Artocarpus heterophyllus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para outros significados, veja Jaqueira.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJaca
Frutos de Artocarpus heterophyllus
Frutos de Artocarpus heterophyllus
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Ordem: Rosales
Família: Moraceae
Género: Artocarpus
Espécie: A. heterophyllus
Nome binomial
Artocarpus heterophyllus
Lam.
Sinónimos
A. integer (Thunb.) Merrill
A. integrifolius auct. non L.f.

A jaca (Artocarpus heterophyllus), também conhecida como jaqueira,[1] é uma espécie de árvore da família das figueiras, amoreiras e frutas-pão (Moraceae).[2] Sua origem está na região dos Gates Ocidentais, localizado no sul da Índia.[2]

A jaca é adequada em planícies tropicais e é amplamente cultivada em regiões tropicais do mundo, incluindo Índia, Bangladesh, Sri Lanka e nas florestas tropicais das Filipinas, Indonésia, Malásia e Austrália.[2][3][4][5]

O fruto da jaqueira é o maior de todas as árvores, atingindo até 55 quilogramas (120 lb) de peso, 90 centímetros (35 in) de comprimento e 50 centímetros (20 in) de diâmetro.[2][6] Uma jaqueira madura produz cerca de duzentos frutos por ano, com árvores mais velhas produzindo até quinhentos frutos por ano.[2][3]

É uma fruta múltipla composta de centenas a milhares de flores individuais, e as pétalas carnudas da fruta verde são consumidas.[2][7] A fruta madura é doce (dependendo da variedade) e é comumente usada em sobremesas. A jaca verde enlatada tem sabor suave e textura carnuda, sendo chamada de "carne vegetal".[2] É comumente usada na culinária do sul e sudeste asiático.[8][9]

Etimologia e nome comum[editar | editar código-fonte]

Ilustração da jaca em um dos primeiros livros de história natural sobre a China, de autoria do missionário jesuíta Michał Boym, em 1656

A denominação da árvore tem origem do português, sendo que "jaca" é derivada do termo malaialo chakka (Malaia: chakka pazham),[7][10] quando os portugueses chegaram à Índia, em Kozhikode (Calicut), na costa de Malabar (Kerala) em 1499. Mais tarde, o nome Malayalam ചക്ക (cakka) foi registrado por Hendrik van Rheede (1678–1703) na publicação Hortus Malabaricus, vol. iii, em latim. Henry Yule traduziu o livro de Jordanus Catalani (fl. 1321–1330) Mirabilia descripta: as maravilhas do Oriente.[11] Este termo é, por sua vez, derivado da raiz protodravidiana kā(y) ("fruta, legume").[12]

Em inglês, seu nome comum "jackfruit" foi usado pelo médico e naturalista Garcia de Orta em seu livro de 1563 intitulado Colóquios dos Simples e Drogas da Índia.[13][14] Séculos depois, o botânico Ralph Randles Stewart sugeriu que a denominação foi inspirada no nome de William Jack (1795–1822), um botânico escocês que trabalhou para a Companhia das Índias Orientais em Bengala, Sumatra e Malásia.[15]

História[editar | editar código-fonte]

A jaca foi domesticada de forma independente no sul e no sudeste da Ásia, conforme indicado pelos nomes do sudeste asiático que não são derivados das raízes sânscritas. Provavelmente foi domesticada pela primeira vez pelos austronésios em Java ou na Península Malaia. A fruta foi posteriormente introduzida em Guam por colonos filipinos quando ambos faziam parte do Império Espanhol.[16][17] É a fruta nacional de Bangladesh[18] e a fruta-símbolo do estado de Kerala.[19]

Descrição botânica[editar | editar código-fonte]

Uma árvore de jaca
Botões de flores e folhas de uma árvore de jaca

Forma, tronco e folhas[editar | editar código-fonte]

A jaqueira é uma árvore de grande porte, possuindo uma copa densa.[20][21] Pode facilmente chegar a 25 metros de altura.[22] Os troncos possuem diâmetros de 30 a 60 centímetros.[21] Sua casca é áspera[23] e solta uma seiva leitosa.[24]

As folhas são lisas e brilhantes.[22] Possuem um formato oval, com cor verde-escura, tendo 12 a 20 centímetros de comprimento.[20] A consistência é coriácea.[25]

Flores e frutas[editar | editar código-fonte]

As flores da jaqueira, tanto masculinas como femininas, são formadas separadamente em inflorescências (conjunto de flores fundidas).[22] As flores masculinas estão agrupadas em espigas, com formato claviforme, enquanto as flores femininas estão agrupadas em espigas compactas. Os frutos são originados das flores femininas.[26] As flores são pequenas, assentadas sobre uma ráquis carnuda.[27]

Os frutos crescem em uma haste longa e grossa no tronco. Variam em tamanho e amadurecem de um tom verde-amarelado inicial para amarelo e, na maturidade, para marrom-amarelado. Possuem uma casca dura e pegajosa com pequenas espinhas cercadas por tubérculos duros e hexagonais. Os frutos grandes e de formas variadas têm um comprimento de 30 a 100 centímetros (12 a 39 in) e um diâmetro de 15 a 50 centímetros (6 a 20 in), podendo pesar 10–25 quilogramas (22–55 lb) ou mais.[2]

Pode haver cerca de 100 a 500 sementes por fruta. O revestimento da semente consiste em uma casca fina, cerosa, semelhante a um pergaminho e facilmente removível e um tégmen membranoso acastanhado. Os cotilédones são geralmente desiguais em tamanho, e o endosperma está minimamente presente.[28]

A fruta amadurece durante a estação chuvosa, de julho a agosto. Os aquênios, em forma de feijão, são revestidos por um arilo firme e amarelado, possuindo um sabor doce intenso quando a fruta é madura. A polpa é envolta por muitos fios estreitos de fibra, que correm entre a casca dura e o caroço da fruta e estão firmemente presos a ela.[2]

Quando podada, a parte interna (núcleo) emite um líquido pegajoso e leitoso,[2] que dificilmente pode ser removido da pele, mesmo com água e sabão. Para limpar as mãos depois de "desenrolar" a polpa, usa-se um óleo ou outro solvente. Por exemplo, vendedores ambulantes na Tanzânia, que vendem a fruta em pequenos segmentos, fornecem pequenas tigelas de querosene para seus clientes limparem seus dedos pegajosos. Quando totalmente madura, a jaca apresenta forte aroma agradável, a polpa da fruta aberta lembra o odor do abacaxi e da banana.[2]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Polpa da jaca

A jaca madura é naturalmente doce, com sabor sutil de abacaxi ou banana.[2] Pode ser usada para fazer uma variedade de pratos,[29] incluindo cremes,[30] bolos, pães[31] ou misturada com gelo raspado,[32] como o es teler na Indonésia[33] ou o halo-halo nas Filipinas.[34] Para o tradicional prato de café da manhã no sul da Índia, idlis, a fruta é usada com arroz como ingrediente e as folhas de jaca são usadas como embalagem para cozinhar no vapor.[35]

Jaca aberta

As sementes das frutas maduras são comestíveis depois de cozidas e possuem um sabor doce e leitoso, muitas vezes comparadas com a castanha-do-pará. Podem ser cozidas ou assadas.[2] Quanto mais madura, mais doce é a jaca. Quando verde, o sabor é neutro.[36] Quando torradas, o sabor das sementes é comparável com o das castanhas.[37]

As sementes são usadas como petiscos, tanto cozidas como assadas no fogo, ou para fazer sobremesas. Em Java, as sementes são comumente cozidas e temperadas com sal como lanche. São também comumente usadas no curry na Índia, na forma de uma mistura tradicional de lentilha e curry de vegetais. As folhas novas são tenras o suficiente para serem usadas como vegetais.[2]

Aroma[editar | editar código-fonte]

A jaca possui um aroma doce e frutado distinto. Em um estudo de voláteis sobre o sabor em cinco cultivares de jaca, os principais compostos voláteis detectados foram isovalerato de etila, isovalerato de propila, isovalerato de butila, isovalerato de isobutil, acetato de 3-metilbutila, 1-butanol e 2-metilbutan-1-ol.[38]

Sabe-se que uma jaca totalmente madura e fechada "emite um aroma forte" - e talvez desagradável[2][39] -, sendo que o interior da fruta foi descrito como cheirando a abacaxi e banana.[2] Após a torrefação, as sementes podem ser utilizadas como alternativa comercial ao aroma de chocolate.[40]

Valor nutricional[editar | editar código-fonte]

A polpa comestível é formada por 74% de água, 23% de carboidratos, 2% de proteína e 1% de gordura. O componente de carboidrato é principalmente proveniente de açúcares, representando uma fonte de fibra dietética. Em uma porção com 100 gramas (3,5 oz), a jaca crua fornece 95 kilocalorias (400 kJ) e é uma fonte rica (20% ou mais do Valor Diário, DV) de vitamina B 6 (25% DV). Contém níveis moderados (10-19% DV) de vitamina C e potássio, sem conteúdo significativo de outros micronutrientes.[41]

A jaca é uma solução parcial para a segurança alimentar dos países em desenvolvimento.[7][42]

Usos culinários[editar | editar código-fonte]

Hambúrgueres de jaca veganos

O sabor da fruta madura é comparável a uma combinação de maçã, abacaxi, manga e banana.[2][8] Em muitos países asiáticos a jaca é cozida.[8]

Em Bangladesh, a fruta é consumida sozinha. A fruta verde é usada no curry, e a semente é frequentemente seca e preservada para ser usada posteriormente no curry.[43]

Na Índia, predominam duas variedades de jaca: muttomvarikka e sindoor. Muttomvarikka tem uma polpa interna ligeiramente dura quando madura, enquanto a polpa interna da fruta sindoor é macia.[44]

Nas Filipinas, a jaca é chamada de langka em filipino e nangkà em cebuano.[45] A fruta verde é geralmente cozida em leite de coco e comida com arroz; isso é chamado ginataang langka.[46]

No Brasil são reconhecidas três variedades: a jaca-dura, que tem polpa firme, e os frutos maiores podem pesar entre 15 e 40 kg cada; jaca-mole, que dá frutos menores com polpa mais macia e doce; e a jaca-manteiga, que produz frutos doces cuja polpa tem consistência intermediária entre as variedades "dura" e "mole".[47]

Madeira e fabricação[editar | editar código-fonte]

A madeira amarela dourada com boa granulação é usada para a construção de móveis e casas na Índia. É resistente a cupins[48] e é superior à teca para a construção de móveis. A madeira da jaca é importante no Sri Lanka[49] e é exportada para a Europa. A madeira da jaca é amplamente utilizada na fabricação de móveis, portas e janelas, na construção de telhados[2] e em barris utilizados para o tempero do peixe.[50]

A madeira da árvore é utilizada para a produção de instrumentos musicais. Na Indonésia, a madeira dura do tronco é esculpida para formar os barris dos tambores usados no gamelão. Nas Filipinas, sua madeira macia é transformada no corpo do kutiyapi, uma espécie de alaúde de barco. Também é utilizada para fazer o corpo do instrumento de cordas indiano veena e os tambores mridangam, thimila e kanjira.[51]

Importância cultural[editar | editar código-fonte]

Mulheres preparando jacas em uma vila indiana

A jaca tem desempenhado um papel significativo na agricultura indiana há séculos. Achados arqueológicos na Índia revelaram que a jaca era cultivada no país de 3.000 a 6.000 anos atrás.[52]

A prancha de madeira ornamentada chamada avani palaka, feita da madeira da jaca, é usada como assento do padre durante as cerimônias hindus em Kerala. No Vietnã, a madeira é usada para a confecção de estátuas budistas em templos.[53][54]

A jaca é a fruta nacional de Bangladesh,[43] e a fruta do estado indiano de Kerala (que hospeda festivais de jaca) e de Tamil Nadu.[55][56]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

No que diz respeito ao cultivo da planta, são necessárias podas mínimas; cortar galhos mortos do interior da árvore só é necessário algumas vezes.[2] Além disso, galhos com frutos devem ser torcidos ou cortados no tronco para induzir o crescimento para a próxima estação.[2] Os galhos devem ser podados a cada três ou quatro anos para manter a produtividade.[2]

Produção e comercialização[editar | editar código-fonte]

Em 2017, a Índia produziu 1,4 milhões de toneladas de jaca, seguido por Bangladesh, Tailândia e Indonésia.[57]

A comercialização da jaca envolve três grupos: produtores, comerciantes e atravessadores, incluindo atacadistas e varejistas.[58]

Em 2022, a empresa de consultoria IndustryARC estimou que o mercado internacional envolvendo a jaca chegaria a US$ 359,1 milhões até 2026. O crescimento anual foi estimado em 3,3%.[59]

Nos Estados Unidos, foi considerada uma alternativa à carne diante das possibilidades de ser utilizada para pratos veganos e vegetarianos.[60] A mesma tendência foi relatada em outros países ocidentais.[61] No Reino Unido, a rede de restaurantes e franquias Pizza Hut lançou uma opção de vegana de pizza contendo a jaca verde.[62]

Disponibilidade comercial[editar | editar código-fonte]

Fora dos países de origem, a jaca fresca pode ser encontrada em mercados de alimentos em todo o Sudeste Asiático.[2][63] Também é amplamente cultivada na região costeira brasileira, onde é vendida nos mercados locais. Está disponível no formato enlatado ou congelado, já preparado e cortado. As indústrias de jaca estão estabelecidas no Sri Lanka e no Vietnã, onde a fruta é processada em produtos como farinha, macarrão, papad e sorvete.[63]

A jaca também está amplamente disponível o ano todo, de modo enlatado e seco. Chips de jaca seca são produzidos por vários fabricantes. Conforme relatado em 2019, a jaca tornou-se mais amplamente disponível nos supermercados dos EUA, limpa e pronta para cozinhar, bem como em pratos pré-fabricados ou ingredientes preparados.[64] Está nos cardápios dos restaurantes em preparações como recheios de tacos e versões veganas de carne de porco desfiada.[64]

Referências

  1. «Artocarpus heterophyllus». Tropical Biology Association. Outubro de 2006. Consultado em 23 de novembro de 2012. Arquivado do original em 15 de agosto de 2012 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Morton, Julia. «Jackfruit». Center for New Crops & Plant Products, Purdue University Department of Horticulture and Landscape Architecture. Consultado em 19 de abril de 2016 
  3. a b Love, Ken; Paull, Robert E (junho de 2011). «Jackfruit» (PDF). College of Tropical Agriculture and Human Resources, University of Hawaii at Manoa 
  4. Boning, Charles R. (2006). Florida's Best Fruiting Plants:Native and Exotic Trees, Shrubs, and Vines. Sarasota, Florida: Pineapple Press, Inc. 
  5. Elevitch, Craig R.; Manner, Harley I. (2006). «Artocarpus heterophyllus (Jackfruit)». In: Elevitch. Traditional Trees of Pacific Islands: Their Culture, Environment, and Use. [S.l.]: Permanent Agriculture Resources. ISBN 9780970254450 
  6. «Jackfruit Fruit Facts». California Rare Fruit Growers, Inc. 1996. Consultado em 23 de novembro de 2012. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  7. a b c Silver, Mark (maio de 2014). «Here's The Scoop On Jackfruit, A Ginormous Fruit To Feed The World». NPR. NPR. Consultado em 19 de abril de 2016 
  8. a b c Janick, Jules; Paull, Robert E. The encyclopedia of fruit & nuts (PDF). [S.l.: s.n.] 
  9. The encyclopedia of fruit & nuts, By Jules Janick, Robert E. Paull, pp. 481–485
  10. Pradeepkumar, T.; Jyothibhaskar, B. Suma; Satheesan, K. N. (2008). Prof. K. V. Peter, ed. Management of Horticultural Crops. Col: Horticultural Science Series. 11. New Delhi, India: New India Publishing. ISBN 978-81-89422-49-3 
  11. Friar Jordanus, 14th century, as translated from the Latin by Henry Yule (1863). Mirabilia descripta: the wonders of the East. [S.l.]: Hakluyt Society. Consultado em 23 de novembro de 2012 
  12. Southworth, Franklin (2 de agosto de 2004). Linguistic Archaeology of South Asia. [S.l.]: Routledge. ISBN 9781134317769 – via Google Books 
  13. Oxford English Dictionary, Second Edition, 1989, online edition
  14. The American Heritage Dictionary of the English Language: Fourth Edition. [S.l.]: Bartleby. 2000. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2005 
  15. Stewart, Ralph R. (1984). «How Did They Die?» (PDF). Taxon. 33 (1): 48–52. JSTOR 1222028. doi:10.2307/1222028 
  16. Blench, Roger= (2008). «A history of fruits on the Southeast Asian mainland». In: Osada; Uesugi. Occasional Paper 4: Linguistics, Archaeology and the Human Past. [S.l.]: Indus Project. pp. 115–137. ISBN 9784902325331 
  17. Blust, Robert; Trussel, Stephen (2013). «The Austronesian Comparative Dictionary: A Work in Progress». Oceanic Linguistics. 52 (2): 493–523. doi:10.1353/ol.2013.0016 
  18. «Jackfruit – National Fruit of Bangladesh». By Bangladesh.com (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  19. «Jackfruit Declared as Official State Fruit of Kerala; Proposal by the Agriculture Department». India.com (em inglês). 21 de março de 2018. Consultado em 12 de janeiro de 2023 
  20. a b «Arvores Frutíferas». www.esalq.usp.br. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  21. a b «Um pé de quê? Jaqueira - Guia Visual». www.umpedeque.com.br. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  22. a b c «Jaqueira». Flora. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  23. «PANC: Jaca Verde». 27 de agosto de 2018. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  24. Cris. «Carne de jaca». GRÃO COM BICO. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  25. «Jaqueira: Flor, Folha, Raiz, Madeira, Morfologia e Nome Científico | Mundo Ecologia». www.mundoecologia.com.br. 8 de junho de 2019. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  26. «Jaqueira: Flor, Folha, Raiz, Madeira, Morfologia e Nome Científico | Mundo Ecologia». www.mundoecologia.com.br. 8 de junho de 2019. Consultado em 29 de abril de 2023 
  27. Pushpakumara, D. K. N. G. (2006). «Floral and Fruit Morphology and Phenology of Artocarpus heterophyllus Lam. (Moraceae)». Sri Lankan J. Agric. Sci. 43: 82–106 
  28. N. Haq (2006). Jackfruit Artocarpus heterophyllus; Volume 10 of Fruits for the Future; p 4-11, 72 f. [S.l.]: International Center for Underutilized Crops. ISBN 0854327851 
  29. Fabro, Nathalia. «Jaca: conheça os benefícios e aprenda seis receitas com a fruta». Casa e Jardim. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  30. «Da mousse à salada, confira alguns pratos que são feitos à base de jaca». Rede Globo. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  31. Cavalcanti, Iago. «Jaqueira para comer sem culpa – Conversa Gastronômica». Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  32. «Cachaça tônica: jaqueira e limão». O Estado de S. Paulo. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  33. Marvellina (28 de junho de 2022). «Es Teler (Indonesian Shaved Ice with Avocado, Jackfruit, Coconut)». What To Cook Today (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  34. «How to Make Halo-Halo (Filipino Shaved Ice Dessert)». Serious Eats (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  35. Kalluraya, Smitha. «Jackfruit Idli Recipe - Pansu Idli». Archana's Kitchen (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  36. Portela, Monique. «Você conhece a carne de jaca? Dá pra fazer até coxinha e fica igual!». Gazeta do Povo. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  37. Mastrorosa, Luciana. «Da jaca se aproveita até o caroço! Veja os benefícios e como usar». menudodia.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  38. Ong, B.T.; Nazimah, S.A.H.; Tan, C.P.; Mirhosseini, H.; Osman, A.; Hashim, D. Mat; Rusul, G. (agosto de 2008). «Analysis of volatile compounds in five jackfruit (Artocarpus heterophyllus L.) cultivars using solid-phase microextraction (SPME) and gas chromatography-time-of-flight mass spectrometry (GC-TOFMS)». Journal of Food Composition and Analysis. 21 (5): 416–422. doi:10.1016/j.jfca.2008.03.002 
  39. Hargreaves, Dorothy; Hargreaves, Bob (1964). Tropical Trees of Hawaii. Kailua, Hawaii: Hargreaves. ISBN 9780910690027 
  40. Spada, Fernanda Papa; et al. (21 de janeiro de 2017). «Optimization of Postharvest Conditions To Produce Chocolate Aroma from Jackfruit Seeds» (PDF). Journal of Agricultural and Food Chemistry. 65 (6): 1196–1208. PMID 28110526. doi:10.1021/acs.jafc.6b04836 
  41. «FoodData Central». fdc.nal.usda.gov. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  42. Mwandambo, Pascal (11 de março de 2014). «Venture in rare jackfruit turns farmers' fortunes around». Standard Online. Standard Group Ltd. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  43. a b Matin, Abdul. «A poor man's fruit: Now a miracle food!». The Daily Star. Consultado em 12 de junho de 2015 
  44. Ashwini. A (2015). Morpho-Molecular Characterization of Jackfruit. Artocarpus heterophyllus (Thesis) 
  45. Wolff, John U. (1972). «Nangkà» (PDF). A Dictionary of Cebuano Visayan. 2. p. 698 
  46. «Ginataang Langka (Jackfruit in Coconut Milk)». Filipino Chow. 20 de maio de 2018. Consultado em 19 de abril de 2019 
  47. General information Arquivado em 2009-04-13 no Wayback Machine, Department of Agriculture, State of Bahia
  48. Bali, KALIUDA Gallery (30 de janeiro de 2021). «All About Jackfruit Wood or Jackwood». KALIUDA Gallery Bali (em inglês). Consultado em 17 de setembro de 2021 
  49. «Sri Lankan Fruit & Vegetable: Harnessing the Nature's Best». Sri Lanka Development Board. 2023. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  50. «Nam O fish sauce village». Danang Today. 26 de fevereiro de 2014. Consultado em 22 de setembro de 2015 
  51. Chauhan, Chandrashekhar; Singru, P. M.; Vathsan, Radhika (31 de março de 2021). «The effect of the extended bridge on the Timbre of the Sarasvati Veena: a numerical and experimental study». Journal of Measurements in Engineering. 9 (1): 23–35. ISSN 2335-2124. doi:10.21595/jme.2020.21712Acessível livremente 
  52. Preedy; Watson; Patel, eds. (2011). Nuts and Seeds in Health and Disease Prevention 1st ed. Burlington, MA: Academic Press. ISBN 978-0-12-375689-3 
  53. Forest Monks and the Nation-state: An Anthropological and Historical Study in Northeast Thailand, J.L. Taylor 1993 p. 218
  54. «Gỗ mít nài». Nhagoviethung.com. Consultado em 17 de junho de 2014. Arquivado do original em 3 de abril de 2017 
  55. Subrahmanian, N.; Hikosaka, Shu; Samuel, G. John; Thiagarajan, P. (1997). Tamil social history. [S.l.]: Institute of Asian Studies. Consultado em 23 de março de 2010 
  56. «Kerala's State fruit!». Consultado em 17 de março de 2018 
  57. Benjamin Elisha Sawe (25 de abril de 2017). «World Leaders In Jackfruit Production». WorldAtlas. Consultado em 23 de maio de 2018 
  58. Haq, Nazmul (2006). Jackfruit: Artocarpus heterophyllus (PDF). Southampton, UK: Southampton Centre for Underutilised Crops. ISBN 978-0-85432-785-0. Cópia arquivada (PDF) em 5 de outubro de 2012 
  59. «Entenda por quê uma jaca pode passar de R$ 1 mil na Inglaterra». Yahoo! Finanças. 18 de fevereiro de 2022. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  60. Bárbara Castilha (10 de outubro de 2019). «HORTIFRUTI/CEPEA: Jaca é a nova promessa como alternativa à carne nos EUA». HF Brasil. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  61. «Jaca substitui carne e ganha destaque em pratos que vão de coxinha à moqueca». Extra. 18 de fevereiro de 2019. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  62. Fábio Chaves (4 de janeiro de 2019). «Pizza Hut lança pizza vegana de jaca verde e queijo vegetal em suas 253 lojas no Reino Unido». Vista-se. Consultado em 29 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de abril de 2023 
  63. a b Goldenberg, Suzanne (23 de abril de 2014). «Jackfruit heralded as 'miracle' food crop». The Guardian, London, UK. Consultado em 17 de outubro de 2016 
  64. a b Brian Kateman (20 de agosto de 2019). «This Ancient 'Miracle Fruit' Is The Latest Meat Replacement Craze». Forbes. Consultado em 2 de setembro de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Marcos de Sá Corrêa e outros (2001). Parque Nacional da Tijuca. 140 anos da reconstrução de uma floresta. 1 1 ed. Av. Epitácio Pessoa, 3724/101: Ouro sobre Azul Editora Ltda. 147 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Artocarpus heterophyllus
Wikispecies
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Artocarpus heterophyllus