TV Líder (Vargem Grande)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TV Líder
Sistema Abreu de Comunicação LTDA.
Cidade de concessão Vargem Grande, MA
Canais
9 analógico
Rede Rede Record
Fundação 2005?
Redes anteriores SBT
Página oficial Rádio e TV Líder

A TV Líder, é uma emissora de televisão brasileira instalada em Vargem Grande, no estado do Maranhão. A emissora é afiliada à Rede Record e é sintonizado no canal 9 VHF.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A TV Líder entrou no ar por volta do ano de 2005 como afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). Até esse ano, tinha apenas única emissora da região, a repetidora da TV Mirante de São Luís, no ar há anos em data incerta.

Em 2010, depois de anos de afiliação com SBT, a TV Líder deixou SBT após a entrada do ar da repetidora da TV Difusora de São Luís.

A emissora passou a transmitir a Rede Record, onde extinguiu programas e estreando outros. Entre eles, é o Forró & Alegria (copiando logo do Tudo é Possível).

Incêndio em 2011[editar | editar código-fonte]

A sede da Rádio e a TV Líder foram incendiadas na madrugada do dia 25 de outubro de 2011. Segundo a imprensa local, a emissora já estava fora do ar e não tinham seguranças, o que facilitou a entrada dos elementos incendiários. O incêndio destruiu completamente os equipamentos da TV e parcialmente os estúdios da Líder FM.[2]

O incêndio repercutiu em todo o Maranhão, pela suspeita que o incêndio foi feito para tentar intimidar as emissoras que faziam jornalismo independente, por dar espaço à oposição e adotar linha crítica com relação ao prefeito da cidade Miguel Fernandes. Havia suspeita que houve motivação política para o crime.

Acuado pela ameaça de morte pela própria população local, um elemento que fugiu da cidade no dia seguinte para São Luís. A suspeita de ligação política com o fato ganhou força quando o elemento chamado de “Antonio Black” (na verdade era o pedreiro Antonio Francisco Martins), que inicialmente pediu pra não ser identificado, apareceu nos programas de TVs policiais e comunitários (Maranhão Urgente, na TV Maranhense; Qual é a Bronca e Balanço Geral na TV Cidade). Ele assume o incêndio e apontou vereador da cidade, Abdias Cidrão Rodrigues da Costa, como mandante.

A Polícia Militar prendeu “Antonio Black”, que delatou outros três elementos: Isnaldo Cardoso da Silva, Marcelo de Souza Matias[3] e Francisco Xavier da Costa, que foram presos em Vargem Grande.

A prisão dos elementos e a suspeita que o vereador da cidade, Abdias Cidrão Rodrigues da Costa, como mandante do incêndio, provoca crise política local. Parte da população da cidade protestou por uma semana, na frente da emissora, fazendo bloqueios nas ruas.

O caso passou ser investigado tanto pela Polícia Civil de São Luís (por conta da instabilidade política e na segurança local) e da Vargem Grande. A perícia vinda da capital maranhense (São Luís) confirmou que o incêndio foi criminoso.[4]

Em 12 de janeiro de 2012, a Polícia Civil de Vargem Grande anunciou que concluiu a investigação em 3 de janeiro. Foram indiciados:[5]

  • vereador Abdias Cidrão Rodrigues da Costa;
  • pedreiro Antonio Francisco Martins, mais conhecido como “Antonio Black”, músico;
  • Isnaldo Cardoso da Silva;
  • Marcelo de Souza Matias;
  • e Francisco Xavier da Costa.

O delegado do caso, Odilardo Muniz Lima Filho, concluiu o inquérito e considerou provado o delito, determinadas as circunstâncias e os meios utilizados e, ainda, individualizadas as condutas de cada um dos indiciados. De acordo com o delegado, eles estão incursos nos artigos 250 e 288 do Código Penal e responderão por causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de terceiros e formação de quadrilha ou bando, cujas penas, em caso de condenação, variam de 4 a 9 anos de reclusão.

No entanto, apesar do indiciamento, eles estão soltos amparados pelos advogados de defesa.

Em 19 de março de 2012, Marcelo de Souza Matias foi preso em Vargem Grande, desta vez por crime de homicídio contra Cleiton Diego Boasqualli no município de Chapadinha, morto com três tiros, entre eles na cabeça. O crime aconteceu no dia 16 e pretendia fugir para São Luís para liderar o tráfico de drogas, embora os entorpecentes não forem encontrados.[6]

Referências