Trichomonas vaginalis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTrichomonas vaginalis
Trichomonas vaginalis em preparação corada pelo Giemsa.[1]

Trichomonas vaginalis em preparação corada pelo Giemsa.[1]
Classificação científica
Domínio: Eukariota
Reino: Protista
Divisão: Parabasalia
Filo: Sarcomastigophora
Classe: Zoomastigophorae
Ordem: Trichomonadida
Família: Trichomonadidae
Subfamília: Trichomonadinae
Género: Trichomonas
Espécie: T. vaginalis
Nome binomial
Trichomonas vaginalis
Donné, 1836

O Trichomonas vaginalis é um parasita eucariota flagelado anaérobio facultativo com cerca de quinze micrômetros. Tem quatro flagelos desiguais e uma membrana ondulante que lhe dão mobilidade, e uma protuberância em estilete denominada axóstilo --- uma estrutura rígida, formada por microtúbulos, que se projeta através do seu centro até sua extremidade posterior.[2] Não possui mitocôndrias, mas apresenta grânulos densos (hidrogenossomos) que podem ser vistos à microscopia óptica. Essas estruturas são portadoras da enzima piruvato:ferredoxina oxirredutase, a qual transforma piruvato em acetato por oxidação fermentativa, liberando energia na forma de ATP.

O T. vaginalis é o agente causador da tricomoníase.[2] Existe em apenas uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa e ativa. Contudo formas arredondadas com flagelos internalizados muito semelhantes a cistos, porém sem apresentar parede cística são comumente encontradas. Estas formas são conhecidas como pseudocistos. Ao contrário do que se imaginava os pseudocistos não são formas degenerativas, mas sim formas funcionais e metabolicamente ativas.[3] Reproduz-se por pleuromitose fechada com fuso extranuclear.

Cresce em pH entre 5,0 e 7,5 a temperaturas variando de 20 a 40 °C. Utiliza a glicose, a maltose e a galactose como fontes de energia. Mantém o glicogênio como forma de armazenamento de energia. Em condições adversas, pode utilizar também os aminoácidos, especialmente a arginina, treonina e leucina, como fontes energéticas.

História[editar | editar código-fonte]

T.vaginalis foi descrita por Donné em 1836, isolando-a de uma mulher com vaginite. Em 1894, Marchand e Miura, em 1896 Dock, observaram o flagelado na uretrite de um homem.[4]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

Muitas mulheres que são infectadas pelo T. vaginalis usualmente desenvolvem poucos sintomas. Quando os sintomas surgem, caracterizam-se principalmente como corrimento abundante juntamente com um prurido (coceira) vaginal. Em outros casos, a mulher pode apresentar um corrimento fluido com pouca cor e ainda um certo desconforto na micção. Em cerca de 20 a 50% das mulheres, a infecção é assintomática;[2] no restante dos casos, a infecção pode ter repercussões variadas de leve a graves. A maioria dos homens não apresentam sintomas, e, quando existe, consiste em uma irritação na ponta do pênis ou da uretra. É incomum, mas possível, o comprometimento mais extenso no sexo masculino.

Transmissão[editar | editar código-fonte]

A via de transmissão principal é o contato sexual(de pessoa para pessoa). Em condições especiais são possíveis outras formas de transmissão, contudo são estatisticamente desprezíveis.[5] . Podem tambem ser transmitido atraves de roupas intimas.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

É recomendável o uso de preservativo durante o ato sexual,[5] e também medidas gerais como o uso individual de roupas íntimas, tratamento de indivíduos portadores, esterilização dos aparelhos ginecológicos, higiene em relação aos sanitários públicos, etc.

Referências

  1. Fonte: Centers for Disease Control (en)
  2. a b c MACIEL, G.P., Tasca, T.T., Carli, G. A. Aspectos clínicos, patogênese e diagnóstico de Trichomonas vaginalis. J.Bras.Patol. Med. Lab, v.40, n.3, p.152 - 60, Junho 2004.
  3. Pereira-Neves, A., Ribeiro, K.C., Benchimol, M. Pseudocysts in trichomonads: new insights. Protist, v.154, n.3-4, p.313 - 329, October 2003.
  4. NEVES, David Pereira; Alan Lane de Melo; Odair Genaro; Pedro Marcos Linard. In: Atheneu. Parasitologia Humana. 10 ed.. ed. São Paulo: [s.n.]. Capítulo 14. ISBN 85-7379-243-4.
  5. a b CDC. Trichomoniasis - Fact Sheet. disponível em: <http://www.cdc.gov/STD/Trichomonas/STDFact-Trichomoniasis.htm> Acesso em 22/04/2008

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]