Minami Keizi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Minami Keizi (Getulina, 9 de junho de 1945Itapevi, 14 de dezembro de 2009) foi um quadrinista nipo-brasileiro, considerado um dos responsáveis pela introdução do estilo mangá no Brasil. Keizi era formado em Jornalismo e em Desenho.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Lins, no interior de São Paulo em uma família de oito irmãos, Keizi foi criado pelo avô, que era médico, monge budista e mestre de jiu-jitsu, com quem viveu até os 12 anos. Keizi teve contato com os mangás, através do pai, que recebia publicações japonesas do CAC (Cooperativa Agrícola de Cotia), nessas publicações conheceu o trabalho de Osamu Tezuka e passou a copia-lo.

Em 1963, ao terminar o Ensino Fundamental, resolveu tentar a carreira de desenhista na capital paulista, publicou o conto "Pedrinho e a Greve dos Relógios" no Jornal Juvenil, com arte de Zezo. Em 1964, decidi apresentar a editora Pan Juvenil, seu personagem Tupãzinho (inspirado em Astro Boy de Osamu Tezuka), ao se deparar com o estilo mangá de Keizi, o também Wilson Fernandes, disse a Keizi que a aquele estilo estranho (olhos grandes e pernas compridas) não faria sucesso no Brasil. Em 1965, publicou uma tira diária do Tupãzinho no Diário Popular (atual Diário de São Paulo),[1] seguindo a sugestão de Wilson Fernandes, resolveu mudar a anatomia do personagem e passa a se basear no model sheet dos personagens infantis da Harvey Comics, como Gasparzinho e Brasinha.

Em 1966, já como supervisor da Pan Juvenil, lança a revista "Álbum Encantado", uma antologia de contos e fábulas infantis, escritas por ele e desenhadas por Fabiano Dias, José Carlos Crispim, o Luís Sátiro e Antonio Duarte, todas histórias foram feitas estilo mangá (os desenhistas seguiram a orientação de Keizi, baseados nos quadrinhos japoneses), além da revista "Tupãzinho, o guri atômico", desenhada por ele. Com o fim da Pan Juvenil, os sócios Salvador Bentivegna e Jinki Yamamoto, convidam Keizi para fundar uma nova editora, a EDREL (Editora de Revistas e Livros). Na EDREL, trabalharam vários descendentes de japoneses, dentre eles, Claudio Seto, Fernando Ikoma, os irmãos Paulo e Roberto Fukue, entre outros. Tal qual, Keizi, Seto também trazia influência dos mangás e na EDREL publicaria as revistas "Ninja, o Samurai Mágico", "Ídolo Juvenil" e "O Samurai". Tupãzinho teve histórias publicadas na EDREL e torno-se mascote da editora. Nos tempos da EDREL, Keizi pode terminar os estudo através de um supletivo e fazer faculdade de jornalismo.

A Editora chegou a ter problemas com Ditadura Militar, por conta das revistas de teor adulto publicadas por ela. Com saída de Salvador, Marcilio Valenciano assume o posto do antigo sócio, em 1972 Keizi se desentende com as diretrizes editorais de Valenciano e sai da editora, Paulo Fukue fica em seu lugar como editor, Fukue acaba sendo preso e torturado, com isso também sai da editora, tempos depois foi a vez de Yamamoto, pouco depois a EDREL chega ao fim. Em 1972, Keizi fundou como Carlos da Cunha, a Minami & Cunha Editores (M & C Editores), editora que foi responsável pela primeira publicação de Conan no país.[1] Também pela M & C são publicadas O Lobisomem e A Múmia de Gedeone Malagola, com arte de Nico Rosso e Ignácio Justo respectivamente.[2] Astrólogo, Keizi entendia tanto de astrologia convencional como de horóscopo chinês, tendo lançado diversos anuários. Escreveu sobre o tema também para muitas revistas e livros,[3] inclusive no exterior. Tem mais de 800 livros esotéricos publicados, sobre uma diversidade de temas como: significado dos nomes, simpatias, sonhos e anjos. Editou a revista "Cinema em Close-Up" entre 1974 e 1979,[4] revista responsável pela divulgação do cinema Boca do Lixo.[3]

Nos anos 80, publicaria quadrinhos eróticos na Grafipar, editora de Curitiba, onde o amigo Claudio Seto montou um núcleo de histórias em quadrinhos, na editora, Keizi assinou como Rose West.[5] Keizi possuia uma coluna na revista Neo Tokyo da Editora Escala, chamada Cultura Nippon, onde falava sobre curiosidades do Japão.[6]

Em 2003 e 2004 retornou às HQs roteirizando publicações da Editora Nova Sampa e editou a revista Japan Erotic, para qual criou vários mangás Hentais com a colaboração do ilustrador paulista Carlus Alexandre.

Em 2007, publicou pela EM Editora (um selo da Mythos Editora)[7] os livros "Lendas de Zatoichi" e "Lendas de Musashi", ambos ilustrados por Júlio Shimamoto.[8][9] Minami Keizi faleceu dia 14 de dezembro de 2009, em Itapevi, na Grande São Paulo.[1][9]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2004, recebeu o Prêmio Angelo Agostini na categoria Mestres do Quadrinho Nacional[1] e em 2008, Minami, Ypê Nakashima, Fernando Ikoma e os irmãos Paulo e Roberto Fukue , recebem o Troféu HQ Mix na categoria Grande Mestre, pela primeira vez o Troféu premiava cinco artistas ao mesmo tempo,[10] além de ser tema de um documentário em curta-metragem "Minami Em Close-Up - A Boca Em Revista".[11]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. a b c d Ayaka Kyoyama (15 de dezembro de 2009). «Falece Minami Keizi». site Henshin. Editora JBC. Consultado em 15 de dezembro de 2009 
  2. A trajetória das HQs de terror no Brasil
  3. a b Paulo Ramos e Gonçalo Junior (15 de dezembro de 2009). «Cremado corpo do editor que trouxe mangás ao Brasil». UOL 
  4. Sidney Gusman (30 de novembro de 2005). «Opera Graphica lança livro teórico sobre hentai». Universo HQ. Consultado em 1 de junho de 2010 
  5. Gonçalo Junior (19 de dezembro de 2008). «Resenha Maria Erótica - Nova Fase». Universo HQ. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  6. «Neo Tokyo 29». site da Revista Neo Tokyo. Editora Escala. Consultado em 16 de dezembro de 2009 
  7. Marcelo Naranjo (6 de setembro de 2007). «EM Editora é selo da Mythos». Universo HQ 
  8. Marcelo Naranjo (4 de setembro de 2007). «Novos livros ilustrados nas bancas podem enganar o leitor». Universo HQ. Consultado em 19 de outubro de 2009 
  9. a b Lielson Zeni (15 de dezembro de 2009). «Morreu Minami Keizi». Universo HQ. Consultado em 15 de dezembro de 2009 
  10. Sidney Gusman (17 de julho de 2008). «Universo HQ é octacampeão do HQ Mix; confira todos os premiados». Universo HQ 
  11. «Minami Em Close-Up - A Boca Em Revista». Porta Curtas - Petrobrás 
Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.