os operadores de spin.[2]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Interação spin-órbita

Referências

  1. KIWANGA, Christopher Amelye. In: Christopher Amelye. KIWANGA. Física Nuclear: Introdução à Física Nuclear (em português). 1 ed. Reino Unido: [s.n.], 2013. 133 p. 1 vol.
  2. KIWANGA, Christopher Amelye. In: Christopher Amelye. KIWANGA. Física Nuclear: Introdução à Física Nuclear (em português). 1 ed. Reino Unido: [s.n.], 2013. 133 p. 1 vol.