Lançamento de dardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados, veja dardo (desambiguação).
Lançamento de dardo
Olímpico desde 1908 H / 1932 S
Desporto Atletismo
Praticado por Ambos os sexos
Campeão olímpico
Homens Keshorn Walcott
Trinidad e Tobago
Mulheres Barbora Špotáková
República Checa República Tcheca
Campeão mundial
Homens Julius Yego
 Quênia
Mulheres Katharina Molitor
 Alemanha
Dardos masculino e feminino.

Lançamento de dardo é uma modalidade olímpica do atletismo existente desde a Grécia Antiga. Uma das mais nobres modalidades por sua antiguidade, integra o heptatlo e o decatlo, além de ter sua própria prova individual. Assim como o lançamento de martelo e lançamento de disco, este esporte é chamado oficialmente de lançamento. Somente o arremesso de peso é chamado de arremesso, devido ao fato do peso ser empurrado e os demais serem projetados com características diferentes.[1] [2]

História[editar | editar código-fonte]

O dardo fazia parte do pentatlo nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, aparecendo pela primeira vez em 708 a.C., e era disputado em duas modalidades: distância e alvo. Ele era lançado com auxílio de uma tira de couro chamada ankule enrolada em torno do meio do eixo do dardo. Os atletas podiam segurá-lo pela tira e quando o dardo era lançado essa tira se desenrolava dando à lança um voo em espiral. O dardo, uma simples lança reta, tinha a altura de um homem e a largura de um dedo.[3]

O lançamento de varas em alvos foi revivido na Alemanha e na Suécia no século XIX, no início da década de 1870. Na Suécia, estas varas foram desenvolvidas no moderno dardo e atirá-los à distância se tornou um dos esportes mais comuns lá e na Finlândia durante a década seguinte e as regras do esporte começaram a ser aprimoradas. Inicialmente eles eram lançados sem nenhuma corrida anterior e segurá-lo pela alça colocada no centro de gravidade não era obrigatório; corridas curtas foram introduzidas no fim da década de 1890 e a partir daí a distância da corrida passou a ser liberada.[4]

Como modalidade olímpica, o dardo foi introduzido em Londres 1908, depois de uma aparição nos não-oficiais Jogos Olímpicos Intercalados de 1906, em Atenas, e o primeiro campeão olímpico foi o sueco Eric Lemming. Em Estocolmo 1912, com a introdução do decatlo nos Jogos, passou a ser uma das dez provas desta modalidade; foi também neste ano em que foi reconhecido o primeiro recorde mundial da modalidade, a marca de 62,34 m de Lemming.[5] Em Los Angeles 1932 passou a ser uma modalidade olímpica também feminina e a norte-americana Babe Didrikson foi a primeira campeã.[6]

A Europa Oriental e a Escandinávia, em particular a Finlândia, tem uma grande tradição neste esporte. O finlandês Matti Järvinen, nove vezes recordista mundial, os tchecos Jan Zelezny e Barbora Špotáková e a norueguesa Trine Hattestad são os grandes nomes da modalidade, todos recordistas mundiais e com múltiplos títulos olímpicos e mundiais; Zelezny e Spotakova são os atuais recordistas mundiais com as marcas de 98,48 m no masculino e 72,28 m no feminino.[7] [8]

Descrição e regras[editar | editar código-fonte]

O dardo é um objeto em forma de lança, feito de metal, fibra de vidro ou fibra de carbono. Seu tamanho, tipo, peso mínimo e centro de gravidade foram definidos pela IAAFFederação Internacional de Atletismo e variam do homem para a mulher. O homem usa um dardo de 2,7 metros de comprimento, pesando 800 gramas. A mulher usa um dardo um pouco mais leve, 600 gramas, e tem 2,3 metros de comprimento. Os dois modelos tem uma empunhadura feita de corda localizada no centro de gravidade.

O atleta corre para tomar impulso e usa uma pista de corrida e lançamento com 34,9 metros de comprimento e 4 metros de largura, fazendo um giro rápido com o corpo para lançar. O dardo costuma sair das mãos do atleta com uma velocidade de 100 km/h. Após o voo, ele aterra numa zona relvada que costuma ocupar a zona central dos estádios de atletismo. A marca obtida pelo atleta é medida pelos oficiais, desde o limite da zona de lançamento até ao primeiro ponto onde o dardo tocou no chão, obrigatoriamente dentro de uma setor pré-marcado no campo com um ângulo de 29°.[7]

Ao contrário das outras modalidades de lançamento (martelo, peso e disco), a técnica do dardo tem regras próprias ditadas pela IAAF e lançamentos "não-ortodoxos" não são permitidos; o dardo precisa ser seguro pela empunhadura e lançado por cima do braço levantado ou dos ombros; além disso, é proibido ao atleta se virar completamente de maneira a que seu rosto fique em direção contrária ao lançamento, técnica que é muito usada, por exemplo, no lançamento de disco.[9]

O lançador é desclassificado se sair da zona de lançamento antes, durante ou depois do lançamento, ou se o dardo tocar no solo sem ser pela ponta dianteira dele. As competições de lançamento de dardo iniciam-se com três rondas de lançamentos para cada atleta. Após esta fase, os oito melhores resultados são apurados para realizar mais três lançamentos. Ao fim da prova, o atleta que obtiver a maior distância num lançamento legítimo é declarado vencedor. No caso de um empate, vence aquele com a segunda melhor marca. [9]

Reconfiguração[editar | editar código-fonte]

Em abril de 1986, o dardo masculino foi redesenhado pelo Comitê Técnico da IAAF. Isto se deveu ao fato de que, além de várias aterrissagens começarem a ser feitas ao comprido, sem a ponta furar o solo, diversos lançamentos estavam sendo feitos no limite da área destinada a isto no campo de atletismo, colocando em perigo potencial as pessoas envolvidas e espectadores. O recorde mundial com o dardo antigo do alemão Uwe Hohn, de 104,80 m em 1984, foi o sinal de que algo precisa ser rapidamente mudado ou a modalidade seria inviabilizada para um estádio olímpico. Ele então foi redesenhado, com o centro de gravidade sendo colocado 4 cm à frente enquanto as áreas de superfície posteriores e anteriores ao centro de gravidade foram reduzidas e aumentadas, respectivamente. Isto teve como efeito a redução da elevação do dardo e o aumento da curvatura para baixo no arco da queda. Esta mudança fez o "nariz" do arco cair mais rapidamente, reduzindo a distância de voo em aproximadamente 10% e fazendo com que o dardo atinja o chão de maneira mais vertical e consistente. Em 1999, o dardo feminino também sofreu a mesma modificação.[10]

Mesmo assim reconfigurado, o dardo voltou a ser lançado a distâncias proibitivas e em 2007 um atleta do salto em distância foi atingido na barriga por um dardo lançado do outro lado do campo, durante uma etapa da Golden League em Roma; com o atual recorde mundial masculino já novamente próximo dos 100 metros, nova mudança deve ser feita no implemento nos próximos anos.[11]

Recordes[editar | editar código-fonte]

As marcas referem-se aos dardos com a nova configuração e são de acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[12] [13]

Homens
Recorde
Marca
Atleta
País
Data
Local
Recorde mundial
98,48 m
Jan Železný
República Checa
25 maio 1996
Jena
Recorde olímpico
90,57 m
Andreas Thorkildsen
Noruega
23 agosto 2008
Pequim 2008
Mulheres
Recorde
Marca
Atleta
País
Data
Local
Recorde mundial
72,28 m
Barbora Špotáková
República Checa
13 setembro 2008
Stuttgart
Recorde olímpico
71,53 m
Osleidys Menéndez
Cuba
27 agosto 2004
Atenas 2004

Melhores marcas mundiais[editar | editar código-fonte]

As marcas referem-se aos dardos com a nova configuração e são de acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[12] [13]

Homens[editar | editar código-fonte]

Posição Marca Atleta País Data Local
1
98,48 m
Jan Železný
República Checa
25 maio 1996
Jena
2
95,66 m
Jan Železný
República Checa
29 agosto 1993
Sheffield
3
95,54 m
Jan Železný
República Checa
6 abril 1993
Pietersburg
4
94,64 m
Jan Železný
República Checa
31 maio 1996
Ostrava
5
94,02 m
Jan Železný
República Checa
26 março 1997
Stellenbosch
6
93,09 m
Aki Parviainen
Finlândia
26 junho 1999
Kuortane
7
92,80 m
Jan Železný
República Checa
12 agosto 2001
Edmonton
8
92,72 m
Julius Yego
Quénia
26 agosto 2015
Pequim
9
92,61 m
Sergei Makarov
Rússia
30 junho 2002
Sheffield
10
92,60 m
Raymond Hecht
Alemanha
21 julho 1995
Oslo

Mulheres[editar | editar código-fonte]

Posição Marca Atleta País Data Local
1
72,28 m
Barbora Špotáková
República Checa
13 setembro 2008
Stuttgart
2
71,99 m
Maria Abakumova
Rússia
2 setembro 2011
Daegu
3
71,70 m
Osleidys Menéndez
Cuba
14 agosto 2005
Helsinque
4
71,58 m
Barbora Špotáková
República Checa
2 setembro 2011
Daegu
5
71,54 m
Osleidys Menéndez
Cuba
1 julho 2001
Retimno
6
71,53 m
Osleidys Menéndez
Cuba
27 agosto 2004
Atenas
7
71,42 m
Barbora Špotáková
República Checa
21 agosto 2008
Pequim
8
70,78 m
Maria Abakumova
Rússia
21 agosto 2008
Pequim
9
70,53 m
Maria Abakumova
Rússia
1 setembro 2013
Berlim
10
70,20 m
Christina Obergföll
Alemanha
23 junho 2007
Munique

Melhores marcas olímpicas[editar | editar código-fonte]

As marcas referem-se aos dardos com a nova configuração e são de acordo com o Comitê Olímpico Internacional – COI.[14]

Homens[editar | editar código-fonte]

Posição Marca Atleta País Medalha Local
1
90,57 m
Andreas Thorkildsen
Noruega
ouro
Pequim 2008
2
90,17 m
Jan Železný
República Checa
ouro
Sydney 2000
3
89,85 m
Steve Backley
Reino Unido
prata
Sydney 2000
4
89,66 m
Jan Železný
República Checa
ouro
Barcelona 1992
5
89,39 m
Jan Železný
República Checa
Sydney 2000
6
88,67 m
Sergei Makarov
Rússia
bronze
Sydney 2000
7
88,41 m
Konstadinos Gatsioudis
Grécia
Sydney 2000
8
88,34 m
Vítězslav Veselý
República Checa
Londres 2012
9
86,74 m
Pål Arne Fagernes
Noruega
Sydney 2000
10
86,64 m
Ainārs Kovals
Letónia
prata
Pequim 2008

* As marcas de Jan Železný (89,39 m), Konstadinos Gatsioudis (88,41 m) e Pål Arne Fagernes (86,74 m) foram feitas durante as classificatórias em Sydney 2000; a marca de Vítězslav Veselý (88,34 m) foi feita durante as classificatórias em Londres 2012.

Mulheres[editar | editar código-fonte]

Posição Marca Atleta País Medalha Local
1
71,53 m
Osleidys Menéndez
Cuba
ouro
Atenas 2004
2
71,42 m
Barbora Špotáková
República Checa
ouro
Pequim 2008
3
70,78 m
Maria Abakumova
Rússia
prata
Pequim 2008
4
69,55 m
Barbora Špotáková
República Checa
ouro
Londres 2012
5
68,91 m
Trine Hattestad
Noruega
ouro
Sydney 2000
6
67,69 m
Barbora Špotáková
República Checa
Pequim 2008
7
67,52 m
Christina Obergföll
Alemanha
Pequim 2008
8
67,51 m
Mirela Manjani
Grécia
prata
Sydney 2000
9
67,34 m
Osleidys Menéndez
Cuba
Sydney 2000
10
66,19 m
Barbora Špotáková
República Checa
Londres 2012

* As marcas de Barbora Špotáková (67,69 m) e Christina Obergföll (67,52 m) foram feitas nas classificatórias de Pequim 2008; a marca de Osleidys Menéndez (67,34 m) foi feita nas classificatórias de Sydney 2000; a marca de Barbora Špotáková (66,19 m) foi feita nas classificatórias de Londres 2012.

Referências

  1. "Entenda: Arremesso e lançamentos". BM&F Atletismo. Consultado em 7 September 2015. 
  2. Nomes oficiais dos esportes no site da CBAT
  3. "Throwing the javelin". The journal of Hellenic studies. Consultado em 10 September 2015. 
  4. Jukola, Martti (1935). Huippu-urheilun historia (em finlandês). Werner Söderström Osakeyhtiö [S.l.] 
  5. "Javelin Throw World Record Progression - Men". Nemeth Javelins. Consultado em 10 September 2015. 
  6. "Athletics at the 1932 Los Angeles Summer Games: Women's Javelin Throw". Sportsreference. Consultado em 10 September 2015. 
  7. a b "Javelin Throw". IAAF. Consultado em 10 September 2015. 
  8. "All time best". IAAF. Consultado em 10 September 2015. 
  9. a b "IAAF competition rules" (PDF). IAAF. Consultado em 10 September 2015. 
  10. "Physics: Javelin Designs, what’s the significance?". The World of Javelin. Consultado em 10 September 2015. 
  11. "Dardo acerta francês em etapa de atletismo". Terra. Consultado em 10 September 2015. 
  12. a b "THROWS - JAVELIN THROW M". IAAF. Consultado em 10 September 2015. 
  13. a b "THROWS - JAVELIN THROW W". IAAF. Consultado em 10 September 2015. 
  14. "48 PAST OLYMPIC GAMES". OIC. Consultado em 24/04/2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lançamento do dardo