Álvaro de Moya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Álvaro de Moya (São Paulo, 1930 - São Paulo,14 de agosto de 2017)[1] foi um jornalista, escritor, produtor, ilustrador e diretor de cinema e televisão.[2] É considerado por alguns como o maior especialista em histórias em quadrinhos do Brasil.[3]

Professor aposentado da Universidade de São Paulo, foi um dos organizadores da Primeira Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos (junto com Jayme Cortez, entre outros), em 1951, na cidade de São Paulo.[4] Além de ser a primeira exposição de quadrinhos da história do Brasil, foi de ineditismo também para o mundo.

Atuou por muito anos na televisão,onde desenhou os letreiros de inauguração da TV Tupi. Moya esteve na equipe de inauguração da TV Bandeirantes.Ele foi diretor da TV Excelsior onde criou conceitos e estruturas que revolucionaram a maneira de se fazer TV na época e que de certa forma persistem até hoje.[5] Representou o Brasil em vários congressos sobre quadrinhos no mundo, como em Roma, Buenos Aires, Nova York e em Lucca, um dos principais do mundo. Correspondente da revista Wittyworld, dos Estados Unidos, foi colaborador de enciclopédias editadas na França, Espanha, Itália e Estados Unidos. Escolhido pela Universidade La Sapienza, de Roma, foi o único representante da América Latina em evento realizado na Itália, visando discutir o centenário dos comics.

Fez também charges e ilustrações com temáticas nacionalistas. Na Editora Abril, fez capas para as revistas em quadrinhos Disney: O Pato Donald e Mickey. Produziu quadrinizações de A Marcha, de Afonso Schmidt, para a Editora Brasil América[6] Macbeth de William Shakespeare para a Editora Outubro e a biografia de Zumbi dos Palmares[7] para Editora La Selva.[8]

Em 1970, lançou o livro Shazam!, o livro não se resume apenas a fazer um pesquisa sobre a história dos HQs, mas conta com a colaboração de especialistas que debatem acerca da influência pedagógica e psicológica dos quadrinhos e a sua influência na cultura, tratando as HQs não somente como puro entretenimento, mas sim como um meio de comunicação que merece atenção por parte dos acadêmicos. Em 1976, traduziu e fez o prefácio para a edição brasileira de Para ler o Pato Donald de Ariel Dorfman e Armand Mattelart, publicada pela editora Paz e Terra.[9]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Shazam! (1970)
  • História da História em Quadrinhos (1993)
  • O Mundo de Walt Disney (1996)
  • Anos 50 – 50 Anos (2001)
  • Vapt Vupt (2002)[10]
  • Histórias em quadrinhos no Brasil (2003)
  • Gloria in excelsior (2004)[11]
  • O Tico-Tico 100 Anos - Centenário da Primeira Revista de Quadrinhos do Brasil, organizado por Waldomiro Vergueiro e Roberto Elísio dos Santos (2006).
  • A Reinvenção dos Quadrinhos (2012)[12]
  • Os Pioneiros no Estudo de Quadrinhos no Brasil, organizado por Waldomiro Vergueiro, Paulo Ramos e Nobu Chinen (2013)[13]
  • Sketchbook Custom (2016)[14]
  • Eisner / Moya – Memórias de Dois Grandes Nomes da Arte Sequencial (2017)[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]