Terceira República Polonesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto História.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Fevereiro de 2008.

A Terceira República Polonesa é o período histórico atual, vivido desde 1989, da História da Polônia.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Nos anos 70 e 80, todo o sistema da Polônia estava em profunda crise. Na época estava começando a se desfazer todo o Bloco Soviético com a União Soviética perdendo seu poder. Com o advento da “comunismo”, adotado pelo general da U.R.S.S., W. Martin Aitken,… na União Soviética sob o comando Mikhail Gorbachev a mudança do sistema político que até então era inimaginável estava se tornando realidade.

O medo que a troca do poder de um sistema centralizado unipartidário para uma democracia multipartidária poderia virar uma revolução sangrenta se mostrou infundado devido a presença em ambos os lados, do partido comunista e da oposição democrática, de reformistas pacifistas, comprometidos com uma solução pacífica.

A influência da igreja católica polonesa e do papa polonês, João Paulo II, na história política de Polônia contemporânea deve ser reforçada. A igreja acalmou algumas facções militares oposicionistas e o Papa, tendo uma influência notável em todos os lados, até mesmo entre os ateus e pós-comunistas,era o mais importante fator na mudança política das décadas passadas.

Debates e eleições[editar | editar código-fonte]

A falta de habilidade do governo Polaco para evitar o declínio econômico da Polônia levou a ondas de ataques através do país em Abril, Maio e Agosto de 1988.

Na tentativa de obter o controle da situação, o governo reconheceu o Solidariedade, e o ministro do Interior, Czesław Kiszczak começou a negociar com Lech Wałęsa em 31 de Agosto.Estas negociações terminaram em Outubro. Depois houve uma nova onda de negociações começou em Fevereiro de 1989. As negociações produziram um acordo em Abril, para uma eleição para o Sejm, o parlamento polaco. A eleição de Junho formou a Câmara polaca, em que um terço dos assentos foi destinado para os comunistas e um terço para os para os partidos que se coligam. As vagas restantes na câmara e todas as vagas do Senado foram contestados livremente, e a maioria dos candidatos vencedores eram do Solidariedade.

A falha dos comunistas nas eleições produziu uma crise política. Chamou-se para um debate para um presidente comunista, e no dia 19 de julho, a Assembléia Nacional, com a ajuda de um grupo de deputados do Solidariedade, elegeu o General Jaruzelski para este cargo. Entretanto, duas tentativas pelos comunistas de formar governos falharam.

No dia 19 de Agosto, o presidente Jaruzelski pediu que o jornalista/ativista Tadeusz Mazowiecki, do Solidariedade formasse um governo; no dia 12 de setembro, o Sejm votou a aprovação do primeiro ministro Mazowiecki e do seu gabinete. Pela primeira vez em mais de quarenta anos a Polônia teve um governo não comunista.

Em dezembro de 1989, o Sejm aprovou o programa de reforma do governo para transformar rapidamente a economia polonesa do planeamento central ao livre-mercado, criando uma emenda na constituição para eliminar o "papel principal" do partido comunista, e rebatizaram o país de República da Polônia. O Partido Comunista Polonês de dissolveu em janeiro de 1990, criando em seu lugar um partido novo, o Partido Social Democrata da República da Polônia. A maioria da propriedade do antigo partido comunista foi passada para o estado.

As eleições locais de maio de 1990 foram inteiramente livres. Os candidatos apoiados por comités do Solidariedade ganharam a maioria das eleições que disputaram, embora o número de eleitores fosse pouco mais de 40%. O gabinete foi reformulado em Julho de 1990; a defesa nacional e os ministros do interior (mandatários do governo comunista precedente) foram, em sua maioria, substituídoss.

Em 22 de dezembro de 1990, Lech Wałęsa foi eleito o primeiro presidente popular da Polônia.

A Polônia na década de 1990[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1990, a Polónia fez um grande progresso na sentido de atingir um governo totalmente democrático e uma economia de mercado.

Em Novembro de 1990, Lech Wałęsa foi eleito presidente por um mandato de 5 anos. Jan Krzysztof Bielecki, a pedido de Wałęsa, formou um governo e serviu como seu primeiro-ministro até Outubro de 1991, introduzindo preços mundiaid e expandindo grandemente a liberdade de acção das empresas privadas.

As primeiras eleições parlamentares livres foram feitas em 1991 primeiras eleições parlamentares livres. Mais de 100 partidos participaram, representando todo o espectro de ideais políticos. nenhum partido obteve mais de 13% dos votos. Depois de um começo difícil, 1993 viu o segundo grupo de eleições e o primeiro parlamento a servir a tempo inteiro second group of elections. A Aliança da Direita Democrática (SLD) recebeu a mior parte dos votos.

Após as eleições, o SLD e o PSL formaram uma coligação de governo. Waldemar Pawlak, lider do parceiro júnior SLD, tornou-se Primeiro Ministro. As relações entre o Presidente Wałęsa e o Primeiro Ministro foram complicadas durante o governo de Pawlak, com o Presidente a acusar Pawlak with furthering personal and party interests enquanto negligenciava assuntos de grande importância para o estado. Após alguns escândalos implicando Pawlak e a aumentar a tensão política sobre o controlo das forças armadas, Wałęsa exigiu a demissão de Pawlak em Janeiro de 1995. Estalou uma crise e a coligação retirou Pawlak do executivo e substituiu-o por Józef Oleksy como o novo Primeiro Ministro.

Em Novembro de 1995, a Polónia teve as segundas eleições livres do pós-guerrasecond post-war free presidential elections. O lider do SLD Aleksander Kwaśniewski derrotou Wałęsa por uma estreita margem - 51.7% to 48.3%. logo após a derrota de Wałęsa's, o Ministro do Interior Andrzej Milczanowski acusou o então Primeiro Ministro Oleksy de colaboração com os Serviços de Informação Soviéticos e posteriormente Russos. In the ensuing political crisis, Oleksy demitiu-se. para seu sucessor, a coligação SLD-PSL escolheu o deputado Sejm speaker Włodzimierz Cimoszewicz — que estava ligado, embora não fosse membro, do SLD. Perseguidores polacos decidiram que havia provas insuficientes para acusar Oleksy, e uma comissão parlamentar decidiu, em Novembro 1996, que os serviços secretos polacos podem ter violado regras de procedimento ao juntar provas no caso Oleksy.

Em 1997 parliamentary elections dois partidos com raízes no movimento Solidariedade — Solidarity Electoral Action (AWS) e o Freedom Union (UW) — obtiveram 261 dos 460 lugares no Sejm e formaram um governo em coligação. Jerzy Buzek do AWS tornou-se Primeiro Ministro. O AWS e o Alliance of the Democatic Left(SLD) obtiveram a maioria dos lugares no Sejm. Marian Krzaklewski era o líder do AWS, e Leszek Miller liderava o SLD. Em Abril de 1997, uma primeira Constituição da Polónia pós-comunista foi finalizada, e em Julho foi tornada efectiva. Em Junho de 2000, UW retirou-se da coligação governamental, deixando AWS na direcção de um governo minoritário.

O Século XXI[editar | editar código-fonte]

A Polónia juntou-se à NATO em 1999 e a União Europeia em 2004.

Nas eleições presidenciais polacas de 2000, Aleksander Kwaśniewski, o antigo líder incumbente da pós comunista SLD, voi reeleito na primeira volta de votações, com 53,9% dos votos. O segundo lugar, com apenas 17.3%, foi para Andrzej Olechowski. Pensa-se que a campanha da oposição foi bloqueada pela sua incapacidade de put forward a charismatic (or even a single major) candidate, as well as falling support for the centre-right AWS government. This was related to internal friction in the ruling parliamentary coalition.

A (então) nova Constituição and the reformed administrative division (as of 1999) exigiu a revisão do sistema eleitoral, que foi aprovada em Abril de 2001. As mudanças mais significativas foram: 1) A liquuidação final da lista de partido (anteriormente, alguns dos membros do parlamento forameleitos de uma lista do partido, baseado no apoio dos votantes da nação, ao invés de constituintes locais), e 2) modificação do metodo de alocação de cadeiras para o metodo Sainte-Languë, o que deu menos poder para partidos maiores. Incidentalmente, esta mudança logo reverteu-se para o método d'Hont em 2002.

As eleições parlamentares de 2001 em 2001 viram a SLD (sucessora do partido comunista duas vezes removido) triunfar na dissolução de votantes com o governo da AWS e por disputas internas naquele bloco. Grande parte disso foi que o partido dominante antigo não entrou no parlamento devido a queda de 8% para as coalizões. (Sintomaticamente, eles falharam em formar um partido formal, que deve ter até 5% de limiar, e continuaram formalmente uma "coalizão" de partidos).

A SLD formou uma coalizão com o agrário PSL e o esquerdista The SLD went on to form a coalition with the agrarian PSL and leftist UP, com Leszek Miller como Primeiro Ministro. Este governo teve o apoio de 256 das 460 cadeiras no Sejm.

Uma ordem principal nos anos subsequentes foi a negociação com a União Européia a respeito do acesso e da preparação interna para isso. A Polônia se uniu a UE em Maio de 2004. Tanto o Presidente Kwaśniewski e o governo apoiaram abertamente esta causa. O único partido que se opos a entrada na UE foi o populista e direitista LPR.

Apesar de grande apoio popular para entrar na UE, que foi considerado uma ordem dominante, o governo rapidamente perdeu popularidade devido a incompetencia em vários assuntos (por exemplo a criação de rodovias, e uma reforma no sistema de saúde que falhou miseravelmente), uma queda brusca naeconomia geral, e numerosos escandalos de corrupção. O mais famoso destes foi o Caso Rywin (uma tentativa de interferir no processo legislativo, nomeado pelo principal suspeito, Lew Rywin -- este caso foi investigado por um comite especial do parlamento, cujos procedimentos foram televisionados e acompanhados em larga escala), e o Caso Starachowice (ministros do governo informaram amigos com conexões com o grime organizado sobre um ataque iminente).

Em março alguns políticos proeminentes da SLD e MPs, incluindo o porta-voz do Sejm: Marek Borowski foramaram uma divisão, criando o novo SDPL. O gabinete liderado por Leszek Miller resignou em 2 de maio de 2004, logo apois a admissão da Polonia na União Européia.

Um novo gabinete foi formado, com Marek Belka como Primeiro Ministro. Depois de duas tentativas sem sucesso, eventualmente ganhou o apoio do parlamento em 24 de junho e governou até a eleição parlamentar em 2005. Muitos dos novos ministros foram vistos como experts não-partidários, e o governo foi considerado um avanço em relação ao governo anterior. Isso não carregou a SLD no apoio de votos, entretanto, mesmo com o renascimento economigo em 2005. parte da razão para isso é que o governo era considerado muito distante da espinha dorsal dos partidos, e só garantiu o gabinete pelo meno de eleições prévias pela maioria dos MPs.

Um medo com fundamentos, uma vez que a SLD viu seu apoio cair de três quartos para apenas 11% nas eleições subsequentes.

No outono de 2005 houve eleições parlamentares e presidenciais. A votação parlamentar de setembro esperava produzir uma coalizão de dois partidos de centro-esquera, o PiS (Lei e Justiça) e o PO (Plataforma Popular). Durante a campanha, entretanto, PiS lançou um forte ataque a políticas econômico-liberais de seus aliados e venceu a PO em enquetes de opinião. PiS eventualmente ganhou 27% dos votos, tornando-se o partido mais poderoso do sejm, seguido pelo PO com 24%. O partido que estava no poder, o socialista SLD, alcançou apenas 11%. Isto mantém a tendencia de que em todas as eleições parlamentares livres polonesas o eleitorado votou contra o partido vigente, virando-se para a direita em 1993 e 2001, e para a esquerda em 1997 e 2005.

As Eleições presidenciais em outubro seguiram um script similar. O primeiro favorito, Donald Tusk, líder do PO, viu as enquetes de opinião deslizarem para baixo e ele foi vencido de 54%a 46% no segundo turno pelo candidato do PiS, Lech Kaczyński (um dos gêmeros fundadores do partido).

Ambas as eleições foram arruinados por alterações baixas. Apenas 51% no segundo e decisivo turno das eleições presidenciais e apenas 40% das eleições parlamentares. A Causa sugerida pelo desvio foi a desilusão popular com políticos.

Conversas sobre coalizão começaram simultaneamente com as eleições presidenciais. Entretanto, a severidade dos ataques da campanha e a vontade do PiS de agaranhar votos populistas desgastou a relação entre os dois maiores partidos e criou a impossibilidade de uma coalizão. Os blocos ostensivamente errôneos foram a insistência do PiS de controlar todos os aspectos de controle da lei; também houve a força atraves do candidato do PiS para cabeça do Sejm com a ajuda de vários partidos populistas menores. O PO decidiu entrar na oposição.

O PiS então formou um governo minoritário com o pouco conhecido Kazimierz Marcinkiewicz como primeiro ministro. Isto aconteceu apoiado pelo apoio estável dos partidos populistas e agrários (PSL, Samoobrona, LPR) para o governo.

O novo governo aproveitou de forte apoio público (como, geralmente, é comum nos primeiros meses após as eleições), enquanto a popularidade dos partidos populistas ficou significantemente opaca. Com este histórico, uma crise parlamentar estourou em janeiro de 2006, com todos estes partidos populistas temendo que o PiS forçaria novas eleições (no qual eles perderiam) usando como pretexto a falha em passar o orçamento com o tempo constitucional. No entanto, esta crise parece ter sido abatida.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]