André Toral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
André Toral
Nascimento 1958 (61 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação artista de história em quadrinhos, antropólogo
Empregador Fundação Armando Álvares Penteado

André Amaral de Toral (São Paulo, 1958) é um historiador, antropólogo, quadrinista e ilustrador brasileiro.

Mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutor em História pela USP, atualmente é professor de Estética e Análise da Imagem na Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo. Além disso, tem publicado pesquisas nas áreas de história da arte e antropologia. Ocupou cargos de confiança na Funai e prestou consultoria para o Ministério Público do Brasil sobre questões indígenas.

O historiador e o quadrinista[editar | editar código-fonte]

Começou a trabalhar em histórias em quadrinhos em 1986. Naquele ano, escreveu a história Pesadelos Paraguaios, publicada na revista Animal. Nos anos seguintes, publicou histórias nas revistas Chiclete com Banana, Lúcifer, General e Cyber Comix. Em seus trabalhos, a formação acadêmica é uma influência marcante nos temas, que giram em torno da formação histórica do Brasil, com ênfase na Guerra do Paraguai e no contato do homem branco com os indígenas:

"Tudo o que eu faço é baseado em História, e no entanto, é tudo mentira! Agora, o historiador e o romancista muitas vezes fundem seu ofício, porque o romancista assim como o historiador tem os mesmos desafios, quais são? Fazer com que a história se torne algo atraente"[1]

Sua primeira graphic novel saiu em 1992. O Negócio do Sertão valeu ao autor um Troféu HQ Mix de melhor roteirista nacional.[2] Repetiu a premiação em 1999 e 2000.[3] O segundo álbum, Adeus, Chamigo Brasileiro - Uma História da Guerra do Paraguai, foi publicado pela Companhia das Letras em 2000.

Além dos álbuns, continuou criando histórias curtas para a revista Brasileiros.

Principais obras[editar | editar código-fonte]

Acadêmicas[editar | editar código-fonte]

  • Sociedade e Cosmologia Karajá -Dissertação de mestrado (Museu Nacional da UFRJ, 1992)[4])
  • Imagens em Desordem - a iconografia da Guerra do Paraguai (Humanitas FFLCH/ USP, 2001)
  • Arte e Sociedade no Brasil (Editora Callis, 2005, 3 volumes, com Aracy A. Amaral
  • A participação dos negros escravos na guerra do Paraguai (Estudos Avançados. vol.9 no.24, São Paulo, 1995[5]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • Os Brasileiros (Conrad, 2009)
  • Adeus, Chamigo Brasileiro. Uma História da Guerra do Paraguai (Companhia das Letras, 1999)
  • Furukawa, o Herói (Seleções Banda Desenhada, Lisboa, 2000)
  • O Negócio do Sertão. Como Descolar uma Grana no Século XVII (Dealer, 1992)

Referências

  1. André Toral adapta História do Brasil para os quadrinhos Arquivado em 21 de abril de 2013, no Wayback Machine.. Território Eldorado, 3 de julho de 2009
  2. Conrad lança Os Brasileiros, de André Toral Arquivado em 30 de julho de 2012, no Wayback Machine.. HQ Maniacs, 17 de abril de 2009
  3. «Troféu HQ Mix». Consultado em 9 de julho de 2011. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2012 
  4. [1]
  5. [2][ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]