Ídolo coreano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ídolo sul-coreano)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Um Ídolo coreano (대한민국의 아이돌) é uma popular celebridade de K-pop que tem um treinamento duro por muitos anos, depois de ter passado por várias fases de audições realizadas por agências de talento sul-coreanas, como S.M. Entertainment, YG Entertainment e JYP Entertainment.[1][2][3][4][5] De acordo com o The Observer Vancouver, o ídolo do K-pop estereotipado é "incrivelmente jovem, de boa aparência, e capaz de transportar uma nota melodramática".[6]

Características[editar | editar código-fonte]

Sistema de treinamento[editar | editar código-fonte]

Ídolo coreano Rain

Centenas de candidatos cada dia participam das audições globais detidas por agências de entretenimento coreanas para realizar a chance de se tornar um estagiário.[7] Outros são escolhidos na rua ou explorados sem audição, com base em aparências ou talentos em potencial.[8] Para aqueles que passam com sucesso nesta fase de audição são oferecidos contratos de longo prazo com a empresa de entretenimento. Não há limites de idade para se tornar um estagiário; Portanto, não é incomum para os formandos, e até mesmo ídolos debutados, serem muito jovens.[9]

O processo de estágio dura por um período de tempo indefinido, variando de meses a anos e geralmente envolve a voz, dança e aulas de idiomas[10][11] enquanto vivem junto com outros estagiários, às vezes frequentando a escola, ao mesmo tempo, embora alguns estagiários preferem abandonar a escola para dedicar seu tempo e energia para alcançar o seu objetivo de se tornar um ídolo coreano.[12][13] Em 2012, o The Wall Street Journal relatou que o custo de treinar um membro do Girls' Generation da S.M. Entertainment foi de US$3 milhões.[14]

O sistema de estagiário se popularizou por Lee Soo-man, o fundador da S.M. Entertainment, como parte de um conceito denominado tecnologia cultural.[15] Como um processo único, o sistema de aprendizado de ídolo coreano foi criticado pelos meios de comunicação da mídia ocidentais.[16] Existem também conotações negativas de ídolos dentro das cenas de música coreanas independentes.[17]

Ganhos anunciados[editar | editar código-fonte]

Muitos ídolos coreanos se tornaram franquias de milhões de dólares e nomes de família nacionais. Alguns dos maires ídolos coreanos recebem uma renda anual de um milhão de dólares em royalties sozinho e vendas de um único álbum.[18] Muitos tornaram-se ídolos de milhões de dólares, tanto na Coréia quanto no exterior, com receitas provenientes não só da música em si, mas também de comerciais, de mercadoria relacionada ao ídolo, patrocínios corporativos, avais e concertos ao vivo. De acordo com o The Korea Times, uma vez que um vídeo musical de K-pop atrai mais de um milhão de visualizações, ele irá "gerar uma receita significativa grande o suficiente para distribuir os lucros aos membros de um grupo de K-pop."[19]

Efeitos sobre os fãs sasaeng[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fã sasaeng

Fãs sasaeng são aqueles que invadem o território pessoal do cantor, tais como a criação da câmera em seu dormitório, ou tirar fotos de suas conversas de mensagens de texto. Eles também acompanham os cantores em todos os lugares, até mesmo para eventos pessoais, tais como casamento de um parente.

Para alguns fora da comunidade de fãs, pode parecer irracional para um fã sasaeng perseguir seus ídolos quando eles só podem vê-los em concertos. No entanto, durante aparições públicas como em concertos, os ídolos de K-pop são normalmente cercados por seus gestores que vão fazer quase tudo para impedir os fãs de ficarem muito perto. Também a concorrência é grande como os ídolos tendem a ser cercado por centenas ou, em alguns casos, milhares de fãs sasaeng, e a possibilidade de uma interação particular com o seu ídolo é extremamente baixa. No entanto, após essas aparições públicas, as oportunidades vão começar a apresentar-se como dispersas e gestores dos ídolos fazem uma pausa. De acordo com o portal da Coreia do Sul Nate, até mesmo celebridades tem que encostar em um período de cinco horas, rota de longa distância. Neste ponto, os fã sasaeng, então, são capazes de bombardear seus ídolos favoritos com presentes e trocam algumas palavras com eles, e praticamente sem restrições e sem a concorrência de outros fãs sasaeng.[20]

De acordo com o The Seattle Times, durante um concerto de K-pop no DAR Constitution Hall em Washington, DC um "enxame de adolescentes contra o estádio", segurando suas câmeras de celular "pronto a disparar", e descreve como em antecipação nervosa, uma garota desencadeou uma torrente de "Oh, meus Deus!" em uma onda sincronizada e gritando "Você é tão sexy!"[21] A atmosfera é febril, e pesada com hormônios. Os fãs - em sua maioria adolescentes, na sua quase totalidade de meninas - com telefones com câmera com foco furioso, e modulam a intensidade de seus gritos como cada cantor aparece no palco.[22]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Devido à enorme quantidade de apoio de seus fãs, os ídolos coreanos estão começando a receber atenção da mídia consideravelmente.[23] Por exemplo, a BBC escreveu que "Estrelas coreanas estão batendo um caminho para o Japão, América e Europa".[24]

Nos últimos anos, o K-pop tem mostrado uma influência global desde filmes coreanos, novelas e ídolos da música que tomou a Ásia pela tempestade ao longo da última década. Mas o hallyu - ou "onda coreana", como o fenômeno é conhecido na Ásia - está agora se espalhando para a Europa continental, os Estados Unidos e no Reino Unido.[5][25][26] Plataformas de mídia social como o YouTube e Twitter se tornaram instrumentos cruciais para os ídolos de K-pop para atingir o público no Ocidente.[27]

Uso do termo[editar | editar código-fonte]

O jornal do estado de língua inglesa China Daily chama Super Junior e miss A de "ídolos pop sul-coreanos" e o Borneo Post chama Bigbang de "ídolo de K-pop".[28][29]

O The Wall Street Journal também reconhece Danny Im como um "ex-ídolo de K-pop".[30] E o The Seattle Times publicou um artigo com o título "adolescente americano com uma doença encontra ídolos de K-pop".[31]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sun, Jung. «K-Pop Idol Boy Bands and Manufactured Versatile Masculinity: Making Chogukjeok Boys». Hong Kong University Press. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  2. Kim, Yonghee. «Redefining the Real Korean Wave». LIST Magazine. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  3. Fisher, Max. «Visual music: How 'Gangnam Style' exploited K-pop's secret strength and overcame its biggest weakness». Washington Post. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  4. Seabrook, John. «Cultural technology and the making of K-pop». The New Yorker. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  5. a b Caramanica, Jon (24 de outubro de 2011). «Korean Pop Machine, Running on Innocence and Hair Gel». The New York Times. Consultado em 7 de setembro de 2012 
  6. Beth Hong (7 de agosto de 2012). «Bizarre 'Gangnam Style' K-pop music video blows up worldwide». The Vancouver Observer. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  7. «K-Pop Boot Camp». ABC News. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  8. amycwang93. «18 of the Youngest K-Pop Idols Ever to Debut». Soompi. Consultado em 17 de abril de 2016 
  9. Tam, Vivien (16 de novembro de 2015). «10 Youngest Debuted Baby K-pop Idols!». NowKPop. NowKPop. Consultado em 17 de abril de 2016 
  10. «In any language, JYP spells success on the global stage». Joong Ang Daily. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  11. Leung, Sarah. «Catching the K-Pop Wave: Globality in the Production, Distribution, and Consumption of South Korean Popular Music». Vassar College. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  12. Woo, Jaeyeon. «Journey to K-Pop Star, 'I Am.'». Wall Street Journal. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  13. «The Price of Fame in South Korea». Toonari Post. Consultado em 31 de agosto de 2012 
  14. Yang, Jeff. «Can Girls' Generation Break Through in America?». WSJ. Consultado em 17 de abril de 2016 
  15. Seabrook, John (8 de outubro de 2012). «Factory Girls». The New Yorker. ISSN 0028-792X. Consultado em 17 de abril de 2016 
  16. «Us and Them: Korean Indie Rock in a K-Pop World | The Asia-Pacific Journal: Japan Focus». apjjf.org. Consultado em 17 de abril de 2016 
  17. «Ask a Korean!: What's Real in Korean Hip Hop? A Historical Perspective». askakorean.blogspot.co.uk. Consultado em 17 de abril de 2016 
  18. «G-Dragon is richest star again - Yahoo!». My.entertainment.yahoo.com. 6 de junho de 2012. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  19.   (24 de agosto de 2012). «Successful social marketing translates into profits for K-pop acts-The Korea Herald». View.koreaherald.com. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  20. «"택시비 40만원, 아깝지 않아"…스타 쫓는 사생팬의 두 얼굴 : 네이트 뉴스». News.nate.com. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  21. Kang, Cecilia (29 de novembro de 2006). «Entertainment | K-pop stars become a big hit with teens | Seattle Times Newspaper». Seattletimes.nwsource.com. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  22. Williams, Holly (26 de novembro de 2011). «K-pop craze: The K Factor». The Independent. London. Consultado em 7 de setembro de 2012 
  23. Mahr, Krista (7 de março de 2012). «South Korea's Greatest Export: How K-Pop's Rocking the World | TIME.com». World.time.com. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  24. Williamson, Lucy (14 de junho de 2011). «BBC News - The dark side of South Korean pop music». Bbc.co.uk. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  25. «South Korea's K-pop takes off in the west». Financial Times. Consultado em 7 de setembro de 2012 
  26. «London is going K-Pop crazy». London Evening Standard. Consultado em 7 de setembro de 2012 
  27. «Korean Pop, with Online Help, Goes Global». Time Magazine. 26 de agosto de 2010. Consultado em 7 de setembro de 2012 
  28. «A last hurrah!|Music|chinadaily.com.cn». Usa.chinadaily.com.cn. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  29. «Kpop idol Big Bang made history on MTV Europe Music Awards – BorneoPost Online | Borneo , Malaysia, Sarawak Daily News | Largest English Daily In Borneo». Theborneopost.com. 15 de novembro de 2011. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  30. Yang, Jeff (28 de agosto de 2012). «'Gangnam Style' Viral Popularity in U.S. Has Koreans Puzzled, Gratified - Speakeasy - WSJ». Blogs.wsj.com. Consultado em 29 de outubro de 2012 
  31. «American teenager with illness meets K-pop idols | Entertainment | The Seattle Times». Seattletimes.nwsource.com. 20 de junho de 2012. Consultado em 29 de outubro de 2012