Final da Copa América de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Final da Copa América de 2019
2019 Final da Copa América 2019 - 48225535526.jpg
Estádio do Maracanã durante a partida final.
Evento Copa América de 2019
Relatório
Data 7 de julho de 2019
Local Maracanã, Rio de Janeiro,
 Brasil
Melhor em campo BrasilBRA Everton[1]
Árbitro ChileCHL Roberto Tobar
Público 69 981 (total)[2]
58 579 (pagantes)[2]

A final da Copa América de 2019 foi uma partida de futebol realizada em 7 de julho de 2019 no Estádio do Maracanã no Rio de Janeiro, Brasil. Ela foi disputada entre o anfitrião Brasil e o Peru para decidirem o vencedor da Copa América de 2019, com os brasileiros saindo-se vitoriosos. Foi a décima segunda aparição brasileira em finais de Copa América, tendo disputado anteriormente em 2007, quando venceu a Argentina, enquanto o Peru participou pela segunda vez, após seu título em 1975, derrotando a Colômbia. Vale salientar que em diversas oportunidades a fase final da Copa America foi definida em sistema de pontos corridos, não havendo final. O Brasil conquistou seu nono título, vencendo novamente após sua última conquista na edição de 2007, disputada na Venezuela.

As duas seleções foram sorteadas para o mesmo grupo na competição, o Grupo A, enfrentando-se na terceira rodada, onde o Brasil venceu por 5–0, classificando-se na primeira colocação, enquanto o Peru classificou-se como melhor terceiro colocado. Brasil enfrentou e derrotou as seleções do Paraguai e da Argentina na fase eliminatória para chegar a final, enquanto o Peru passou pelas seleções do Uruguai e Chile.

A partida iniciou bastante equilibrada, com várias chances de gols para os dois lados. Contudo, logo aos quatorze minutos, Gabriel Jesus cruza a bola na área e Everton abre o placar para o Brasil, assumindo a artilharia da competição e largando em vantagem logo no início do jogo. Aos quarenta minutos, durante jogada do Peru na área brasileira, a bola bate no braço de Thiago Silva e o árbitro chileno Roberto Tobar marca o pênalti para os peruanos, confirmado após verificação com o árbitro de vídeo e convertido por Paolo Guerrero aos 43 minutos, que também assumiu a artilharia da competição ao lado de Everton. Porém, apenas quatro minutos depois, Arthur arma a jogada pelo meio e passa a bola para Gabriel Jesus, que coloca novamente o Brasil em vantagem no jogo. Já no segundo tempo, aos 69 minutos, Gabriel Jesus comete falta em Carlos Zambrano, leva seu segundo cartão amarelo, e é expulso da partida. No final, aos 86 minutos, Everton invade a área peruana e é derrubado por Carlos Zambrano, sendo assinalada a penalidade máxima pelo árbitro, novamente confirmada pelo árbitro de vídeo e convertida por Richarlison aos 89 minutos, fechando o placar em 3–1 e decretando o eneacampeonato da Copa América para o Brasil.[3]

A vitória brasileira fechou um ciclo de seis anos sem títulos internacionais, após a Copa das Confederações FIFA de 2013, e marcou o ápice de uma reestruturação realizada na seleção, após o vexame da Copa do Mundo FIFA de 2014, quando foi eliminada para a Alemanha nas semifinais pelo placar de 7–1, em uma partida conhecida como "Mineiraço". Marcou também o primeiro título do treinador Tite em três anos a frente da seleção brasileira. Este foi também o sétimo título do Brasil no Estádio do Maracanã, sendo também o estádio que acumula maior número de partidas da seleção. Além disso, a partida representou a maior arrecadação da história do futebol brasileiro, onde 58 504 torcedores pagantes contribuíram para mais de 38 milhões de reais arrecadados, com um público total de 69 906 espectadores.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Brasil-Peru em futebol

Foi a trigésima sexta participação da Seleção Brasileira de Futebol na Copa América, tendo conquistado o título em oito oportunidades (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007), sendo a terceira equipe com mais títulos. Em todas as quatro edições anteriores que o país sediou, a equipe sagrou-se campeã da competição.[5] Esta edição, inclusive, marcou a quarta grande competição desportiva internacional que o país sediou na década de 2010, tendo sediado também a Copa das Confederações FIFA em 2013, a Copa do Mundo FIFA em 2014 e os Jogos Olímpicos de Verão em 2016.[6]

Já a Seleção Peruana de Futebol participou pela trigésima segunda vez da Copa América, tendo conquistado o título em duas oportunidades (1939 e 1975). O Peru passou da fase de grupos em cada uma das últimas oito participações na Copa América; a última vez que não conseguiu foi em 1995.[7]

Sem contar o confronto da primeira fase, as seleções do Brasil e do Peru enfrentaram-se 43 vezes, sendo duas partidas válidas pela Copa do Mundo FIFA, onze pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA, treze partidas amistosas e dezessete pela Copa América. O Brasil venceu trinta partidas, marcando noventa gols ao total, enquanto o Peru venceu quatro partidas, marcando 29 gols ao total, tendo nove partidas empatadas. A maior diferença de gols em partidas vitoriosas do Brasil ocorreu no dia 26 de junho de 1997 pelo placar de 7–0, válida pela Copa América de 1997. Já para o Peru, a vitória com maior diferença de gols ocorreu no dia 30 de setembro de 1975, pelo placar de 3–1, válida pela Copa América de 1975.[8]

Caminho até a final[editar | editar código-fonte]

Brasil e Peru foram sorteados para o mesmo grupo da competição, o Grupo A. O Brasil, na partida de abertura em São Paulo, venceu a Bolívia pelo placar de 3–0, com dois gols de Philippe Coutinho e um gol de Everton.[9] Na segunda partida, em Salvador, empatou com a Venezuela pelo placar de 0–0.[10] A seleção do Peru iniciou a competição enfrentando a Venezuela, onde também empatou pelo placar de 0–0.[11] Já na segunda partida, também venceu a Bolívia pelo placar de 3–1, tendo os gols marcados por Paolo Guerrero, Jefferson Farfán e Edison Flores.[12]

As seleções de Brasil e Peru enfrentaram-se na terceira rodada do grupo A, em partida disputada na Arena Corinthians em São Paulo. O Brasil largou em vantagem logo aos onze minutos, com gol de Casemiro, ampliando o placar sete minutos depois com Roberto Firmino. O terceiro gol veio aos 31 minutos, com Everton. No segundo tempo, apesar das alterações que pretendiam deixar a seleção peruana mais ofensiva, logo aos 53 minutos Daniel Alves ampliou o placar e, aos noventa minutos, Willian fechou o placar em 5–0.[13] A goleada, que foi a maior desta edição até esta final, fez com que o Brasil se classificasse na primeira colocação do grupo, e o Peru ganhou a vaga de melhor terceiro colocado, já que a Venezuela vencera a Bolívia pelo placar de 3–1 e ficou com a segunda colocação. Após a derrota, a seleção peruana passou por diversas modificações para a disputa da fase final.[14]

Na fase final, o Brasil enfrentou nas quartas de final o Paraguai, que classificou-se como segundo melhor terceiro colocado pelo grupo B, na Arena do Grêmio em Porto Alegre. A partida, muito equilibrada para os dois lados, terminou empatada pelo placar de 0–0, sendo vencida pelo Brasil nos pênaltis pelo placar de 4–3, tendo os jogadores paraguaios Gustavo Gómez e Derlis González desperdiçado suas cobranças.[15] Na semifinal, enfrentou sua maior rival, a Argentina no Estádio Mineirão em Belo Horizonte, vencendo com facilidade pelo placar de 2–0, com gols de Gabriel Jesus e Roberto Firmino, e classificando-se para a final.[16] Já o Peru enfrentou o Uruguai nas quartas de final, que foi o primeiro colocado do grupo C, na Arena Fonte Nova em Salvador. A partida também terminou empatada pelo placar de 0–0, sendo vencida nos pênaltis pela seleção peruana no placar de 5–4, tendo apenas o jogador uruguaio Luis Alberto Suárez errado a primeira cobrança.[17] Nas semifinais, enfrentou o Chile na Arena do Grêmio em Porto Alegre, vencendo também com facilidade pelo placar de 3–0, com gols de Edison Flores, Yoshimar Yotún e Paolo Guerrero, classificando-se também para a final.[18]

Brasil Brasil Rodada Flag of Peru.svg Peru
Oponente Resultado Fase de grupos Oponente Resultado
Flag of Bolivia.svg Bolívia 3–0 Jogo 1 Flag of Venezuela.svg Venezuela 0–0
Flag of Venezuela.svg Venezuela 0–0 Jogo 2 Flag of Bolivia.svg Bolívia 3–1
Flag of Peru.svg Peru 5–0 Jogo 3 Brasil Brasil 0–5
Vencedor do Grupo A
Pos. Seleção Pts J V E D GP GC SG
1 Brasil Brasil 7 3 2 1 0 8 0 +8
2 Flag of Venezuela.svg Venezuela 5 3 1 2 0 3 1 +2
3 Flag of Peru.svg Peru 4 3 1 1 1 3 6 –3
4 Flag of Bolivia.svg Bolívia 0 3 0 0 3 2 9 –7
Classificação do grupo Melhor terceiro colocado
Pos. Seleção Pts J V E D GP GC SG
1 Brasil Brasil 7 3 2 1 0 8 0 +8
2 Flag of Venezuela.svg Venezuela 5 3 1 2 0 3 1 +2
3 Flag of Peru.svg Peru 4 3 1 1 1 3 6 –3
4 Flag of Bolivia.svg Bolívia 0 3 0 0 3 2 9 –7
Oponente Resultado Fase final Oponente Resultado
Flag of Paraguay.svg Paraguai 0–0 (4–3 pen.) Quartas de final Flag of Uruguay.svg Uruguai 0–0 (5–4 pen.)
Flag of Argentina.svg Argentina 2–0 Semifinal Flag of Chile.svg Chile 3–0

Partida[editar | editar código-fonte]

A final da Copa América de 2019 entre Brasil e Peru foi realizada às 17hs de domingo, 7 de julho de 2019, no Estádio do Maracanã no Rio de Janeiro. O público presente foi de 69.906 ao total, sendo 58 504 torcedores pagantes. A arrecadação foi a maior da história do futebol brasileiro, chegando a cerca de 38 milhões de reais.[4] Na tribuna estavam o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, acompanhado de seu ministro da justiça Sérgio Moro, o presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) Alejandro Domínguez e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Rogério Caboclo, além do jogador Neymar Jr. e do ex-jogador Cafú.[19][20] O árbitro da partida foi Roberto Tobar do Chile, que teve os também chilenos Christian Schiemann e Claudio Rios como auxiliares e Alexis Herrera da Venezuela como quarto árbitro.[21] O árbitro de vídeo (VAR) foi comandado por Julio Bascuñán também do Chile, sendo assessorado por Nicolas Gallo e Alexander Guzman, ambos da Colômbia.[21] Tanto Brasil como Peru entraram em campo com o mesmo time que tinham enfrentado a Argentina e o Chile, respectivamente, na semifinal. O uniforme usado pela seleção brasileira foi sua tradicional camisa amarela com detalhes em verde na gola e mangas, calções e meias azuis, enquanto os peruanos jogaram com seu uniforme todo branco com detalhes em vermelho. O cara ou coroa inicial foi vencido pelo Peru, ficou com a saída de bola. Antes do início, foi respeitado um minuto de silêncio em memória ao cantor João Gilberto, que faleceu alguns dias antes da final.[22]

Primeiro tempo[editar | editar código-fonte]

O Peru já iniciou a partida de maneira ofensiva, fazendo suas duas primeiras finalizações ao gol nos cinco minutos iniciais, contudo a posse de bola neste momento chegava a 65% para o Brasil. Na primeira finalização da seleção brasileira, aos quatorze minutos, Daniel Alves lança Gabriel Jesus na direita, que cruza para Everton, que estava livre na esquerda, finalizar e abrir o placar na final. Neste momento, Everton assumiu a liderança isolada da artilharia da competição.[23] A partir daí, as equipes passaram a trocar passes e ficaram na defensiva, com poucas chances reais de gol. Aos 23 minutos, Roberto Firmino recebe na esquerda de Alex Sandro, faz o toque para Philippe Coutinho no meio da área, que finaliza mas a bola sai rente à trave. Logo em seguida, aos 26 minutos, após escanteio para o Peru cobrado por Yoshimar Yotún, Paolo Guerrero cabeceia mas a bola sai por cima da meta brasileira. Aos 29 minutos, depois de uma falta em cima de Yotún, Jesus é penalizado com um cartão amarelo. Aos 35 minutos, Casemiro abre com Alex Sandro, que cruza para Firmino cabecear, mas a bola sai por cima do gol peruano. Aos 40 minutos, Christian Cueva tabela com Edison Flores na esquerda, que tenta fazer o cruzamento para a área, porém a bola bate no braço de Thiago Silva, sendo marcado o pênalti para o Peru pelo árbitro chileno Roberto Tobar, que confirmou após consultar o árbitro assistente de vídeo (VAR). Guerrero cobra no canto esquerdo do goleiro Alisson, convertendo o pênalti e empatando a partida. Neste momento, Guerrero empata na artilharia da Copa América com o brasileiro Everton, com três gols marcados cada, e o Brasil sofre seu primeiro gol na competição.[24] Logo após, já nos acréscimos aos 45+2 minutos, Firmino rouba a bola no lado direito, Arthur fica com a bola, aciona Jesus na meia-lua da área, que domina e chuta no canto direito da meta peruana, para ampliar o placar e colocar novamente o Brasil em vantagem.[25] Logo após o gol, aos 45+3 minutos, o árbitro Roberto Tobar encerra o primeiro tempo, com o placar parcial de 2–1 para o Brasil.[3]

Detalhes[editar | editar código-fonte]

7 de julho Brasil Brasil 3 – 1 Flag of Peru.svg Peru Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro
17:00 (UTC-3)
Everton Gol marcado aos 14 minutos de jogo 14'
Gabriel Jesus Gol marcado aos 45+2 minutos de jogo 45+2'
Richarlison Gol marcado aos 89 minutos de jogo 89' (pen)
Relatório Gol marcado aos 43 minutos de jogo 43' (pen) Guerrero Público: 58 579[2]
Renda: R$ 38.766.900,00[2]
Árbitro: ChileCHI Roberto Tobar[21]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Peru
G 1 Alisson
LD 13 Daniel Alves Capitão
Z 4 Marquinhos
Z 2 Thiago Silva Penalizado com cartão amarelo após 52 minutos 52'
LE 12 Alex Sandro
V 5 Casemiro
V 8 Arthur
M 11 Philippe Coutinho Substituído após 76 minutos de jogo 76'
M 9 Gabriel Jesus Penalizado a 29 minutosPenalizado a 69 minutosExpulso a 69 minutos 29', 69'
M 19 Everton Substituído após 90+2 minutos de jogo 90+2'
A 20 Roberto Firmino Substituído após 74 minutos de jogo 74'
Substituições:
A 21 Richarlison Penalizado com cartão amarelo após 91 minutos 91' Entrou em campo após 74 minutos 74'
M 14 Éder Militão Entrou em campo após 76 minutos 76'
M 15 Allan Entrou em campo após 90+2 minutos 90+2'
Treinador:
Brasil Tite
BRA-PER 2019-07-07.svg
G 1 Pedro Gallese
LD 17 Luis Advíncula Penalizado com cartão amarelo após 83 minutos 83'
Z 15 Carlos Zambrano Penalizado com cartão amarelo após 67 minutos 67'
Z 2 Luis Abram
LE 6 Miguel Trauco
V 13 Renato Tapia Penalizado com cartão amarelo após 49 minutos 49' Substituído após 81 minutos de jogo 81'
V 19 Yoshimar Yotún Substituído após 77 minutos de jogo 77'
M 18 André Carrillo Substituído após 85 minutos de jogo 85'
M 8 Christian Cueva
M 20 Edison Flores
A 9 Paolo Guerrero Capitão
Substituições:
A 11 Raúl Ruidíaz Entrou em campo após 77 minutos 77'
A 23 Christofer Gonzáles Entrou em campo após 81 minutos 81'
A 14 Andy Polo Entrou em campo após 85 minutos 85'
Treinador:
Argentina Ricardo Gareca

Homem do jogo:
Brasil Everton[1]

Assistentes:[21]
ChileCHI Christian Schiemann
ChileCHI Claudio Rios
Quarto árbitro:[21]
VenezuelaVEN Alexis Herrera
Árbitro assistente de vídeo:[21]
ChileCHI Julio Bascuñán
Assistentes do árbitro assistente de vídeo:[21]
ColômbiaCOL Nicolas Gallo
ColômbiaCOL Alexander Guzman

Regras da partida[26]

  • 90 minutos de tempo regulamentar
  • 30 minutos de prorrogação, se ocorrer empate no tempo regulamentar
  • Disputa por pênaltis, se empate persistir
  • Máximo de 3 substituições por equipe
  • 1 substituição adicional em caso de prorrogação
Estatísticas[27]
Brasil Brasil Peru Peru
55% Posse de bola 45%
12 Finalizações 7
3 Chutes no gol 2
3 Escanteios 4
25 Faltas cometidas 22
0 Impedimentos 0
4 Cartões amarelos 3
1 Cartões vermelhos 0

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Final da Copa América de 2019

Referências

  1. a b «Brahma Man of the Match». Copa America 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  2. a b c d «Borderô - Brasil x Peru» (PDF). Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). 7 de julho de 2019. Consultado em 21 de julho de 2019 
  3. a b «É campeão! Com um a menos no 2º tempo, Brasil vence Peru e conquista sua nona Copa América; assista ao pós-jogo». Globo Esporte. Consultado em 7 de julho de 2019 
  4. a b «Final entre Brasil e Peru tem maior renda divulgada na história do futebol do país: R$ 38 milhões». Globo Esporte. 7 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 
  5. «Lista GE: 12 histórias memoráveis do Brasil na Copa América». Globo Esporte. Consultado em 6 de julho de 2019 
  6. «Legado da Copa e da Olimpíada - Balanço dos impactos desses megaeventos no Brasil - Bloco 1». Portal da Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 6 de julho de 2019 
  7. «Equipes: Peru». Copa America. Consultado em 6 de julho de 2019 
  8. «Raio-X: Peru x Brasil». OGol. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  9. «Relatório oficial: Brasil - Bolívia». CONMEBOL. 14 de junho de 2019. Consultado em 14 de junho de 2019 
  10. «Relatório oficial: Brasil - Venezuela». CONMEBOL. 19 de junho de 2019. Consultado em 19 de junho de 2019 
  11. «Relatório oficial: Venezuela - Peru». CONMEBOL. 15 de junho de 2019. Consultado em 15 de junho de 2019 
  12. «Relatório oficial: Bolívia - Peru». CONMEBOL. 19 de junho de 2019. Consultado em 19 de junho de 2019 
  13. «Relatório oficial: Peru - Brasil». CONMEBOL. 22 de junho de 2019. Consultado em 22 de junho de 2019 
  14. «Brasil x Peru: com grande atuação seleção goleia e garante liderança». O Tempo. 22 de junho de 2019. Consultado em 6 de julho de 2019 
  15. «Relatório oficial: Brasil - Paraguai». CONMEBOL. 22 de junho de 2019. Consultado em 22 de junho de 2019 
  16. «Relatório oficial: Brasil - Argentina». CONMEBOL. 22 de junho de 2019. Consultado em 22 de junho de 2019 
  17. «Relatório oficial: Uruguai - Peru». CONMEBOL. 22 de junho de 2019. Consultado em 22 de junho de 2019 
  18. «Relatório oficial: Chile - Peru». CONMEBOL. 22 de junho de 2019. Consultado em 22 de junho de 2019 
  19. «Bolsonaro foi vaiado e caiu durante final da Copa América». Brasil 247. 7 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 
  20. «Neymar vai ao Maracanã torcer pelo Brasil na final da Copa América». O Tempo. 7 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 
  21. a b c d e f g «Árbitro que se machucou em aula de VAR vai apitar a final da Copa América». VEJA. 5 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 
  22. «João Gilberto será homenageado com um minuto de silêncio na Copa América». Universo Online (UOL). Consultado em 24 de julho de 2019 
  23. «Craque do jogo, Everton brilha em sua primeira final com a Seleção». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 7 de julho de 2019. Consultado em 24 de julho de 2019 
  24. «Herói solitário, Guerrero fecha Copa América fazendo história, mas não esconde frustração por vice». Globo Esporte. 7 de julho de 2019. Consultado em 24 de julho de 2019 
  25. «Jesus brilha e é expulso no dia em que Brasil conquista Copa América pela 9ª vez e volta a ser campeão após 6 anos». ESPN. 7 de julho de 2019. Consultado em 24 de julho de 2019 
  26. «Reglamento - Conmebol Copa América Brasil 2019» (PDF). Confederação Sul-Americana de Futebol. 21 de dezembro de 2018. Consultado em 7 de julho de 2019 
  27. «Relatório oficial: Brasil – Peru (final)». Confederação Sul-Americana de Futebol. 7 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]