Marcatti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marcatti na edição de 2017 da Comic Con Experience

Francisco A. Marcatti Jr. (São Paulo, 16 de junho de 1962) é um cartunista brasileiro, representante do quadrinho underground no Brasil.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Aos 15 anos, teve sua primeira história publicada na revista Papagaio, produzida por alunos do Colégio Equipe (onde Marcatti jamais estudou).

Em 1980, graças a uma herança, comprou a ordinária impressora off-set de mesa Rex Rotary modelo 1501, com a qual fundou a editora independente Pro-C.[2] Passou, então, a escrever, editar, desenhar, imprimir, dobrar, grampear e distribuir diversas revistas de sua autoria (e de outros, como Lourenço Mutarelli) com os mais inusitados títulos: Mijo, Lodo, 'Prega, Ventosa, etc.

A década de 80, no Brasil, foi um dos períodos mais criativos e prolíficos para os quadrinistas ditos marginais. Mas ninguém abraçou com tanta paixão o espírito underground e a ideia de faça-você-mesmo quanto Francisco de Assis Marcatti Jr., o Marcatti.

Ele publicou ininterruptamente 38 revistas ao decorrer de praticamente uma década, vendendo-as ele mesmo via correio ou de mão em mão, em portas de cineclubes, casas de shows, bares, teatros, lojas de discos e boates de São Paulo.

Recebeu em 1988 o troféu “Jayme Cortez” (AQC-ESP) em reconhecimento ao seu apoio aos quadrinhos nacionais.

Ao longo dos anos, publicou também seus quadrinhos em outras revistas, como Chiclete com Banana, Tralha, Monga, Casseta & Planeta, Mega e Mil Perigos.

Marcatti também fez as capas dos álbuns Anarkophobia e Brasil, da banda Ratos de Porão.

Em 2001 criou seu personagem Frauzio para uma revista mensal, lançada pela Editora Escala, com tiragem de 30 mil exemplares e distribuída em bancas de jornais, tendo o título após o 6º número. Em 2003 deu continuidade ao personagem, dessa vez pela Pro-C.

Em 2005, a editora Conrad lançou Mariposa, primeira graphic novel do autor, livro que lhe rendeu o prêmio de “Ângelo Agostini de Melhor Roteirista”

Em 2007, abandonando a temática escatológica e adaptou o romance A Relíquia, de Eça de Queiroz, publicado pela mesma editora.

Em novembro de 2008, tornou-se colaborador da versão brasileira da revista Mad, tal qual Basil Wolverton, uma de suas influências.

Em 2012 o ano em que foi homenageado como Grande Mestre pelo “Troféu HQMix”, adquiriu uma sexagenária impressora offset com o propósito de disponibilizar toda sua produção de mais de quatro décadas e continuar a produzir sua obras escatológicas.

Em 2017, a Ugra Press lançou Marcatti 40, um álbum em homenagem aos 40 anos de carreira de Marcatti pelos seguintes autores:André Diniz, Batista, Bira Dantas, Camilo Solano, Chico Felix, Dan Heyer, Daniel Esteves, Al Stefano, Doutor Insekto, Escape HQ, Fábio Zimbres, Felipe Bezerra, Flávio Luiz, Lica de Souza, Floreal, Franco de Rosa, Galvão Bertazzi, Germana Viana, Gilmar Machado, Guabiras, Guilherme Petreca, Juscelino Neco, Kellen Carvalho, Kiko Garcia, Laudo Ferreira, Lobo Ramirez, Luciano Salles, Miolo Frito, Orlandeli, Pablo Carranza, Paulo Batista, Paulo Crumbim, Pedro Cobiaco, Pedro D’Apremont, Pietro Luigi, Ruis Vargas, Thiago Ossostortos, Tiago Elcerdo, Victor Bello, Victor Freundt, Raphael Fernandes, Vitor Valença e Will.[3]

Mal começou o ano de 2018, Marcatti se uniu novamente com João Gordo para relançar as duas revistas RxDxPx Comix, onde os membros da banda Ratos de Porão são caracterizados como ratos para vivenciar HQs “hardcore”. Com roteiro de Marcatti e João Gordo, as edições originais, lançadas há 25 anos, são hoje considerados raríssimos itens de coleção.

Somando mais de 1.800 páginas de HQs, atualmente, vem trabalhando na adaptação de “Os Miseráveis” de Victor Hugo para a Cia das Letras. A HQ, com mais de 650 páginas, pode se tornar a mais importante empreitada de sua carreira.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

HQ Mix

1989 Publicação Independente

1990 Publicação Independente

1993 Publicação Independente

2004 Publicação Independente

2012 Grande Mestre

Angelo Agostini

1988 Troféu Jayme Cortez

2006 Roteirista

2016 Mestre do Quadrinhos Nacional

Referências


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.