Submarino nuclear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
USS Greeneville, submarino nuclear da Marinha dos Estados Unidos

Submarino nuclear é uma embarcação movida pela energia produzida por um reator nuclear capaz de submergir e emergir quando desejado. O uso da energia nuclear traz grandes vantagens nestes tipos de embarcação pois possibilita que o submarino permaneça por longos períodos de tempo totalmente submerso, o que não é possível quando é movido a motores diesel pela necessidade de ar ou movido a energia elétrica pois as baterias não possuem longa duração. O 1° submarino desse tipo foi o USS Nautilus, da marinha estadunidense, lançado ao mar em 1954.


Atualmente 6 países dominam a tecnologia de construção de submarinos nucleares:

Países que dominam a tecnologia de construção de submarinos nucleares
Posição 1ª Embarcação Data de lançamento
Estados Unidos USS Nautilus 21 de janeiro de 1954
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas K-3 Leninsky Komsomol 9 de agosto de 1957
Reino Unido HMS Dreadnought (S101) 21 de outubro de 1960
França Redoutable (S 611) 29 de março de 1967
República Popular da China Changzheng 1 (401) 1970
Índia INS Arihant 26 de julho de 2009

O único caso registrado de emprego de um submarino nuclear em uma situação de combate real, ocorreu durante a Guerra das Malvinas (1982), quando o HMS Conqueror da Inglaterra, foi responsável pelo Afundamento do Cruzador General Belgrano da Marinha da Argentina.

Embora os submarinos nucleares de caça, ou seja, destinados à perseguir e destruir outros submarinos ou navios de superfície, sejam considerados estatrégicos para as marinhas de guerra das grandes potências, os submarinos mais importantes são aqueles com capacidade de lançamento de mísseis balísticos, os chamados SSBNs.

Geralmente os submarinos nucleares são bem maiores do que os submarinos convencionais, o que exige um desenvolvimento em termos de engenharia e capacidade tecnológica muito maior do que o necessário para fabricar submarinos convencionais. Isto porque o casco destes submarinos tem que ser muito maior e mais resistente, além da enorme quantidade de equipamentos eletrônicos e de vigilância, que necessariamente devem ser bem mais silenciosos do que o normal, para manter a característica furtiva destes submarinos. O primeiro submarino nuclear, o USS Nautilus tinha um deslocamento de 3.500 toneladas, quando a média dos submarinos convencionais tinha menos de 1000 toneladas de deslocamento. Atualmente os principais submarinos nucleares no mundo têm mais de 5.000 toneladas de deslocamento.

Submarinos nucleares nas principais marinhas do mundo[editar | editar código-fonte]

Na Marinha dos Estados Unidos existem 3 tipos de o submarino de caça em uso, o da classe Los Angeles, com deslocamento de cerca de 7 mil toneladas, o da classe Seawolf de 9.100 toneladas e, o submarino da classe Virginia 7.900 t, todos com capacidade para lançar mísseis guiados de cruzeiro. O submarino nuclear lançador de mísseis balísticos, da classe Ohio, tem deslocamento de 18.750 toneladas, podendo transportar 24 mísseis balísticos Trident II, de longo alcance, ou 154 mísseis Tomahawk na versão do submarino adaptada para lançador de mísseis guiados de cruzeiro.

Na Marinha russa estão ativos submarinos de caça como o Shchuka (Akula "shark" na denominação da OTAN), com deslocamento de 8.000 a 12.770 toneladas, o Delta IV com 10 mil toneladas e o Oscar I e II, com 16.500 a 19.400 toneladas, sendo que este último também tem capacidade para lançar até 24 mísseis de cruzeiro. O maior submarino nuclear lançador de mísseis balísticos já construído, da classe Akula (Thyphoon na denominação da Otan) tem deslocamento de 33.800 a 48.000 mil toneladas e capacidade para 20 mísseis balísticos de longo alcance do tipo R-39 Rif (SS-N-20 Sturgeon). O novo submarino russo da classe Borei deve ter 24 mil toneladas de deslocamento e capacidade para levar 16 mísseis balísticos de longo alcance do tipo RSM-56 Bulava (SS-NX-30).

Tanto a Marinha da França como a da Inglaterra possuem submarinos nucleares com capacidade para lançamento de mísseis balísticos, no caso da França, o Triomphant, com deslocamento de 14 mil toneladas, e o submarino inglês Vanguard, com deslocamento de 17.560 toneladas de deslocamento.

A Marinha da China possui três tipos de submarinos nucleares de caça, o 09-I (Type 091 Han) de 5.500 toneladas, o 09-III (Type 093 Shang class) de 7.000 t, e está testando o novo (Type 095 class), que terá capacidade para lançar mísseis de cruzeiro guiados HY-4. A China possui ainda dois submarinos nucleares com capacidade para lançar mísseis balísticos de médio alcance, o 09-II (Type 092 Daqingyu), com 7.000 toneladas e o novo 09-IV (Type 094) com 9.000 toneladas de deslocamento e capacidade para lançar 12 mísseis balísticos de médio alcance JL-2.

A Índia está testando seu primeiro submarino nuclear, de 6.000 toneladas de deslocamento, projetado para ser um submarino de caça, mas com capacidade para lançar um número reduzido de mísseis de cruzeiro ou mísseis balísticos K-15 Sagarika, de curto alcance (700km).

O projeto do Submarino Nuclear Brasileiro remonta a década de 1970. Em um périplo de, aproximadamente, 20 anos, a Marinha do Brasil dominou o ciclo do combustível nuclear e pôde dar início a construção do reator nuclear que será comportado no submarino. O trabalho de Projeto, que foi iniciado no dia 6 de julho de 2012, percorrerá um longo caminho. Serão três anos para alcançar o projeto básico do submarino de propulsão nuclear, para então ter início a fase do projeto detalhado, simultaneamente com a construção do submarino, em 2016, no estaleiro da Marinha que está sendo construído na cidade de Itaguaí.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Marinha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.