110 metros com barreiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
110 metros com barreiras
Olímpico desde 1912 H / 1928 S
Desporto Atletismo
Praticado por Homens
Campeão olímpico
Homens Omar McLeod
 Jamaica
Campeão mundial
Homens Sergei Shubenkov
 Rússia

110 metros com barreiras é uma prova olímpica de atletismo disputada apenas por homens. Seu equivalente feminino são os 100 metros com barreiras. Disputada como competição individual, também integra o decatlo como uma de suas modalidades.

A prova é disputada numa reta onde raias de corrida estão demarcadas. A largada é feita a partir de blocos de partida no chão da pista, como as demais provas de velocidade do programa olímpico. Nos seus 110 metros de extensão são dispostas 10 barreiras; a primeira surge 13,72 m depois da linha de partida, as seguintes têm 9,14 metros de intervalo entre si e depois da última barreira há um percurso livre de 14,02 m até à linha da meta. As barreiras têm 1,067 m de altura cada e são colocadas de modo a que caiam para a frente, caso sejam tocadas pelo corredor. O toque ou mesmo a derrubada de barreiras não é motivo de desqualificação já que, geralmente, afeta de forma negativa o tempo obtido pelo competidor. O atleta pode ser desclassificado caso invada a raia de outro atleta ou tenha um tempo de reação ao sinal de largada inferior a 0.1s, considerado uma largada falsa.[1]

O atual campeão olímpico e recordista mundial da prova é o norte-americano Aries Merritt.[2] Alguns dos grandes nomes na história dela são Alvin Kraenzlein, que criou a técnica moderna de dar passadas sobre a barreira ao invés de simplesmente pulá-la e de dar três passos entre cada uma delas,[3] Roger Kingdom, Allen Johnson e Renaldo Nehemiah, o primeiro homem a correr a prova em menos de 13s e que nunca pode competir em Jogos Olímpicos por causa do boicote dos Estados Unidos à Moscou 1980, época de sua primazia no esporte.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A história dos 100 m com barreiras remonta à Inglaterra dos anos 1830, quando corridas na distância de 100 jardas eram disputadas sobre barreiras de madeira. Os alunos de Oxford e Cambridge desenvolveram o evento, alogando a distância para 120 jardas (109.7m). Em 1888, a distância foi novamente alongada usando o sistema métrico, para 110 metros, pelos franceses e assim se estabeleceu.[1] Nestes primeiros tempos, as barreiras eram muito mais sólidas e duras que as atuais – bater numa delas poderia significar uma séria lesão – e a técnica para transpô-las, primitiva; os saltos eram feitos com os corredores encolhendo e juntando as pernas sob seus corpos.[3]

Mesmo com a introdução posterior de barreiras mais leves, o atleta que tocasse em três barreiras durante a corrida era desclassificado, regra que só mudou a partir de 1935, com a introdução das barreiras em "L", que caem para frente ao toque. "Caminhar" sobre as barreiras se tornou então a técnica mais comum e com o advento conjunto das pistas de atletismo sintéticas a partir dos anos 60, os recordes começaram a cair.[3]

Recordes[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[5]

Recorde
Tempo
Atleta
País
Data
Local
Recorde mundial
12.80
Aries Merritt
Estados Unidos
7 setembro 2012
Bruxelas
Recorde olímpico
12.91
Liu Xiang
China
27 agosto 2004
Atenas 2004

Melhores marcas mundiais[editar | editar código-fonte]

As marcas abaixo são de acordo com a Federação Internacional de Atletismo – IAAF.[6]

Posição Tempo Atleta País Data Local
1
12.80
Aries Merritt
Estados Unidos
7 setembro 2012
Bruxelas
2
12.87
Dayron Robles
Cuba
12 junho 2008
Ostrava
3
12.88
Liu Xiang
China
11 junho 2006
Lausanne
12.88
Dayron Robles
Cuba
18 julho 2008
Paris
5
12.89
David Oliver
Estados Unidos
16 julho 2010
Paris
6
12.90
Dominique Arnold
Estados Unidos
11 julho 2006
Lausanne
12.90
David Oliver
Estados Unidos
3 julho 2010
Eugene
8
12.91
Colin Jackson
Reino Unido
20 agosto 1993
Stuttgart
12.91
Liu Xiang
China
27 agosto 2004
Atenas
12.91
Dayron Robles
Cuba
22 julho 2008
Estocolmo

Melhores marcas olímpicas[editar | editar código-fonte]

As marcas abaixo são de acordo com o Comitê Olímpico Internacional – COI.[7]

Posição Tempo Atleta País Medalha Local
1
12.91
Liu Xiang
China
ouro
Atenas 2004
2
12.92
Aries Merritt
Estados Unidos
ouro
Londres 2012
3
12.93
Dayron Robles
Cuba
ouro
Pequim 2008
4
12.94
Aries Merritt
Estados Unidos
Londres 2012
5
12.95
Allen Johnson
Estados Unidos
ouro
Atlanta 1996
6
12.98
Roger Kingdom
Estados Unidos
ouro
Seul 1988
7
13.00
Anier García
Cuba
ouro
Sydney 2000
8
13.04
Jason Richardson
Estados Unidos
prata
Londres 2012
9
13.05
Omar McLeod
Jamaica
ouro
Rio 2016
10
13.06
Ladji Doucouré
França
Atenas 2004

* A marca de Aries Merritt (12.94) foi obtida nas semifinais de Londres 2012. A marca de Ladji Doucouré (13.06) foi obtida na semifinal de Atenas 2004.

Marcas da lusofonia[editar | editar código-fonte]

País
Marca
Atleta
Ano
Local
Brasil
13.29
Redelem dos Santos
2004
Lisboa
[8]
Portugal
13.47
João Almeida
2012
Lisboa
[9]
Angola
14.11
Jonas Mateus
1994
Noisy-le-Grand
[10]
Cabo Verde
15.10
Davidson Borges
2012
Lisboa
[11]

Referências

  1. a b «Discipline». IAAF. Consultado em 6 September 2015. 
  2. «110 METRES HURDLES». IAAF. Consultado em 16 September 2015. 
  3. a b c Thomas, Jim. «What Is the History of Track and Field Hurdles?». livestrong.com. Consultado em 16 September 2015. 
  4. Mc Gill, Steve. «Renaldo Nehemiah: Master of the Art Form». Black Athlete Sports Newtwork. Consultado em 16 September 2015. 
  5. «HURDLES - 110 METRES HURDLES». IAAF. Consultado em 16 September 2015. 
  6. «All time best». IAAF. Consultado em 6 September 2015. 
  7. «48 PAST OLYMPIC GAMES». OIC. Consultado em 24/04/2013. 
  8. «Recordes». CBat. Consultado em 1 September 2015. 
  9. «RECORDES DE PORTUGAL». FPA. Consultado em 1 September 2015. 
  10. «estatisticas». FAA. Consultado em 1 September 2015. 
  11. «Tabela de Records de Cabo Verde». FCA. Consultado em 1 September 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]