Donald Tusk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Donald Tusk
Donald Tusk
Primeiro-ministro da  Polónia
Mandato 16 de Novembro de 2007
até 1 de Dezembro de 2014
Antecessor(a) Jarosław Kaczyński
Presidente do Conselho Europeu
Mandato 1 de Dezembro de 2014
até 31 de Maio de 2017[1]
Antecessor(a) Herman Van Rompuy
Vida
Nascimento 22 de Abril de 1957 (57 anos)
Gdańsk, Polónia
Dados pessoais
Primeira-dama Małgorzata Tusk
Partido Plataforma Cívica
Profissão historiador
Assinatura Assinatura de Donald Tusk

Donald Franciszek Tusk (Gdańsk, 22 de Abril de 1957) é um político polaco filiado à Plataforma Cívica, partido de ideologia democrata-cristã. Venceu as eleições legislativas antecipadas de 21 de Outubro de 2007 e tomou posse como primeiro-ministro da Polónia em 16 de Novembro do mesmo ano. Em 30 de agosto 2014 foi anunciado que será presidente do Conselho Europeu a partir do 1 de dezembro 2014 até 31 de maio de 2017.[2]

Educação[editar | editar código-fonte]

Depois de completar a Escola Secundária Mikołaj Kopernik, em Gdańsk, em 1976, começou os estudos em História na Faculdade de Humanidades na Universidade de Gdansk, na qual se graduou em 1980. Donald Tusk começou a sua carreira política ainda nos tempos de estudante. Foi nessa altura que fundou o Comité de Estudantes do Solidariedade, na Universidade de Gdansk, apoiado nos primeiros anos por Associações de Estudantes Independentes locais. Na Universidade, Donald Tusk escrevia também para a revista semanal “Samorządność” e colaborava com a União dos Sindicatos Livres da Costa (em polaco: Wolne Związki Zawodowe Wybrzeża, WZZW)[3] .

Carreira Política[editar | editar código-fonte]

Em 1991, Donald Tusk tornou-se inicialmente líder e depois presidente do Congresso Democrático Liberal. Diz-se que há ligações visíveis entre as ideias desse partido e as prioridades que conduzem o actual governo polaco.Tusk foi candidato nas eleições de 1991, que o tornaram membro do Primeiro Sejm da Terceira República da Polónia. Em 1994, tornou-se vice-presidente da União da Liberdade, um novo partido criado depois da junção do KLD com a União Democrática. Depois de perder o seu lugar na União da Liberdade, deixou o partido e ficou fora do Parlamento até 1997. No dia 24 de Janeiro de 2001, Donald Tusk fundou a Plataforma Cívica com dois outros políticos polacos. O partido começou por funcionar como Comité de Eleições, tornando-se pouco depois no único partido de oposição da Polónia,nessa altura. Ao mesmo tempo, Donald Tusk assumiu a função de vice-Marechal do Senado, onde permaneceu entre 2001 e 2005. Em 2003, quando Maciej Płażyński, o primeiro líder da Plataforma Cívica, deixou o partido Tusk ocupou o lugar que ainda ocupa nos dias de hoje.

Actividade política[editar | editar código-fonte]

Em 2005, Tusk declarou a sua vontade de participar nas eleições presidenciais da República da Polónia, desta vez enquanto líder da Plataforma Cívica, conseguindo um importante apoio da Associação de Jovens Democratas. Na primeira volta das eleições, ele venceu Lech Kaczyński, que acabou por vencer as eleições na segunda volta. Desde 2005, Tusk tem sido membro de uma Comissão que liga todos os cidadãos polacos que vivem fora do país. É Primeiro-Ministro da Polónia desde o dia 17 de novembro de 2007. A política de Tusk é marcada por um forte apoio ao conceito de mercado livre com pouca intervenção do estado e pela necessidade de cooperação com os outros estados-membros da União Europeia. No dia 18 de novembro de 2011, o actual Presidente da Polónia, Bronisław Komorowski designou Donald Tusk como Primeiro Ministro, confiando-lhe a missão de formar um novo governo.

Política interna[editar | editar código-fonte]

Donald Tusk é um forte apoiante da integração política e económica da Polónia na comunidade da União Europeia. Um dos seus objectivos é integrar a Polónia na zona euro num futuro próximo. A liderança governamental de Tusk foi particularmente visível na Europa entre julho e dezembro de 2011, durante a presidência polaca do Conselho da União Europeia. Durante esse período, Tusk apoiou os esforços da Croácia para entrar na União Europeia.

Política externa[editar | editar código-fonte]

No contexto internacional, Donal Tusk está empenhado em fortalecer as relações da Polónia com os vizinhos, Alemanha e Rússia. Por outro lado, Tusk delineou a proposta da retirada das unidades militares polacas estacionadas no Iraque, um processo que ficou concluído em outubro de 2008. Em agosto de 2011, Tusk defendeu a posição de Barack Obama sobre o projecto de escudos antimíssil na Polónia, tendo ao mesmo tempo a oportunidade de fortalecer as relações no campo da defesa entre a Polónia e os Estados Unidos. Donald Tusk foi criticado publicamente por outros líderes da União Europeia por ter apoiado a nova e controversa constituição do Primeiro Ministro húngaro, Viktor Orbán. No princípio de 2012 declarou o seu apoio para a Polónia assinar o ACTA (Acordo Comercial Anti-contrafacção), um documento que provocou protestos e manifestações em várias cidades polacas.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Entre os mais importantes condecorações com que Donald Tusk foi distinguido estão:

  • Grande Cruz da Ordem do Sol, 2008
  • Medalha do Karlspreis, 2010
  • Golden Victoria Award, 2011
  • Rathenau, 2011

Publicações[editar | editar código-fonte]

Był sobie Gdańsk, Gdańsk 1997 Idee gdańskiego liberalizmu, Gdańsk 1998 Solidarność i duma, Gdańsk 2005

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.