Antônio Cedraz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Antônio Cedraz
Nascimento 4 de maio de 1945
Morte 11 de setembro de 2014 (69 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação artista de história em quadrinhos
Xaxado tocando

Antônio Luiz Ramos Cedraz (Miguel Calmon, 4 de maio de 1945Salvador, 11 de setembro de 2014[1][2]) foi um importante cartunista brasileiro, autor da Turma do Xaxado, Mestre do quadrinho Nacional.[2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma fazenda no município de Miguel Calmon no interior da Bahia, aos 10 anos mudou-se com a família para Jacobina onde teve contato pela primeira vez com as histórias em quadrinhos. Começou a desenhar aos 16 anos vendo um colega desenhar; se formou em Magistério, unica opção na cidade."Depois, foi ser bancário e mudou-se para Salvador, pois queria continuar os estudos e fazer curso superior. Como já era casado e trabalhava no banco o dia inteiro, não podia concluir os estudos e só cursou por dois anos o curso de Artes Plásticas na UFBA."[3] Criou diversos personagens entre eles: A Turma do Joinha, a Turma do Pipoca, Os Guris e A Turma do Xaxado, seu ultimo trabalho. Foi com esta Turma que ele finalmente conseguiu projeção nacional ganhando várias vezes o HQ Mix, importante prêmio brasileiro das histórias em quadrinhos. Seus trabalhos foram publicados em jornais de todo o Brasil e publicado por algumas editoras. Suas tirinhas são utilizadas em diversos livros didáticos. Ilustrou os folhetos de cordel inspirados em cantigas de roda com versos do cordelista Antônio Barreto: Cravo Brigou com a Rosa (2009),[4] Atirei o Pau no Gato (2010) e Pai Francisco Entrou na Roda (2010).[5]

Faleceu em Salvador em 11 de setembro de 2014.[2] 

Foi o autor homenageado, em 2015 na FIQ – Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte.[6]


"O trabalho do quadrinista baiano tem características muito próprias, diretamente ligadas aos costumes e falares nordestino. Isto se deve, sem sombra de dúvida, à sua origem sertaneja e à sua vivência com o campo e a natureza. Para ele, os seus personagens são a ficção que se confunde com a realidade. Com essa verve, o artista encontra no seu próprio ambiente a matéria prima para moldar suas criações."[7]

Criações[editar | editar código-fonte]

A Turma do Xaxado[editar | editar código-fonte]

A Turma do Xaxado apresenta ao universo infantil a simplicidade da vida no sertão nordestino misturando o real e o imaginário mas sempre representando de maneira bem original o povo desta região. Começaram a ser publicadas em 1998 no suplemento "A Tarde Municípios", do jornal A Tarde, duas vezes por semana; com o sucesso passaram a ser publicadas diariamente no Caderno 2 do jornal. Rompendo as barreiras do território baiano as tiras foram publicadas em outros estados e outros países como Angola, Cuba e Portugal. Em 2003, o Projeto a Turma do Xaxado recebeu apoio institucional da UNESCO.[8]
Seu "personagem principal, segundo Gonçalo Junior "tem o perfil do bom menino, preocupado com questões sociais e ecológicas e que sonha em ser um sanfoneiro famoso".[9]

"A Turma do Xaxado tem um aspecto singular para a educação de crianças: os personagens e ambiência são nordestinos, retratam nossa cultura, nossos problemas e potencialidades. A turma é inteligente, afetiva, criativa e o dialogo tem argumentos altos, de nível crítico, humorístico e poético. Essa turma tem sido grande aliada das escolas do Brasil, onde estudantes de todas as idades tem descoberto e ampliado o prazer pela leitura e a escrita criativa."[10]

Muito utilizada por seu conteúdo pedagógico, as histórias da Turma do Xaxado divertem e educam, trazendo uma linguagem simples que contempla adultos e crianças, trabalhando temas áridos de maneira lúdica. Citada em alguns livros como apoio pedagógico aos professores contemplando diversos componentes curriculares a exemplo de Língua Portuguesa, História e Geografia.[11]


Em 2009, o autor foi convidado a participar do livro MSP 50, criado para homenagear os 50 anos do quadrinista Maurício de Sousa, Cedraz criou uma história onde o Cascão encontra com a Turma do Xaxado.[12][13]

A Turma do Xaxado teve duas revistas em quadrinhos por editoras paulistas: uma pela Editora Escala e outra pela HQM Editora.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

1000 Tiras em Quadrinhos, Editora Cedraz, 2009
A Lamparina Mágica, Coleção Outras Histórias, Editora Cedraz, 2007
Crie a História, Editora Cedraz, 2011
Histórias do Saci, Editora Cedraz, 2004
Imaginação e Outras Histórias, Editora Cedraz, 2007
Jacobina: a cidade do ouro, Editora Cedraz, s/d
Mama África, Editora Cedraz, 2006
Resistência e Coragem: A história de Zumbi dos Palmares, Editora Cedraz, 2009
Vamos Rezar, Editora Paulinas, 2006
Xaxado: Ano 1, editora Cedraz, 2003
Xaxado: Ano 2, editora Cedraz, 2005
A Caixa do Pai Dorá, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006
A Vaca Preguiçosa, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006
O Cabrito Encantado, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006
O Dragão da Maldade, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006
O Presente Celestial, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006
Um Time do Outro Mundo, Coleção Histórias Fantásticas, Editora Cedraz, 2006

Com outros escritores[editar | editar código-fonte]

A Península de Itapagipe, com Cecy Ramos, Editora Cedraz, 2009
O Cravo Brigou com a Rosa, Antonio Carlos Barreto, ilustrações Antonio Cedraz, Editora Conhecimento, 2009
Atirei o Pau no Gato, Antonio Carlos Barreto, ilustrações Antonio Cedraz, Editora Conhecimento, 2010

Pai Francisco Entrou na Roda, Antonio Carlos Barreto, ilustrações Antonio Cedraz, Editora Conhecimento, 2010

Prêmios[editar | editar código-fonte]

1989 - Destaque no 2º Encontro Nacional de Histórias em Quadrinhos
2000 - Melhor Álbum Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix
2002 - Melhor Álbum Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix

2002 - Mestre do Quadrinho Nacional - Prêmio Ângelo Agostini
2003 - Melhor Revista em Quadrinhos Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix
2004 - Melhor Revista em Quadrinhos Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix
2006 - Melhor Álbum Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix

2007 - Melhor Álbum Infantil do Brasil - Troféu HQ Mix

Referências

  1. «Morre o quadrinista baiano Antônio Cedraz». A Tarde. UOL. Consultado em 12 de agosto de 2015 
  2. a b c d Naliato, Samir. «Faleceu Antônio Cedraz, criador da Turma do Xaxado». Unversohq.com. Consultado em 12 de agosto de 2015 
  3. Mazinho, "[1]", Blog Mania de GIbi, 12 de setembro de 2012
  4. Miolo portfólio 2015
  5. Cedraz e Barreto lançam cantigas em cordel
  6. Naliato, Samir (11 de novembro de 2015). «FIQ 2015 começa hoje, saiba o que vai rolar no evento». Universo HQ. Consultado em 25 de março de 2018 
  7. MORAIS, Uilson, cartunista e editor da revista TRT5
  8. «Setor Infantil da Biblioteca Pública do Estado destaca obras de Cedraz em maio». Biblioteca Central do Estado da Bahia. 5 de maio de 2016. Consultado em 25 de março de 2018 
  9. KLEINERT, André; GOIDA "Enciclopédia dos quadrinhos", p. 92, L&PM Editores, 2011
  10. ROCHA, Val, educadora, Licenciada em História/UFBA, Especialista em Potenciais da Imagem e comunicação Social/UFBA
  11. VERGUEIROS, Waldomiro; RAMOS, Paulo (org): Quadrinhos na educação Editora Contexto (2009).
  12. MSP 50
  13. Perfil Antônio Cedraz