Árvore-do-pão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaFruta-pão
Exemplar de fruta-pão em Tortuguero, Costa Rica
Exemplar de fruta-pão em Tortuguero, Costa Rica
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Ordem: Rosales
Família: Moraceae
Género: Artocarpus
Espécie: A. altilis
Nome binomial
Artocarpus altilis
(Parkinson) Fosberg

A árvore-do-pão (Artocarpus altilis) é uma espécie de árvore florida da família das amoreiras e jacas (Moraceae).[1][2] Seu nome é derivado da textura da fruta moderadamente madura quando cozida, semelhante ao pão recém assado, e por seu sabor de batata.[3][4] Pode superar os 20 metros de altura e suas folhas são grandes e brilhantes.[5]

Acredita-se que é uma descendente domesticada da Artocarpus camansi, originária da Nova Guiné, Ilhas Molucas e Filipinas. Foi inicialmente espalhada para a Oceania através da expansão austronésia. Foi ainda mais espalhada para outras regiões tropicais do mundo durante a Era Colonial.[6][7] Navegadores britânicos e franceses introduziram algumas variedades polinésias sem sementes nas ilhas do Caribe durante o final do século XVIII. Hoje é cultivada em cerca de 90 países no sul e sudeste da Ásia, no Oceano Pacífico, no Caribe, na América Central e na África.[3]

As árvores foram amplamente plantadas em regiões tropicais, incluindo terras baixas da América Central, norte da América do Sul e Caribe.[7][3] Além da fruta servir como alimento básico em muitas culturas,[8] a madeira leve e robusta tem sido usada para a construção barcos, cordas e casas.[9]

A fruta-pão está intimamente relacionada com a Artocarpus camansi (fruta-pão-seminífera), Artocarpus blancoi (tipolo ou antipolo) das Filipinas e Artocarpus mariannensis (dugdug) da Micronésia, todas as quais às vezes são também conhecidas como "fruta-pão". Também está intimamente relacionada com a jaca (Artocarpus heterophyllus).[10]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Árvore-do-pão no Keopuolani Park, em Maui

A arvore-do-pão pode atingir uma altura de 26 metros (85 pé).[7] As folhas são grandes e grossas, sendo profundamente cortadas em lóbulos pinados. Possuem um formato oval e são verde brilhantes.[11] Todas as partes da árvore produzem látex,[7] que é útil para a calafetagem de barcos.[4]

As árvores são monóicas, com flores masculinas e femininas crescendo na mesma árvore. As flores masculinas surgem primeiro, seguidas logo depois pelas flores femininas.[4] A polinização é cruzada, embora a frutificação não dependa da polinização.[12] A polinização ocorre principalmente por morcegos frugívoros.[4]

A árvore-do-pão é uma das plantas alimentícias de maior rendimento, com uma única árvore produzindo de 50 a 150 frutas por estação.[13] Esta média foi observada nas plantações do Pacífico Sul, onde os frutos eram geralmente redondos, ovais ou oblongos, pesando 0,25 a 6 kgs.[3]

A produtividade de frutos varia entre áreas úmidas e secas. Estudos em Barbados indicam um potencial razoável de 15-30 toneladas por hectare.[7]

O fruto ovoide possui uma superfície áspera e cada fruto é dividido em muitos aquênios, cada aquênio cercado por um perianto carnoso e crescem em um receptáculo carnoso. A maioria das cultivares criadas seletivamente têm frutas sem sementes.[4] A fruta-pão é geralmente propagada usando estacas de raiz.[3]

A fruta-pão inteira, fatiada longitudinalmente e de modo transversal

A árvore-do-pão está intimamente relacionada com a fruta-pão-seminífera (Artocarpus camansi),[3][14] também conhecida como fruta-pão de caroço.[15] É semelhante em aparência ao seu parente do mesmo gênero, a jaca (Artocarpus heterophyllus). Algumas publicações consideram que as espécies são "primas."[16][17] Ambas chegam a ser confundidas, mas diferenciam-se pelo tamanho (a jaca é maior), o sabor (a jaca é mais doce) e o uso culinário.[18]

A fruta-pão tem centenas de variedades e milhares de nomes comuns que variam de acordo com sua distribuição geográfica, sendo cultivada em cerca de 90 países.[7][3] Dentre seus nomes populares, é conhecida como pana,[19] castanheira,[20] fruta-pão-de-massa,[21] rima[22] e jaca-de-pobre.[23]

A intimamente relacionada Artocarpus camansi pode ser distinguida da árvore-do-pão por ter frutos espinhosos com numerosas sementes. Já a Artocarpus mariannensis pode ser distinguida por ter frutos alongados verde-escuros com polpa amarela mais escura, bem como folhas inteiras ou com lóbulos rasos.[10]

Propagação[editar | editar código-fonte]

A fruta-pão é propagada principalmente por sementes, embora quando não possua sementes possa ser propagada por aproveitadores que crescem nas raízes superficiais da árvore.[7] As raízes podem ser propositalmente feridas para induzir o crescimento de aproveitadores; após, são separadas da raiz e plantadas em um vaso ou diretamente transplantadas para o solo.[7] A poda também induz o crescimento de aproveitadores.[7] As mudas com aproveitadores são colocadas em sacos plásticos contendo uma mistura de terra, turfa e areia, e mantidas à sombra enquanto umedecidas com fertilizante líquido. Quando as raízes estão desenvolvidas, o transplante é colocado a pleno sol até o momento do plantio no pomar.[7]

Para propagação em maior volume, prefere-se estacas de raiz, utilizando segmentos de cerca de 2 polegadas (10 cm) de espessura e 9 polegadas (20 cm) de cumprimento.[7] O enraizamento pode levar até 5 meses para se desenvolver, com as árvores jovens prontas para o plantio quando atingem 2 pés (60 cm) de altura.[7]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

De acordo com estudos que utilizaram a impressão digital de DNA, o ancestral selvagem da fruta-pão é a fruta-pão-seminífera (Artocarpus camansi), que é nativa da Nova Guiné, das Ilhas Molucas e das Filipinas. Foi uma das plantas transportadas em embarcações que foram espalhadas pelos viajantes austronésios há cerca de 3.000 anos na Micronésia, Melanésia e Polinésia, onde não era nativa.[6][24][10][25]

A fruta-pão-seminífera foi domesticada e criada seletivamente na Polinésia, dando origem ao Artocarpus altilis, quase sem sementes. A fruta-pão da Micronésia também mostra evidências de hibridação com a nativa Artocarpus mariannensis, enquanto a maioria das cultivares polinésias e melanésias não. Isso indica que a Micronésia foi inicialmente colonizada separadamente da Polinésia e da Melanésia por meio de dois eventos migratórios diferentes que mais tarde entraram em contato um com o outro no leste da Micronésia.[6][24][10][25]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Extensão da expansão austronésia que transportou colheitas como a fruta-pão, banana e coco pelas ilhas do Indo-Pacífico

A árvore-do-pão é uma espécie da planície equatorial. Foi espalhada de sua fonte no Pacífico para muitas regiões tropicais.[6][7] A planta cresce melhor abaixo de altitudes de 650 metros (2 100 pé), mas é encontrada em elevações de 1 550 metros (5 100 pé). Os solos preferidos são neutros a alcalinos (pH de 6,1 – 7,4) e areia, franco-arenoso, franco-argiloso ou franco- arenoso. A fruta-pão é capaz de crescer em areias de coral e solos salinos. A fruta-pão é ultratropical, exigindo uma faixa de temperatura de 16–38 °C (61–100 °F) e uma precipitação anual de 2 000−2 500 milímetros (78 641,73 in).[7]

Em 1769, Joseph Banks estava estacionado no Taiti como parte da expedição Endeavour, que era comandada pelo capitão James Cook.[4][26] A busca do final do século XVIII por fontes de alimentos baratos e de alta energia para escravos nas colônias britânicas levou os administradores coloniais e proprietários de plantações a pedir que a fruta-pão fosse trazida para o Caribe. Como presidente da Royal Society, Banks forneceu uma recompensa em dinheiro e uma medalha de ouro pelo sucesso nessa empreitada e foi exitoso em seu lobby para que fosse realizada uma expedição naval britânica. Em 1791, após uma viagem malsucedida ao Pacífico Sul para coletar as plantas, a bordo do HMS Bounty, William Bligh comandou uma segunda expedição com a embarcação Providence e a Assistant, que coletou frutas-pão sem sementes no Taiti e as transportou para Santa Helena, no Atlântico, e St. Vincent e Jamaica, nas Índias Ocidentais.[3][4]

Embora sejam amplamente distribuídos por todo o Pacífico, muitos híbridos e cultivares da fruta-pão não têm sementes ou são biologicamente incapazes de se dispersar naturalmente por longas distâncias. Portanto, é claro que os humanos ajudaram na distribuição da planta no Pacífico, especificamente grupos pré-históricos que colonizaram as ilhas do Pacífico. Para investigar os padrões de migração humana em todo o Pacífico, os cientistas usaram a datação molecular de híbridos e cultivares de fruta-pão em conjunto com dados antropológicos. Os resultados apoiam a hipótese de migração de oeste para leste, na qual acredita-se que o povo Lapita tenha viajado da Melanésia para várias ilhas da Polinésia.[24]

Nutrição[editar | editar código-fonte]

A fruta-pão é formada por 71% de água, 27% de hidratos de carbono e 1% de proteína. A quantidade de gordura é insignificante. Em uma porção de 100 g (3.5 oz), foi considerada uma fonte rica (35% do valor diário) de vitamina C e uma fonte moderada de tiamina e potássio (10% cada), sem outros nutrientes com teor significativo.[27][28]

Usos[editar | editar código-fonte]

Fruta-pão fatiada e frita

Comida[editar | editar código-fonte]

A fruta-pão é um alimento básico em muitas regiões tropicais. A maioria das variedades de fruta-pão produz frutos durante todo o ano. Frutas maduras e verdes têm usos culinários; a fruta-pão verde é cozida antes do consumo.[29] Antes de serem consumidas, as frutas são torradas, assadas, fritas ou cozidas.[30] Quando cozida, o sabor da fruta-pão moderadamente madura é descrito como semelhante à batata ou ao pão recém-assado.[31] Além de ser comestível crua, a fruta-pão pode ser moída como farinha e as sementes podem ser cozidas para consumo.[32]

Uma arvore-do-pão pode produzir 200 kgs de frutos a cada temporada.[33] Como as árvores geralmente produzem grandes colheitas em certas épocas do ano, a preservação dos frutos colhidos é um problema. Uma técnica tradicional de preservação é enterrar frutas descascadas e lavadas em um poço forrado de folhas, onde fermentam por várias semanas e produzem uma pasta azeda e pegajosa. Armazenado deste modo, o produto pode durar um ano ou mais, e alguns caroços produziram conteúdos comestíveis mais de 20 anos depois.[34]

Sul da Asia[editar | editar código-fonte]

No Sri Lanka, é cozida como curry com leite de coco e especiarias (que se torna um acompanhamento) ou fervida. A fruta cozida é uma refeição principal famosa. Muitas vezes é consumida com coco ralado ou sambol de coco, feito de coco ralado, pimenta vermelha em pó e sal misturado com uma pitada de suco de limão. Um lanche doce tradicional feito de lascas de fruta-pão secas ao sol em fatias finas, fritas em óleo de coco e mergulhadas em melaço aquecido ou xarope de açúcar é conhecido como rata del petti.[35]

Na Índia, bolinhos de fruta-pão, chamados de jeev kadge phodi em concani[36] ou de kadachakka varuthath em malaiala, são uma iguaria local na costa de Karnataka e Kerala.[37] Em Seychelles, era tradicionalmente consumida como substituta do arroz, servindo como acompanhamento da alimentação.[38] Também é consumida como sobremesa, no prato denominado de ladob friyapen, onde é cozida no leite de coco, açúcar, baunilha, canela e uma pitada de sal.[39]

Sudeste Asiático e Ilhas do Pacífico[editar | editar código-fonte]

Fatias de fruta-pão (kolo) usadas na culinária filipina

Nas Filipinas, a fruta-pão é conhecida como rimas na língua tagalo e kolo em Visayan. Também é chamada de kamansi, junto com a intimamente relacionada Artocarpus camansi, e o endêmico Artocarpus blancoi. Todas as três espécies, bem como a jaca, são comumente usadas da mesma maneira em pratos salgados. Os frutos imaturos são mais comumente consumidos no ensopado de vegetais conhecido como ginataang rimas, que é cozido com leite de coco.[40][10][25]

No Havaí, a fruta-pão é utilizada no alimento tradicional poi. Quando o poi é feito com fruta-pão, chama-se poi ʻulu.[41]

Caribe e América Latina[editar | editar código-fonte]

Em Porto Rico, a fruta-pão é chamada de panapén ou pana,[42] para abreviar, embora o nome pana seja frequentemente usado para se referir à fruta-pão-seminífera, cujas sementes são tradicionalmente cozidas, descascadas e comidas inteiras.[43] É frequentemente servida cozida com uma mistura de bacalao salteado, azeite e cebola - principalmente como tostones.[44][45] É ainda utilizada em sobremesas, como flan de pana, um creme com a fruta-pão.[46] A farinha de fruta-pão é vendida em todo Porto Rico e usada para fazer pão, bolos, biscoitos, panquecas, waffles, crepes e almojábana.[47][carece de fonte melhor]

Na República Dominicana, é chamada de buen pan ou "bom pão". No país, é um ingrediente popular para fazer curries, sopas e pratos à base de carne.[48] Em Barbados, é cozida com carne salgada e amassada com manteiga para fazer o cou-cou de fruta-pão. Geralmente é comida em pratos com carnes.[49]

No Haiti, a fruta-pão cozida no vapor é amassada para fazer um prato chamado tonmtonm, que é comido com um molho feito com quiabo e outros ingredientes, como peixe e caranguejo.[50][51]

Em Trinidad e Tobago, a fruta-pão é usada em tortas e saladas, bem como transformada em batatas fritas.[52] Na Jamaica, é cozida em sopas ou assada no fogão, no forno ou na brasa. É comida com o prato nacional ackee e peixe salgado.[53]

No Brasil, receitas diversas utilizam a fruta-pão, incluindo: nhoque;[54] carneirada;[55] pudim;[56] pão com massa;[57] bolinho;[58] e moqueca.[59][60]

Madeira e outros usos[editar | editar código-fonte]

A ávore-do-pão foi amplamente utilizada de várias maneiras entre os habitantes das ilhas do Pacífico. Sua madeira leve (gravidade específica de 0,27)[61] é resistente a cupins e vermes, e por isso é utilizada como madeira para estruturas e canoas polinésias.[3] A polpa da madeira também pode ser utilizada para fazer papel, chamado de tapa de fruta-pão.[3]

Os nativos havaianos usavam seu látex pegajoso para capturar pássaros, cujas penas eram transformadas em capas.[7]

A árvore-do-pão contém fitoquímicos com potencial como repelente de insetos.[62][63] As partes dos frutos que são descartadas podem ser usadas para alimentar o gado. As folhas das árvores também podem ser consumidas pelo gado.[64]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

Mitos e tradições[editar | editar código-fonte]

Jovem de Fiji carregando exemplares da fruta-pão, em fotografia de 1900-1930

Em Puluwat, nas Ilhas Carolinas, no contexto da tradição sagrada chamada yitang, a fruta-pão (poi) é uma figura de linguagem para o conhecimento. Este conhecimento é organizado em cinco categorias: guerra, magia, reuniões, navegação e fruta-pão.[65]

Segundo um mito etiológico havaiano, a fruta-pão originou-se do sacrifício do deus da guerra . Depois de decidir viver secretamente entre os mortais como fazendeiro, Kū se casou e teve filhos. Ele e sua família viveram felizes até que uma fome tomou conta de sua ilha. Quando ele não suportava mais ver seus filhos sofrerem, Kū disse a sua esposa que ele poderia livrá-los da fome, mas para isso ele teria que deixá-los. Relutantemente, ela concordou e, seguindo sua palavra, Kū desceu ao solo exatamente onde estava até que apenas o topo de sua cabeça ficasse visível. Sua família esperou no local onde ele esteve pela última vez, dia e noite, regando-o com suas lágrimas até que, de repente, um pequeno broto verde apareceu onde Kū estava. Rapidamente, o broto se transformou em uma árvore alta e frondosa carregada de pesadas frutas-pão que a família e os vizinhos de Kū comeram com gratidão, sendo salvos da fome.[66]

Outro mito surgido no Havaí diz que a árvore-do-pão surgiu dos testículos de um homem morto. Na história, os habitantes cozinham e comem a fruta, considerando-a saborosa. No entanto, após descobrirem de onde surgiu, passam a vomitá-la, o que faz com que se espalhe em toda a ilha. No Taiti, outra lenda afirma que a espécie surgiu das partes de um homem.[67]

Motim do HMS Bounty[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Motim do HMS Bounty

Em 1787, o navio inglês HMS Bounty deixou a Grã-Bretanha para recolher e transportar frutas-pão do Taiti até as Índias Ocidentais, com o propósito de servirem como alimento para escravos.[68][69] No entanto, durante a viagem, a disciplina dentre os militares se deteriorou, fazendo com que as relações do comandante William Bligh com sua tripulação piorassem à medida que aplicava punições mais severas, aumentando suas críticas e abusos. Um dos alvos frequentes, o assistente Fletcher Christian, iniciou um motim contra o comandante por volta de três semanas depois do navio ter deixado o Taiti. Os amotinados foram eventualmente punidos, alguns dos quais com prisão e morte.[70][71] Em 1789, Bligh conseguiu transportar a fruta até as Índias Ocidentais em outra expedição.[72]

Coleção[editar | editar código-fonte]

A maior coleção mundial de variedades da fruta-pão foi estabelecida pela botânica Diane Ragone, em mais de 20 anos de viagem a 50 ilhas do Pacífico, em um terreno de 10 acre(s)s (4 ha) fora de Hana, na isolada costa leste de Maui (Havaí).[73][74]

Referências

  1. «Jackfruit, Breadfruit, Osage Orange, Mulberry, Soursop, Sugar Apple, Cherimoya». palomar.edu. Palomar College. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  2. Hepworth, Craig (12 de setembro de 2017). «Moraceae – The Mulberry Family». Florida Fruit Geek (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2020 
  3. a b c d e f g h i j «Breadfruit Species». ntbg.org. National Tropical Botanical Garden. 2017. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  4. a b c d e f g «Artocarpus altilis (breadfruit)». kew.org. Board of Trustees of the Royal Botanic Gardens. 2017. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  5. «A árvore-do-pão e o motim de uma tripulação». Escola de Botânica. 10 de maio de 2021. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  6. a b c d Matisoo-Smith, Elizabeth A. (3 de novembro de 2015). «Tracking Austronesian expansion into the Pacific via the paper mulberry plant». Proceedings of the National Academy of Sciences. 112 (44): 13432–13433. Bibcode:2015PNAS..11213432M. PMC 4640783Acessível livremente. PMID 26499243. doi:10.1073/pnas.1518576112Acessível livremente 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o Morton, Julia F (1987). «Breadfruit». Fruits of Warm Climates. NewCROP, Center for New Crops and Plant Products, Department of Horticulture and Landscape Architecture, Purdue University. pp. 50–58. Consultado em 17 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2015 
  8. Lowe, Lindsay (21 de janeiro de 2023). «What the Heck is a Breadfruit and How Do You Eat It?». Parade. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  9. «Traditional Uses». National Tropical Botanical Garden (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  10. a b c d e Ragone, Diane (abril de 2006). Elevitch, C.R., ed. «Artocarpus camansi (breadfruit), ver.2.1» (PDF). Hōlualoa, Hawai‘i: Permanent Agriculture Resources (PAR). Species Profiles for Pacific Island Agroforestry. Consultado em 18 de abril de 2012 
  11. «Breadfruit | Description, History, Cultivation, & Uses | Britannica». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  12. «Breadfruit». Prefeitura de Belém. 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  13. «ABOUT • The Breadfruit People». The Breadfruit People (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  14. «Artocarpus camansi / fruta-pão-seminífera ou breadnut :: e-jardim». www.e-jardim.com. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  15. «Fruta-pão: propriedades, benefícios e como consumir». e-Cycle. 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  16. Alves, Mayk (11 de setembro de 2019). «Fruta pão é parecida com a jaca e bastante comum na região Nordeste». Agro20. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  17. «Tem fruta pão no Brasil?». www.auditorioibirapuera.com.br. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  18. «Qual a diferença entre fruta-pão e jaca?». Capitalist. 23 de março de 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  19. «FRUTA-PÃO». Toda Fruta. 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  20. «Muda de Fruta Pão de Raiz - Produz Frutos sem Sementes - Safari Garden». safarigarden.commercesuite.com.br. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  21. «FRUTA-PÃO-DE-MASSA» (PDF). Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Fevereiro de 2019. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 30 de abril de 2023 
  22. Patro, Raquel (12 de agosto de 2013). «Fruta-pão – Artocarpus altilis». Jardineiro. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  23. Bruna Machado (17 de abril de 2023). «Parente da jaca, fruta-pão carrega lendas controversas e benefícios para a saúde». Capitalist. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  24. a b c Zerega, N. J. C.; Ragone, D.; Motley, T.J. (2004). «The complex origins of breadfruit (Artocarpus altilis, Moraceae): Implications for human migrations in Oceania». American Journal of Botany. 91 (5): 760–766. PMID 21653430. doi:10.3732/ajb.91.5.760  Verifique o valor de |name-list-format=amp (ajuda)
  25. a b c Ragone, Diane (2011). «Farm and Forestry Production and Marketing Profile for Breadfruit (Artocarpus altilis)». In: Elevitch. Specialty Crops for Pacific Island Agroforestry. Hōlualoa, Hawai‘i: Permanent Agriculture Resources. ISBN 978-0970254481 
  26. Salmond, Anne (2010). Aphrodite's Island. Berkeley: University of California Press. pp. 190, 197, 307–308. ISBN 9780520261143 
  27. «FoodData Central». Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  28. «Fruta-pão é considerada um superalimento originário da Ásia». Terra da Gente. G1. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  29. Janick, Jules; Paull, Robert E. (2008). The Encyclopedia of Fruit and Nuts. [S.l.]: CABI. 476 páginas. ISBN 978-0-85199-638-7 
  30. «FRUTA-PÃO». Toda Fruta. 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  31. «Fruta-pão: o que é, quais os benefícios e como consumir - Ser Saúde». Diário do Nordeste. 19 de outubro de 2021. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  32. The Complete Guide to Edible Wild Plants (em inglês). New York: Skyhorse Publishing. 2009. 33 páginas. ISBN 978-1-60239-692-0. OCLC 277203364 
  33. «'Food of the Future' Has One Hitch: It's All But Inedible». Wall Street Journal. 1 de novembro de 2011. Consultado em 6 de agosto de 2019 
  34. Balick, Michael J.; Cox, Paul Alan (1997). Plants, People, and Culture: The Science of Ethnobotany. [S.l.]: Scientific American Library. ISBN 978-0-7167-6027-6 
  35. Apé Lamā Lōkaya:1950, Chapter 31 (Vijitha Yapa Publications) ISBN 978-955-665-250-5
  36. «Breadfruit Fritters (Jeev Kadge Phodi) - KonkaniFoodRecipes.com». www.konkanifoodrecipes.com. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  37. «Bread fruit fritters| Jee kujje podi/bajji». Sampradaya (em inglês). 13 de abril de 2018. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  38. «Amazing International Tour packages Seychelles -The Koala Travels». Euro News Travel. 21 de dezembro de 2022. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  39. «Breadfruit-Friyapen». The Creole Melting Pot (em inglês). 5 de abril de 2018. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  40. «Kamansi». Specialty Produce. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  41. Noel Morata (Junho de 2019). «Breadfruit in Hawaii: enjoy some healthy Hawaiian ulu in your diet». This is Hawaii Life. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  42. Morton, Julia (23 de agosto de 2014). «Breadfruit». Growables. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  43. «Species». National Tropical Botanical Garden (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  44. «Breadfruit season again! Take advantage of the abundance!». Real estate in Dominica (em inglês). 6 de outubro de 2014. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  45. «Top 10 Family-Friendly Adventures in Puerto Rico». Islands (em inglês). 14 de julho de 2014. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  46. «Breadfruit Flan». Aida's Kitchen (em inglês). 26 de maio de 2020. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  47. Vega, Mivette (29 de setembro de 2021). «From the Mountains of Jayuya, Marisol Villalobos Is Making a Difference». https://theamericanonews.com/floricua/ (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  48. Dean, Linda (11 de setembro de 2022). «30 Delicious Dominican Fruits For The Fruit Lovers In 2023». Hey That Tastes Good! (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  49. «Cooking Bajan Style: Breadfruit Cou-Cou». loopbarbados.com (em inglês). 8 de janeiro de 2014. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2014 
  50. «Tomtom Haitian Food». Pithy Recipe (em inglês). 28 de dezembro de 2022. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  51. «Breadfruit With Okra – Tomtom ak Kalalou Gombo – Veritab ak Gombo – Haiti Chery». Haiti Chery (em inglês). 22 de abril de 2012. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  52. «Breadfruit is in - Trinidad and Tobago Newsday». newsday.co.tt (em inglês). 12 de março de 2022. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2022 
  53. «Breadfruit - roast or boil?». Jamaica Cleaner (em inglês). 27 de novembro de 2013. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  54. «Conheça a fruta-pão e uma deliciosa receita de nhoque». G1. 3 de maio de 2012. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  55. «Panela de Bairro ensina receita de carneirada de fruta-pão». G1. 13 de agosto de 2022. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  56. «Aprenda a preparar um delicioso pudim de fruta-pão». Gazeta Rural. G1. 5 de agosto de 2018. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  57. «Aprenda a preparar em casa um pão com massa com fruta-pão». G1. 23 de setembro de 2012. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  58. «Panela de Bairro ensina receita de bolinho de fruta pão com salada de lagosta, arroz de polvo e geleia de cupuaçu com pimenta». G1. 5 de novembro de 2012. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  59. Dalton Soares (9 de fevereiro de 2019). «Panela de Bairro ensina receita de moqueca de fruta-pão com carne de fumeiro». G1. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  60. «Panela de Bairro - 24/03 - Moqueca de carne de sertão com fruta pão». G1. 2018. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  61. Little, Elbert L. Jr.; Roger G. Skolmen (1989). «ʻUlu, breadfruit» (PDF). United States Forest Service. Cópia arquivada (PDF) em 30 de outubro de 2014 
  62. A. Maxwell P. Jones; Jerome A. Klun; Charles L. Cantrell; Diane Ragone; Kamlesh R. Chauhan; Paula N. Brown; Susan J. Murch (2012). «Isolation and Identification of Mosquito (Aedes aegypti) Biting Deterrent Fatty Acids from Male Inflorescences of Breadfruit (Artocarpus altilis (Parkinson) Fosberg)». Journal of Agricultural and Food Chemistry. 60 (15): 3867–3873. PMID 22420541. doi:10.1021/jf300101w  Verifique o valor de |name-list-format=amp (ajuda)
  63. Avant, Susan (15 de novembro de 2013). «Studies Confirm Breadfruit's Ability to Repel Insects». US Department of Agriculture. Consultado em 14 de junho de 2016 
  64. Heuzé, V.; Tran, G.; Hassoun, P.; Bastianelli, D.; Lebas, F. (2017). «Breadfruit (Artocarpus altilis)». Feedipedia, a programme by INRA, CIRAD, AFZ and FAO 
  65. Riesenberg, Saul H.; Elbert, Samuel H. (1971). «The Poi of the Meeting». Journal of the Polynesian Society, Auckland University 
  66. Shannon Wianecki (maio–junho de 2013). «Breadfruit». Maui Nō Ka ʻOi Magazine, Haynes Publishing Group. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  67. Vivian Souza (13 de abril de 2023). «Fruta-pão pode virar farinha e tem lenda que diz que ela nasceu de testículos de homem morto». G1. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  68. «The Breadfruit Saga». Philatelic Bureau. 13 de abril de 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  69. «A mutiny and a mystery». Australian National Maritime Museum. Junho de 2019. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  70. «Mutiny on the Bounty». Royal Museums Greenwich. 2023. Consultado em 30 de abril de 2023 
  71. Ben Johnson (2023). «Mutiny on the Bounty». Historic UK. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  72. Laura Kiniry (13 de agosto de 2018). «O lendário fruto de uma ilha que provocou motim histórico». BBC. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  73. Julia Steele; photos by Jack Wolford (agosto–setembro de 2009). «Tree of Plenty». Hana Hou! 
  74. «Você conhece a fruta-pão?». Hortifruti Saber & Saúde. 7 de fevereiro de 2019. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

EBDA. Produção de mudas de fruteiras tropicais. Salvado, 1991. 77p. (EBDA. Circular Técnica, 01).

EMBRAPA. CPATU. Fruticultura tropical: a fruta-pão. Belém, 1987.

GUIA RURAL ABRIL. Culturas: Frutas tropicais. São Paulo, 1988. Edição especial.

LUNA, José Vieira Uzêda. Instruções práticas para o cultivo de frutas tropicais. Salvador: EPABA, 1988. 56p.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Árvore-do-pão
Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Árvore-do-pão