Tomas Tranströmer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 29 de março de 2015.

Tomas Tranströmer Medalha Nobel
Tomas Tranströmer
Nascimento 15 de abril de 1931
Estocolmo
Morte 26 de março de 2015 (83 anos)
Estocolmo
Nacionalidade Suécia Sueco
Alma mater Universidade de Estocolmo
Ocupação Poeta e tradutor
Prémios Medalha do prêmio Nobel Nobel de Literatura (2011)

Tomas Tranströmer (Estocolmo, 15 de abril de 1931 – Estocolmo, 26 de março de 2015) foi um poeta, tradutor e psicólogo sueco.

A poesia de Tranströmer tem uma grande influência na Suécia e em todo o mundo, sendo ele o poeta sueco mais traduzido: os seus poemas estão traduzidos em mais de trinta línguas.[1] Recebeu numerosos prémios literários, como por exemplo o Prémio Literário do Conselho Nórdico em 1990 e o Prémio Nobel da Literatura em 2011.[2]

Nascido em 1931, Tranströmer cresceu sozinho com sua mãe, uma professora, depois que ela se divorciou de seu pai. Ele começou a escrever poemas ainda na escola e teve seu primeiro livro de poesias publicado aos 23 anos. Transtörmer se formou em psicologia na Universidade de Estocolmo e ao longo de sua carreira, se dividiu entre a profissão de terapeuta e a de escritor. Trabalhou como psicólogo em prisões, centros de detenção juvenil e com viciados.[3]

Tranströmer iniciou-se na poesia aos 23 anos de idade. O seu primeiro livro intitulava-se 17 dikter (17 poemas). A maior parte da sua obra é escrita em verso livre, embora também tenha feito experiências com linguagem métrica. Na sua escrita nota-se uma certa disciplina horaciana[4] .

Viveu os últimos anos numa ilha, longe dos olhares do mundo e dos meios de comunicação. Foi psicólogo de profissão até 1990. Redigiu cerca de uma quinzena de obras numa longa carreira dedicada à escrita.

Em 1990 foi vítima de um acidente vascular cerebral que o deixou em parte afásico e hemiplégico.

Continuou a escrever e publicou três obras, como "O Grande Enigma: 45 Haikus".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Lista de obras em sueco.

  • 17 dikter, poemas, 1954, título em português: 17 poemas
  • Hemligheter på vägen, poemas, 1958
  • Den halvfärdiga himlen, poemas, 1962
  • Klanger och spår, poemas, 1966
  • Kvartett, 1967
  • Mörkerseende, poemas, 1970
  • Stigar, poemas, 1973
  • Östersjöar, poemas, 1974
  • Sanningsbarriären, poemas, 1978
  • Dikter 1954-78, 1979
  • PS, diktsamling, 1980
  • Det vilda torget, poemas, 1983, título em português: A praça selvagem
  • Dikter, 1984 (pocketutgåva)
  • För levande och döda, poemas, 1989, título em português: Pelos vivos e mortos
  • Dikter. Från "17 dikter" till "För levande och döda", 1990
  • Minnena ser mig, 1993, auto-biografia, título em português: As recordações vêem-me
  • Sorgegondolen, poemas, 1996, título em português: Gôndola dolente
  • Fängelse : nio haikudikter från Hällby ungdomsfängelse (1959), poemas, 2001
  • Den stora gåtan, poemas, 2004, título em português: O Grande Enigma

Poemas de Tranströmer em português[editar | editar código-fonte]

Prémios e distinções[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tomas Tranströmer


Precedido por
Mario Vargas Llosa
Nobel de Literatura
2011
Sucedido por
Mo Yan