Batalha de Berna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Berna
Evento Copa de 1954 (Quartas de Final)
Data 27 de junho de 1954
Local Wankdorf Stadium, Suíça Berne
Árbitro Inglaterra Arthur Ellis
Público 40.000

A Batalha de Berna foi como ficou conhecida a partida de futebol Hungria 4 x 2 Brasil válida pelas quartas de finais da Copa do Mundo de 1954.[1]

Cenário Pré-Jogo[editar | editar código-fonte]

O cenário pré-jogo deixava claro que aquela seria uma partida história. O Brasil era o atual vice-campeão do mundo. E a Hungria era a grande seleção do momento. Enquanto se preparava para a Copa, venceu a Inglaterra em Wembley por 6 a 3. Nos dois jogos da primeira fase, aplicou duas goleadas históricas: 9 a 0 na Coréia do Sul e 8 a 3 na Alemanha Ocidental, com o time reserva.[2]

Além disso, segundo o Ranking Mundial Elo, esta foi uma das 10 partidas na história (atualizado até a Copa do Mundo de 2010) em que se reuniu, num ranking agregado, duas seleções mais bem rankeadas na história do Ranking

Rank Pontuação
Combinada
Seleção 1 Pontuação
Equipe 1
Seleção 2 Pontuação
Equipe 2
Placar Data Evento Local
1 4211 Países Baixos Holanda 2100 Espanha Espanha 2111 0 : 1 11-07-2010 Final da Copa do Mundo de 2010 África do Sul Johannesburg
2 4161 Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 1995 Hungria Hungria 2166 3 : 2 04-07-1954 Final da Copa do Mundo FIFA de 1954 Suíça Bern
3 4157 Países Baixos Holanda 2050 Brasil Brasil 2107 2 : 1 02-07-2010 Quartas de Final da Copa do Mundo de 2010 África do Sul Cape Town
4 4148 Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 2068 Brasil Brasil 2080 0 : 1 16-06-1973 Amistoso Alemanha Ocidental Berlin
5 4129 Espanha Espanha 2085 Alemanha Alemanha 2044 1 : 0 07-07-2010 Semi-Final da Copa do Mundo de 2010 África do Sul Durban
6 4119 Brasil Brasil 2050 Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 2069 1 : 0 21-03-1982 Amistoso Brasil Rio de Janeiro
7 4118 Hungria Hungria 2108 Brasil Brasil 2010 4 : 2 27-06-1954 Quartas de Final da Copa do Mundo de 1954 Suíça Bern
8 4116 Hungria Hungria 2141 Uruguai Uruguai 1975 4 : 2 30-06-1954 Semifinais da Copa do Mundo de 1954 Suíça Lausanne
9 4113 Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 2079 Países Baixos Holanda 2034 2 : 1 07-07-1974 Final da Copa do Mundo de 1974 Alemanha Ocidental Munich
10 4108 Brasil Brasil 1715 Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 1993 1 : 1 12-06-1977 Amistoso Brasil Rio de Janeiro

A Partida[editar | editar código-fonte]

Antes do início da partida, o vestiário do Brasil foi invadido por dirigentes dispostos a estimular o time a um milagre com exortações patrioticas. João Lira Filho fez um discurso exaltado, obrigou os jogadores a beijarem a bandeira e, aos prantos, declarou que naquele jogo contra os húngaros os canarinhos deveriam se empenhar para vingar os mortos de Pistóia - cemitério italiano onde foram enterrados os pracinhas que morreram na guerra. Segundo o testemunho de Nilton Santos, o time brasileiro já entrou em campo com os nervos em frangalhos.

A partida iniciou com uma chuva torrencial, e logo aos sete minutos de jogo, os húngaros já ganhavam por 2 x 0, gols de Hidegkuti e Kocsis. Djalma Santos descontou, de pênalti, ainda no primeiro tempo. No segundo, Lantos, também de pênalti fez 3 x 1. O Brasil não se abateu, e Julinho Botelho (O melhor do Brasil naquela copa) diminuiu para 3 x 2, depois de uma grande jogada pela direita. O Brasil mandou ainda duas bolas na trave. O árbitro inglês Arthur Ellis expulsou Nílton Santos e Bozsik aos 26 minutos da segunda etapa, depois dos dois trocarem socos. Aos 43 da etapa final, Kocsis, novamente, fez o 4o gol húngaro, dando números finais a partida. Um minuto após o gol húngaro, o centroavante brasileiro Humberto Tozzi, deixou a bola de lado para chutar Gyula Lóránt, e também foi expulso.

Detalhes[editar | editar código-fonte]

27 de Junho 1954 Hungria Hungria 4–2 Brasil Brasil Wankdorf Stadium, Berne
17:00 CET
Hidegkuti Gol marcado aos 4 minutos de jogo 4'
Kocsis Gol marcado aos 7 minutos de jogo 7'
Lantos Gol marcado aos 60 minutos de jogo 60' (pen.)
Kocsis Gol marcado aos 88 minutos de jogo 88'
Relatório Santos Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18' (pen.)
Julinho Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65'
Público: 60,000
Árbitro: Arthur Ellis (England)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Hungria
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil
GK 1 Gyula Grosics
DF 2 Jenő Buzánszky
MF 3 Gyula Lóránt
DF 4 Mihály Lantos
DF 5 József Bozsik Capitão Expulso a 71 minutos 71'
MF 6 József Zakariás
FW 7 József Tóth
FW 8 Sándor Kocsis
FW 9 Nándor Hidegkuti
FW 11 Zoltán Czibor
FW 20 Mihály Tóth
Técnico:
Hungria Gusztáv Sebes
GK 1 Castilho
DF 2 Djalma Santos
DF 3 Nílton Santos Expulso a 71 minutos 71'
DF 4 Brandãozinho
MF 5 Pinheiro
MF 6 Bauer Capitão
FW 7 Júlio Botelho
FW 8 Didi
FW 9 Baltazar
FW 17 Maurinho
FW 18 Humberto Expulso a 79 minutos 79'
Técnico:
Brasil Zezé Moreira

Árbitros Assistentes:
Inglaterra William Ling
Suíça Raymon Wyssling

Pós-Jogo[editar | editar código-fonte]

Mal o árbitro Arthur Ellis apitou o final da partida e a pancadaria começou. Todos os 22 jogadores se envolveram na briga. A polícia tentou apartar a briga, mas jornalistas e dirigentes acabaram se envolvendo também.

Cquote1.svg "A confusão aconteceu por conta de um mal entendido. As entradas pros dois vestiários ficavam uma do lado da outra. Os dois times estavam deixando o campo após o jogo e o Newton Paes, médico do Brasil, pegou uma garrafa de água. Naquele tempo era garrafa de vidro, não de plástico, como as de hoje. Aí ele pegou a garrafa e jogou no Puskas. Só que ele errou e acertou o (zagueiro) Pinheiro. Pegou na testa dele e, quando o Pinheiro se virou para ver quem havia arremessado, alguém gritou: "foi o Puskas!". Aí começou a confusão."[2] Cquote2.svg

O radialista Mário Vianna inflou os animos dos torcedores brasileiros ao gritar nos microfones impropérios contra o árbitro inglês. A população brasileira, insuflada pelas declarações de Mário Vianna no rádio, resolveu agir. No Rio de Janeiro, então capital federal, várias pessoas partiram para a vingança e depredaram a embaixada da Suécia.[3]

Referências

  1. pt.fifa.com/ Futebol Clássico: A Batalha de Berna
  2. a b esporte.uol.com.br/ Para Djalma Santos, a seleção tinha atletas, mas não dirigentes
  3. futebolecialtda.com.br/ Túnel do Tempo - A inacreditável Batalha de Berna