Animax (revista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Animax é uma revista sobre animês e mangás lançada no Brasil na década de 1990 pela editora Magnum (editora conhecida por publicar revistas especializadas em armas de fogo).[1]

A Animax nasceu após a cisão da revista Japan Fury (publicada pela Nova Sampa) e era publicada em formatinho (13,5 cm x 20,5 cm),[2] e teve seu primeiro número em 15 de maio de 1996.

Editada por Sérgio Peixoto e José Roberto Pereira[nota 1],[3][4] a revista gerou dois spin-offs: as revistas Hypercomix e Mega Man, a primeira é um revista satírica semelhante a revista Mad que trazia paródias a séries de mangá e anime, lançada incialmente como um fanzine e a segunda um mangá licenciado do jogo homônimo da Capcom,[1][5] ambas eram totalmente produzidas por artistas brasileiros e trouxeram histórias desenhadas por artistas como Érica Awano e Eduardo Francisco (que fizeram suas estreias como desenhistas em Mega Man)[6][7] e Daniel HDR (que atualmente desenha para o mercado norte-americano em editoras como a Marvel Comics).[8]

A revista chegou a ter uma nova versão em 2004, a Animax Reload em formato A5 (um pouco maior que o tradicional formatinho). editada por Alexandre Nagado.[9]


Em 2017, em parceria com a editora Warpzone, Sérgio Peixoto lançou uma edição comemorativa intitulada Animax nº 51, no formato A5.[10]

Em 2018, foi anunciado um projeto de financiamento coletivo no Catarse para publicar a revista em formato digital.[11]

Projetos posteriores[editar | editar código-fonte]

Após divergências, a dupla de editores desfez a parceria, Em 2002, Sergio Peixoto lançou a revista Anime EX pela Editora Trama (mesma editora das revistas Holy Avenger e Dragão Brasil)[12] em formato americano, mas com uma estrutura de pautas similar à da predecessora, com apenas algumas seções recebendo nomes diferentes.[13]

Em 2005, Peixoto lançou pela Digerati a revista Anime Fury, nos mesmos moldes das revistas Japan Fury e Animax (em formatinho e com 36 páginas)[2] e no ano seguinte José Roberto lançou a Kamikaze, que gerou uma certa polêmica devido ao conteúdo gratuitamente ofensivo a cosplayers e fãs de anime e mangá.[4]

Notas

  1. Falecido em fevereiro de 2012

Referências

  1. a b Sergio Miranda (Fevereiro de 1997. "Wizard - O Guia dos Quadrinhos #8 - Novos Mangás nas Bancas": 14 Editora Globo ISSN 1413-6082
  2. a b Juliana Freire (16 de janeiro de 2005). «Anime Fury Nº 1 nas bancas». Anime Pró 
  3. Falece o editor e escritor José Roberto Pereira
  4. a b Leandro Cruz e David Denis Lobão (26 de abril de 2006). «Nova revista nas bancas – Kamikaze». UOL 
  5. Guilherme Kroll Domingues (31 de agosto de 2010). «Relembrando a aventura de Ranma ½ pela Animangá». Universo HQ 
  6. Carlo Costa (10 de fevereiro de 2009). «Entrevista:Eduardo Francisco». HQ Maniacs 
  7. «Arte japonesa do Mangá em Maceió». site do Jornal Primeira Edição. 7 de dezembro de 2006. Consultado em 21 de novembro de 2009 
  8. «Entrevista com o quadrinista Daniel HDR». Anime Pró. 21 de fevereiro de 2006 
  9. Marcelo Forlani (25 de Outubro de 2004). «Nova revista sobre animê e mangá nas bancas». Omelete 
  10. Revista Animax nº 51
  11. Animax Catarse
  12. Érico Borgo (31 de Março de 2003). «Omelete entrevista: Marcelo Cassaro fala sobre Dungeon Crawlers». Omelete 
  13. press release (24 de outubro de 2002). «Trama lança a Mangá Ex, uma nova revista sobre mangás». Universo HQ 
Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.