Orhan Pamuk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde abril de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Orhan Pamuk Medalha Nobel
Nascimento 7 de Junho de 1952 (62 anos)
Istambul
Nacionalidade Turquia Turco
Ocupação Romancista
Principais trabalhos A Cidade Branca (Beyaz Kale),
Os Jardins da Memória (Kara Kitap),
A Vida Nova (Yeni Hayat),
O Meu Nome É Vermelho (Benim Adım Kırmızı)
Prêmios Medalha do prêmio Nobel Nobel de Literatura (2006)
Movimento literário Literatura pós-moderna
Página oficial
http://www.orhanpamuk.net

Ferit Orhan Pamuk, conhecido apenas como Orhan Pamuk (Istambul, 7 de Junho de 1952), é um romancista turco.

Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 2006. É professor de literatura da Universidade Columbia. Pamuk é um dos mais proeminentes escritores da Turquia, e seus trabalhos foram traduzidos em mais de cinquenta línguas. Ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais. Em 12 de outubro de 2006, tornou-se a primeira pessoa da Turquia a receber um Prêmio Nobel.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pamuk nasceu em Istambul em 1952 e cresceu em uma abastada família burguesa em declínio, uma experiência que ele descreve na passagem de romances seus como O Livro Negro e O Senhor Cevdet e Seus Filhos, bem como mais profundamente no seu Istambul: Memórias e a Cidade. Teve uma educação no Robert College da Turquia e passou a estudar arquitetura na Universidade Técnica de Istambul. Abandonando a escola de arquitetura três anos depois, tornou-se escritor em tempo integral e, em 1976, graduou-se no Intituto de Jornalismo da Universidade de Istambul. Dos 22 a 30 anos, Pamuk conviveu com sua mãe, escreveu seu primeiro romance e tentou encontrar uma editora para a publicação.

Em 1 de março de 1982, Pamuk casou-se com Aylin Turegen, historiadora. De 1985 a 1988, enquanto sua esposa graduava a Universidade Columbia, Pamuk adquiriu o direito de visitar a instituição e utilizou este tempo para realizar pesquisas e escreveu seu romance O Livro Negro.

Pamuk retornou para Istambul. Ele e sua mulher tiveram uma filha chamada Rüya nascida em 1991, cujo nome significa "sonho" em turco. Em 2001, ele e Aylin divorciaram-se.

Fama[editar | editar código-fonte]

Logo após a publicação do seu terceiro romance, o nome de Pamuk começa a ter repercussão além fronteiras. A Cidade Branca (Beyaz Kale, 1985) é assim contemplado com o primeiro de muitos prémios literários internacionais. Nesta obra o autor começa a experimentar técnicas pós-modernas, distanciando-se claramente do naturalismo dos seus primeiros trabalhos.

Entre 1985 e 1988, Pamuk residiu em Nova Iorque, trabalhando como professor convidado na Universidade de Columbia. Durante a sua estadia escreveu grande parte do livro que iria começar a cimentar a sua reputação internacional e que teve um acolhimento muito favorável por parte do escritor norte-americano John Updike: Kara Kitap. Com os títulos de Os Jardins da Memória na edição portuguesa e The Black Book, na edição inglesa, foi publicado já após o seu regresso a Istambul, em 1990, e constituiu um ponto de viragem na sua carreira, graças ao sucesso que granjeou entre o público. Em 1992, esta controversa obra foi levada ao grande ecrã pelo seu compatriota Ömer Kavur, tendo sido o próprio Pamuk a escrever o guião do filme, intitulado Gizli Yüz (The Secret Face).

O Nobel[editar | editar código-fonte]

Em 1995, publica o romance A Vida Nova (Yeni Hayat), que em breve se tornaria num dos livros mais lidos de sempre na Turquia.

A consagração definitiva dos críticos literários viria em 1998, com O Meu Nome É Vermelho (Benim Adım Kırmızı), um romance onde fantasia e realidade andam de mãos dadas e em que o mistério, o amor e a reflexão filosófica se entrelaçam sobre o pano de fundo de uma Istambul do século XVI, onde por vezes irrompe a Istambul dos dias de hoje. Esta obra valeu-lhe o prestigiado International IMPAC Dublin Literary Award de 2003, além de outros dois prémios.

Mas o que o catapultou definitivamente para a fama mundial entre o grande público foi o facto de ter sido galardoado, a 12 de Outubro de 2006, com o Nobel de Literatura. Na alegação onde a Academia Sueca justificava a atribuição do prémio, é de destacar a seguinte frase: "Em busca da alma melancólica da sua cidade natal, Pamuk encontrou novos símbolos para retratar o choque e o cruzamento de culturas".[1]

Öteki Renkler ("Outras Cores") acaba de ser publicado em português (foi lançado em outubro - veja resenha do livro em http://cultura.updateordie.com/).

Outros escritos de Pamuk são: nsaios 1999 , romance, 2002; İstanbul: Hatıralar ve Şehir, memórias; Babamın Bavulu ("A Mala do Meu Pai"), três comunicações, 2007 - nenhum traduzido para o português ainda.

Actividades políticas[editar | editar código-fonte]

Pamuk é uma figura de proa na Turquia na defesa dos direitos políticos dos curdos, tendo sido processado em 1995 juntamente com outros escritores por publicarem uma série de ensaios muito críticos em relação ao tratamento dado aos curdos pela Turquia.

Em 2005 Pamuk foi acusado de "insultar e desacreditar a identidade turca" numa entrevista concedida a Das Magazin, um suplemento semanal de vários jornais diários suíços.

Na entrevista, o escritor afirmava que "ninguém se atreve a falar" do genocídio contra o povo arménio levado a cabo pela Turquia durante a Primeira Guerra Mundial e da posterior matança de 30 mil curdos. O caso foi levado à justiça turca, e Pamuk teve mesmo que prestar declarações em tribunal. Este caso suscitou grande polémica internacional e o romancista tornou-se conhecido um pouco por todo o mundo.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Orhan Pamuk
Precedido por
Harold Pinter
Nobel de Literatura
2006
Sucedido por
Doris Lessing