Arthur Garcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Arthur Garcia da Rosa (13 de agosto de 1963) é um ilustrador e quadrinista brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Inicou a carreira de quadrinista aos 18 anos na editora Grafipar de Curitiba, desenhando quadrinhos eróticos, posteriormente, produziu quadrinhos do Zorro para a EBAL,[1] em 1985, formou-se em Educação Artística,[1] e passou a desenhar Os Trapalhões para a Bloch Editores, através do estúdio de Ely Barbosa[2][3] Em 1988, muda-se para Portugal,[2]onde ganha em 1990, o Prêmio O Mosquito, ao voltar ao Brasil, desenha para a revista Heróis da TV da Abril Jovem, histórias do super-heróis de tokusatsus da Toei Company: Jaspion,[1] Changeman[4] e Maskman[5] e a revista em quadrinhos do Sergio Mallandro, também publicada pela Abril,[5] logo em seguida, produz para diversas editoras as séries Piratininga, da revista Porrada Special, da Editora Vidente e de Os Novatos, da revista Nova Escola, Street Fighter, Pulsar, Cyborg Zeta-7 na revista Desenhe & Publique Mangá,[6] Gamemon e Daniel – o anjo da guarda para a Editora Escala, Blue Fighter[5] de Alexandre Nagado para a Editora Trama,[7], no mercado franco-belga, publicou as séries Os Cruzadinhos e Jeroen et Klass no jornal belga Gazette Van Machellen,[8] através de agenciamento da Commu International.[1]

Em 1999, começou a produzir manuais de Como desenhar, sobretudo no ensino de técnicas do estilo mangá.[4] Em 2000, ilustrou a revista Luana e sua Turma com roteiros de Oswaldo Faustino e Júlio Emílio Braz publicada pela Editora Toque de Midas.[9]

Em 2003, publicou a história Um certo Cesar Bravo – Lubisome, com arte-final de Silvio Spotti na antologia Mangá Tropical, organizada por Alexandre Nagado com prefácio de Sônia Luyten e publicada pela Via Lettera,[10] em 2004, publicou a graphic novel Nosferatus, que mistura elementos de horror, ficção científica e aventura, que teve a participação de Silvo Spotti (arte-final) e Vanderfel (coloração em tons de cinza) e Neuza Gonçalves (letras.[1] Em 2007, fez parte do juri do 3º Salão de Humor de Paraguaçu Paulista.[11] Publicou a série "Curso Relâmpago de Mangá nas páginas da revista Neo Tokyo da Editora Escala.[4]


Em 2010, ilustrou a revista Didi & Lili - Geração Mangá, baseada no personagem de mesmo nome do humorista Renato Aragão e sua filha, a atriz Lívian Aragão.[12] Em 2011, foi um dos artistas responsáveis pela arte da adaptação de Noite na Taverna de Álvares de Azevedo, roteirizada por Reinaldo Seriacopi para a série Clássicos Brasileiros em HQ da Editora Ática.[13] Em 2013, ao lado de Flavio Soares, produziu a capa de Velozes e Vorazes, livro ilustrado escrito por Ataíde Braz com arte interna de Mozart Couto, publicado pela Editora Minuano[14] e uma história em quadrinhos baseada em Jacques DeMolay, criação e roteiro de Fabrício Grellet, com arte de Silvio Spotti e Arthur Garcia, e cores de Carolina Pontes, publicada pelo Grupo ArteOfício.[15]


Venceu o Prêmio Angelo Agostini três vezes, na categoria roteirista (1994), desenhista (1995)[4][16] e mestre do quadrinho nacional (2017)[17]

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • Curso Fundamental De Mangá
  • Curso Pratico De Mangá Passo A Passo
  • Curso Relâmpago de Mangá
  • Aprenda a Desenhar Mangá Jovem
  • Aprenda a Desenhar Super-Heróis Adventures

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]