100 metros com barreiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
100 metros com barreiras
Olímpico desde Munique 1972
Desporto Atletismo
Praticado por mulheres
Campeã olímpica
Mulheres Brianna Rollins
 Estados Unidos
Campeã mundial
Mulheres Danielle Williams
 Jamaica

100 metros com barreiras é uma prova olímpica de atletismo disputada apenas por mulheres. Seu equivalente masculino são os 110 metros com barreiras.

A prova é disputada numa reta onde raias de corrida estão demarcadas. A largada é feita a partir de blocos de partida no chão da pista, como as demais provas de velocidade do programa olímpico. Nos seus cem metros de extensão são dispostas 10 barreiras; a primeira surge treze metros depois da linha de partida, as seguintes têm 8.5 metros de intervalo entre si e depois da última barreira há um percurso de 10.5 metros até à linha da meta. As barreiras têm 83,8 cm e são colocadas de modo a que caiam para a frente, caso sejam tocadas pela corredora. O toque ou mesmo a derrubada de barreiras não é motivo de desqualificação já que, geralmente, afeta de forma negativa o tempo obtido pela concorrente. A competidora pode ser desclassificada caso invada a raia de outra atleta ou tenha um tempo de reação ao sinal de largada inferior a 0.1s, considerado uma largada falsa.[1]

História[editar | editar código-fonte]

As provas de barreira derivam de uma corrida disputada numa distância de cem jardas com barreiras de madeira colocada a intervalos dela, na Inglaterra na década de 1830. Os primeiros Jogos Femininos Mundiais, em 1922, tiveram uma prova destas. Ela apareceu pela primeira vez na maneira como é hoje em Los Angeles 1932, com distância de 80 metros [1] e foi disputada como modalidade olímpica assim até Cidade do México 1968, sendo estão esticada e padronizada para 100 m a partir dos Jogos de Munique 1972. A primeira campeã olímpica da distância foi Annelie Ehrhardt da extinta Alemanha Oriental.[2] O recorde mundial é 12.20 e pertence à norte-americana Kendra Harrison, que em julho de 2016 quebrou por 0.01s a antiga marca da búlgara Yordanka Donkova que durou por 28 anos.[3]

Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, os Estados Unidos conseguiram pela primeira vez na história da prova em Olimpíadas conquistar as medalhas de ouro, prata e bronze e foi também a primeira vez que atletas norte-americanas conquistaram todos os lugares no pódio em qualquer evento olímpico de qualquer esporte.[4]

Recordes[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[5]

Recorde
Tempo
Atleta
País
Data
Local
Recorde mundial 12.20 Kendra Harrison Estados Unidos 22 julho 2016 Londres
Recorde olímpico 12.35 Sally Pearson Austrália 7 agosto 2012 Londres 2012

Melhores marcas mundiais[editar | editar código-fonte]

As marcas abaixo são de acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[6]

Posição Tempo Atleta País Data Local
1 12.20 Kendra Harrison Estados Unidos 22 julho 2016 Londres
2 12.21 Yordanka Donkova Bulgária 20 agosto 1988 Stara Zagora
3 12.24 Yordanka Donkova Bulgária 28 agosto 1988 Stara Zagora
12.24
Kendra Harrison
Estados Unidos
28 maio 2016
Eugene
5 12.25 Ginka Zagorcheva Bulgária 8 agosto 1987 Drama
6 12.26 Yordanka Donkova Bulgária 7 setembro 1986 Ljubljana
12.26 Ludmila Narozhilenko Equipa Unificada nos Jogos Olímpicos 6 junho 1992 Sevilha
12.26 Brianna Rollins Estados Unidos 22 junho 2013 Des Moines
9 12.27 Yordanka Donkova Bulgária 28 agosto 1988 Stara Zagora
10 12.28 Ludmila Narozhilenko União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 11 julho 1991 Kiev
12.28 Ludmila Narozhilenko Equipa Unificada nos Jogos Olímpicos 6 junho 1992 Sevilha
12.28 Sally Pearson Austrália 3 setembro 2011 Daegu

* A russa Ludmila Narozhilenko competiu pela União Soviética e pela Equipe Unificada da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) entre 1991 e 1992. Após a desintegração da União Soviética adotou o nome de casada de Ludmila Engquist e a cidadania sueca.

Melhores marcas olímpicas[editar | editar código-fonte]

As marcas abaixo são de acordo com o Comitê Olímpico Internacional – COI.[7]

Posição Tempo Atleta País Medalha Local
1 12.35 Sally Pearson Austrália ouro Londres 2012
2 12.37 Joanna Hayes Estados Unidos ouro Atenas 2004
12.37 Dawn Harper Estados Unidos prata Londres 2012
4 12.38 Yordanka Donkova Bulgária ouro Seul 1988
5 12.39 Sally Pearson Austrália Londres 2012
6 12.43 Lolo Jones Estados Unidos Pequim 2008
7 12.45 Olena Krasovska Ucrânia prata Atenas 2004
8 12.46 Dawn Harper Estados Unidos Londres 2012
9 12.47 Yordanka Donkova Bulgária Seul 1988
12.47 Ludmila Engquist Suécia Atlanta 1996

* As marcas de Sally Pearson (12.39) e Dawn Harper (12.46) foram obtidas nas semifinais de Londres 2012; a marca de Lolo Jones (12.43) foi obtida na semifinal 1 de Pequim 2008; a marca de Yordanka Donkova (12.47) foi obtida nas quartas-de-final de Seul 1988. A marca de Ludmila Engquist (12.47) foi obtida nas quartas-de-final de Atlanta 1996.

Marcas da lusofonia[editar | editar código-fonte]

País Marca Atleta Ano Local
Brasil 12.71 Maurren Maggi 2001 Manaus [8]
Portugal 13.14 Isabel Abrantes 2000 Coimbra [9]
Angola 14.01 Witney Barata 2012 Lisboa [10]
Cabo Verde 15.50 Sandra Moreira 2011 Lisboa [11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Discipline». IAAF. Consultado em 6 September 2015. 
  2. «Athletics at the 1972 München Summer Games: Women's 100 metres Hurdles». Sportsreference. Consultado em 6 September 2015. 
  3. «HARRISON HURDLES TO WORLD RECORD IN LONDON – IAAF DIAMOND LEAGUE». IAAF. Consultado em 23 July 2016. 
  4. «Rio Olympics 2016: US women sweep medals in 100m hurdles». BBC. Consultado em 18 August 2016. 
  5. «HURDLES - 100 METRES HURDLES». IAAF. Consultado em 6 September 2015. 
  6. «All time best». IAAF. Consultado em 6 September 2015. 
  7. «48 PAST OLYMPIC GAMES». OIC. Consultado em 24/04/2013. 
  8. «Recordes». CBat. Consultado em 1 September 2015. 
  9. «RECORDES DE PORTUGAL». FPA. Consultado em 1 September 2015. 
  10. «estatisticas». FAA. Consultado em 1 September 2015. 
  11. «Tabela de Records de Cabo Verde». FCA. Consultado em 1 September 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]