Stratovarius

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Stratovarius
Stratovarius no Tuska Open Air Metal Festival em 2007.
Informação geral
Origem Helsinque
País  Finlândia
Gênero(s) Power metal, metal neoclássico, metal progressivo, metal sinfônico
Período em atividade 1984 - atualmente
Gravadora(s) Nuclear Blast, Sanctuary
Página oficial www.stratovarius.com
Integrantes
Timo Kotipelto
Jens Johansson
Matias Kupiainen
Lauri Porra
Rolf Pilve
Ex-integrantes
Jörg Michael
John Vihervã
Staffan Strahlman
Tuomo Lassila
Jyrki Lentonen
Timo Tolkki
Antti Ikonen
Jari Behm
Jari Kainulainen
Sami Kuoppamäki
Anders Johansson
Katriina "Miss K" Wiiala

Stratovarius é uma banda finlandesa de power metal originária de Helsinque, fundada em 1984.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra Stratovarius vem da aglutinação de Stratocaster (modelo de guitarra) com Stradivarius (marca conhecida por seus violinos).

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 1984 foi criada na Finlândia, mais especificamente na cidade de Helsinque (famosa por ser a origem de muitas bandas de heavy metal), a banda Black Water. Formada por 3 amantes de Black Sabbath: Tuomo Lassila, baterista e vocalista; John Vihervã, baixista e Staffan Strahlman, guitarrista.

A banda iniciante começou fazendo apresentações de cover de outras bandas mais famosas, principalmente do Black Sabbath, da qual retiravam inspiração para suas primeiras canções e rifts próprios. John Vihervã deixou a banda. Seu vago lugar foi ocupado pelo desconhecido Jyrki Lentonen.

No ano seguinte, a banda adota o nome que iria imortalizar, Stratovarius, que segundo Tuomo Lassila é uma mistura do modelo Stratocaster da Fender com a famosíssima marca de violinos Stradivarius. Ao mesmo tempo ocorre a troca do guitarrista com a saída de Staffan e entrada Timo Tolkki. Ele passou a ocupar também o cargo de vocalista, já que Tuomo estava sofrendo para tocar bateria e ainda cantar. Tolkki trouxe também a banda uma influência de música clássica e heavy metal melódico, que na época era uma coisa nova.

Primeiros singles e o primeiro álbum[editar | editar código-fonte]

A banda fez algumas demos que foram enviadas a várias gravadoras na Finlândia, e a CBS Finland os procurou para um contrato. Um novo tecladista de nome Antti Ikonen entrou para o grupo e com essa formação o Stratovarius gravou o seu primeiro single com "Future Shock" e "Witch Hunt", em 1988. Em 1989 outro single denominado "Black Night" e "Night Screamer", e finalmente, o álbum de estréia Fright Night.

Twilight Time[editar | editar código-fonte]

O Baixista Jyrki Lentonen deixa a banda dando lugar a Jari Behm e em 1990 novo material era escrito. Porém a CBS já não tinha interesse em lançar o novo material, o que forçou o Stratovarius a financiar as suas próprias gravações sem nenhum contrato. Desta maneira foi lançado Stratovarius II, no início de 1992, na Finlândia.

Muitas fitas foram enviadas pelo mundo todo, e a Shark Records quis assinar com a banda, depois de escutar a canção "Hands of Time". Stratovarius II foi lançado com uma nova capa e um novo nome, Twilight Time, no fim de 1992 em toda a Europa e Japão.

Dreamspace[editar | editar código-fonte]

O terceiro álbum, Dreamspace, teve lançamento mundial no início de 1994, e já contava com a presença de Jari Kainulainen como baixista. Foram feitos neste ano concertos em Tokio, Osaka e Nagoya.

A entrada de Timo Kotipelto[editar | editar código-fonte]

Novo material foi escrito na primavera de 1994 e a banda entrou em estúdio. Então Timo Tolkki decidiu que seus dias de cantor estavam acabados e que banda precisava procurar um novo vocalista. Timo Kotipelto recebeu um telefonema de Timo Tolkki e após uma audição Timo Kotipelto torna-se o vocalista do Stratovarius.

Fourth Dimension e entrada de Jörg e Jens[editar | editar código-fonte]

A nova fase de Timo pode ser ouvida no quarto lançamento da banda, Fourth Dimension. A banda fez uma turnê tocando em shows por toda a Alemanha, Suíça, Países Baixos, Finlândia, Grécia e Japão. Após todas essas turnês, Tuomo Lassila e Antti Ikonen, os membros de mais tempo na banda quiseram sair, pois não podiam tocar o material desenvolvido por Timo Tolkki. Entraram então para substituí-los o novo baterista Jörg Michael, da Alemanha, que anteriormente tocara com o Running Wild e Mekong Delta e o novo tecladista Jens Johansson, que tocara com Dio e Yngwie Malmsteen.

Episode[editar | editar código-fonte]

Foi lançado então o quinto álbum da banda, Episode. Pela primeira vez um coro de 40 cantores e uma orquestra de 20 instrumentos de corda foram usados.

Visions[editar | editar código-fonte]

Em 1997 a banda lançou um novo disco, Visions. A tour foi grande e englobou vários países, como EUA, Dinamarca, Grécia, Japão, Alemanha, Finlândia, Suíça, Suécia, Inglaterra e Brasil. Desta tour saiu Visions of Europe, que se trata de um CD duplo ao vivo, e traz músicas antigas mescladas às que foram sucesso absoluto do álbum Visions.

Destiny[editar | editar código-fonte]

Em 1998 a banda lança seu sétimo trabalho, Destiny.

Infinite[editar | editar código-fonte]

Em 2000, vem o novo álbum, o Infinite, seguindo o caminho trilhado por Destiny. Agora, a temática do disco se fecha em temas sobre o universo e a grandeza do cosmos. Quanto às músicas, apresentam uma maior participação do tecladista Jens Johansson na composição. Traz um novo single, "Hunting High And Low", seguido de um clip, e tournês, passando novamente pelo Brasil.

No ano de 2001, fora lançado o disco Intermission, desta vez sem músicas inéditas, apenas bonus tracks de discos previamente lançados (muitas delas antes apenas disponíveis em singles), alguns covers, entre eles "Bloodstone" do Judas Priest e "I surrender", do Rainbow.

Elements Pt. 1 e Pt. 2[editar | editar código-fonte]

Vem o ano de 2003 em que o Stratovarius lança dois novos álbuns, Elements, Pt. 1 e Elements, Pt. 2, além do single "Eagleheart", seguido de um clipe.

Problemas[editar | editar código-fonte]

Entre 2004 e o começo de 2005 foram tempos turbulentos para o Stratovarius. O líder da banda Timo Tolkki (guitarrista), sofre de problemas mentais, por causa desta doença toma atitudes estranhas e acaba gerando uma grande confusão, expulsando membros, contratando uma vocalista feminina e dando declarações místicas banhadas em sangue. Após tratamento e com pedidos de desculpas de Tolkki pelos atos durante o tempo de insanidade, Kotipelto voltou para a banda, junto com Jörg.

Stratovarius e saída de Jari[editar | editar código-fonte]

Apesar do clima tenso, com a banda reunida, foi produzido o décimo terceiro álbum de estúdio, auto-intitulado, em 2005. Um álbum com sonoridade diferente, sem o pedal duplo de sempre, e com os gritos agudos de Kotipelto não tão abundantes quanto antes.

Após as gravações terminarem, o baixista Jari Kainulainen resolveu sair da banda, por razões pessoais. Foi substituído por Lauri Porra, baixista que já havia tocado com Timo Kotipelto em seu álbum solo.

O hiato[editar | editar código-fonte]

Dia 2 de abril de 2008, Timo Tolkki anunciou o fim da banda.[1]

As tensões internas dentro da banda foram mencionadas como a causa, dizendo que Lauri Porra e Jens Johansson eram seus únicos suportes, Jörg Michael estava centrado mais sobre seu session work, e Kotipelto era melhor com a sua banda solo. A banda estava planejando lançar um álbum novo de estúdio, com iniciais R....R.... em 2008. Tolkki lança o álbum solo dele em junho de 2008, formado por uma banda nova, chamada "Revolution Renaissance".

Retorno, entrada de Matias e Polaris[editar | editar código-fonte]

Os integrantes prometeram retornar com um novo álbum de estúdio em 2009 o primeiro anúncio oficial desde a saída do guitarrista e principal compositor Timo Tolkki.

O Stratovarius recrutou, em 2008, o guitarrista finlandês Matias Kupiainen, de apenas 25 anos.

Em 2009 o Stratovarius confirmou datas em festivais. Também lançou outro álbum de estúdio, Polaris, em maio de 2009. E o primeiro álbum desde a saída do guitarrista e compositor Timo Tolkki.

Elysium e saída de Jörg[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2011, Stratovarius lançou o segundo álbum com a formação atual da banda e o décimo terceiro de estúdio, o Elysium, que possui destaque por possuir belíssimas melodias em suas letras, sem perder seu tradicional power metal caracterizador da banda. O álbum foi muito bem recebido no cenário do metal, sendo um dos destaques temáticos do ano.

Junto com o lançamento de "Elysium", a banda sai em turnê mundial com a banda Helloween, sendo assim uma turnê de destaque, por manter duas bandas criadoras e de destaque no gênero musical. Junto da turnê mundial, também é lançado o primeiro clipe em relação ao recente álbum de estúdio: "Under Flaming Skies", que mostra a banda em atuação durante uma apresentação da turnê. O clipe é uma dedicatória ao baterista Jörg Michael, um dos ícones da banda e do Power Metal, que estaria deixando a banda no ano.

No dia 15 de Setembro de 2011, a banda anunciou a saída do baterista Jörg Michael por motivos pessoais. Ele continuaria em atividade com o Stratovarius até 2012.[2]

Foi realizada uma pequena turnê para despedida do baterista, pela finlândia, e algumas apresentações na América do Sul. Durante a turnê foi anunciado que um DVD apresentando a banda em atividade seria gravado marcando a etapa (15 anos) na banda. Foi feita uma votação para que os próprios fãs escolhessem o nome do DVD. A gravação Ao Vivo foi feita em Tampere,Finlândia e terá lançamento no dia 29 de junho pela EAR Music[3]

Entrada de Rolf e Nemesis[editar | editar código-fonte]

Após a saída de Jörg Michael, foi aberto um processo de seleção para a escolha de um novo baterista.[4] . Em junho de 2012, foi anunciado o novo baterista para ao line-up: Rolf Pilve.[5]

Ao mesmo tempo, a banda confirmou várias apresentações em 2012. Em novembro daquele ano, a banda anunciou o seu novo álbum Nemesis, lançado em 22 de fevereiro de 2013. O primeiro single, "Unbreakable", lançado no dia 25 de janeiro, com algumas faixas de álbuns anteriores da banda.[6]

Nemesis foi então lançado com 11 faixas em sua edição padrão, e 2 faixas bônus na especial. A banda entra então em turnê mundial, com a participação Amaranthe, para divulgação do álbum.

Membros[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Integrantes do Stratovarius ao longo do tempo

Ex-membros[editar | editar código-fonte]

* Saíram da banda na época do Black Water.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

Singles/Eps[editar | editar código-fonte]

  • "Future Shock" (1988)
  • "Black Night" (1989)
  • "Break the Ice" (1992)
  • "Wings of Tomorrow" (1995)
  • "Father Time" (1996)
  • "Will the Sun Rise?" (1996)
  • "Black Diamond" (1997)
  • "The Kiss of Judas" (1997)
  • "S.O.S." (1998)
  • "Hunting High and Low" (2000)
  • "It's a Mystery" (2000)
  • "A Million Light Years Away" (2000)
  • "Eagleheart" (2002)
  • "I Walk to My Own Song" (2003)
  • "Maniac Dance" (2005)
  • "Deep Unknown" (2009)
  • "Darkest Hours" (2010)
  • "Unbreakable" (2012)
  • "Halcyon Days" (2013)

DVDs[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Stratovarius
  • Website Oficial (em português, inglês, espanhol, alemão, finlandês entre outros)