Ativo circulante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ativo circulante, em contabilidade, é uma referência aos bens e direitos que podem ser convertidos em dinheiro em curto prazo.

Os ativos que podem ser considerados como circulantes incluem: dinheiro em caixa, conta movimento em banco, aplicações financeiras, contas a receber, estoques, despesas antecipadas, numerário em caixa, depósito bancário, mercadorias, matérias-primas e títulos.

De acordo com a Lei 6.404/76 (modificada pela Lei 11.941/2009), o Ativo no Balanço Patrimonial se constituirá dos seguintes grupos: Ativo Circulante e Ativo Não-Circulante.

O ativo circulante é aquele que irá se realizar até o final do exercício social seguinte ao do balanço que está sendo elaborado e é equivalente ao "capital em giro". O Capital de giro ou Capital Circulante Líquido é a diferença entre o Ativo Circulante e o Passivo Circulante, conforme estava estabelecido na terminologia da DOAR (Demonstração das origens e aplicações de recursos) na Lei 6.404/76 até 2007. A partir de 01.01.2008, a DOAR foi extinta, por força da Lei 11.638/2007, que modificou a Lei 6.404/76.

Em resumo, o ativo circulante é o termo usado na contabilidade, para mostrar os valores e os direitos que a entidade possui no curto prazo, sendo assim detalhados no Balanço Patrimonial:

  • Estoques
    • Exemplos: matéria-prima, produtos em elaboração, produtos acabados e mercadorias para revenda.
  • Dívidas de terceiros de curto prazo
    • Exemplos: dívidas de clientes, títulos a receber de clientes, dívidas de cobrança duvidosa de clientes, dívidas do estado e outros entes públicos.
  • Depósitos bancários e caixa
    • Exemplos: depósitos bancários, dinheiro em caixa.
  • Acréscimos e diferimentos
    • Exemplos: acréscimos de proveitos, custos diferidos.

Como o ativo circulante difere do ativo não circulante[editar | editar código-fonte]

O ativo circulante difere do ativo não circulante principalmente através do prazo estimado de conversão do bem que a empresa possui em valores monetários.[1]

Um bom exemplo para diferenciar ambas as categorias é o valor em estoque que a empresa possui, onde não é necessário um longo prazo para converter em valores monetários através das vendas, e um bem imobilizado que a empresa possui, como sua sede. Este, por sua vez, tende a demorar um período de tempo muito maior para ser comercializado ao seu valor estimado.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Ativo circulante: o que é e qual a diferença para o ativo não circulante?». Sistema Online de Gestão Empresarial | eGestor. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 24 de fevereiro de 2020