Saltar para o conteúdo

Campeonato Sul-Americano de Futebol de 1957

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
XXV Campeonato Sul-Americano
Peru 1957
Dados
Participantes 7
Organização CONMEBOL
Anfitrião Peru
Período 7 de março6 de abril
Gol(o)s 101
Partidas 21
Média 4,81 gol(o)s por partida
Campeão Argentina (11º título)
Vice-campeão Brasil
Melhor marcador 9 gols:
Melhor ataque (fase inicial) Argentina – 25 gols
Melhor defesa (fase inicial) Argentina – 6 gols
Maior goleada
(diferença)
Brasil 9 – 0 Colômbia
Estádio NacionalLima
24 de março
◄◄ Uruguai 1956 1959 Argentina ►►

O Campeonato Sul-Americano de Futebol de 1957, foi a 25ª edição da competição entre seleções da América do Sul. Foi realizada em Lima no Peru entre os dias 7 de março e 6 de abril de 1957.

Participaram da disputa sete seleções: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai. As seleções jogaram entre si em turno único.

A Argentina foi campeão com o ataque apelidado de "Los Carasucias". O nome se devia ao filme Angels with Dirty Faces, popular na Argentina na época, que narrava a história de jovens impulsivos e rebeldes. O jovem trio de ataque argentino marcou 20 dos 25 gols da seleção no sul americano. [1] As atuações chamaram a atenção do futebol italiano. Antonio Angelillo foi transferido para a Internazionale, Humberto Maschio ao Bologna e Omar Sívori a Juventus. O tridente não voltaria mais a defender a Argentina. A ausência do tridente foi especialmente lamentada pela imprensa argentina na Copa do Mundo FIFA de 1958.[2]

Na Brasil, a competição marcou a despedida de Zizinho e Evaristo de Macedo. O Brasil ainda não contava com Pelé, mas apresentou a base da equipe que conquistaria a Copa do Mundo FIFA de 1958 no ano seguinte.[3]

Organização[editar | editar código-fonte]

A Seleção da Argentina, vencedora do Campeonato Sul-Americano de 1957

Sede[editar | editar código-fonte]

Lima
Estadio Nacional
Capacidade: 45 000

Árbitros[editar | editar código-fonte]

  • Áustria Erwin Hieger;
  • Inglaterra Robert Turner;
  • Inglaterra Ronald Lynch;
  • Inglaterra Bertley Cross;
  • Itália Pedro Di Leo;
  • Inglaterra Harry Davis.

Seleções Participantes[editar | editar código-fonte]


Tabela[4][editar | editar código-fonte]

O jogo do título[5][editar | editar código-fonte]

3 de abril Argentina Argentina 3 – 0 Brasil Brasil Estádio Nacional do Peru, Lima

Angelillo Gol marcado aos 23 minutos de jogo 23'
Maschio Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87'
Cruz Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Relatório Público: 49 503
Renda: Cr$4.066.604,00
Árbitro: Inglaterra Robert Turner

Argentina: Domínguez; Delacha e Vairo; Giménez, Néstor Rossi e Schadlein; Corbatta, Maschio, Angelillo, Sivori e Cruz. Técnico: Guillermo Stábile

Brasil: Gilmar (Castilho); Djalma Santos, Édson e Olavo; Zózimo e Roberto; Joel, Evaristo (Índio), Zizinho (Dino), Didi e Pepe. Técnico: Osvaldo Brandão

Classificação final[editar | editar código-fonte]

Pos Seleção Pts J V E D GP GC SG
Argentina Argentina 10 6 5 0 1 25 6 19
Brasil Brasil 8 6 4 0 2 23 9 14
Uruguai Uruguai 8 6 4 0 2 15 12 3
Peru Peru 8 6 4 0 2 12 9 3
Colômbia Colômbia 4 6 2 0 4 10 25 -15
Chile Chile 3 6 1 1 4 9 17 -8
Equador Equador 1 6 0 1 5 7 23 -16


Campeonato Sul-Americano de 1957

Argentina
Campeão
(11º título)


Goleadores[editar | editar código-fonte]

Jogador Seleção Gols
Humberto Maschio ArgentinaARG 9
Javier Ambrois UruguaiURU 9
Evaristo de Macedo BRA 9
Antonio Angelillo ArgentinaARG 8
Didí BrasilBRA 8
Alberto Terry PeruPER 5

Melhor jogador do torneio[editar | editar código-fonte]

Seleção do Campeonato[editar | editar código-fonte]

A Seleção desta edição da Copa América foi feita por votação dos treinadores organizada pela Manchete Esportiva. O argentino Néstor Rossi e o brasileiro Djalma Santos foram os unicos jogadores eleitos de forma unanime. [7]

Goleiro/Guarda-Redes Defensores/Defesas Meias/Médios Atacantes/Avançados

Campanha do Brasil[editar | editar código-fonte]

O Brasil, dirigido por Osvaldo Brandão, estreou com vitória sobre o Chile. 4 a 2. Sanchez bate falta e Ramirez cabeceia. 0 a 1. Zizinho para Didi. 1 a 1. Novamente Zizinho para Didi. 2 a 1. Zózimo entrega a Didi, que da meia lua da área, chuta e marca. 3 a 1. Pepe tabela com Evaristo e chuta às redes. 4 a 1. Sanchez cobra falta e agora é Fernandez quem cabeceia. 4 a 2. [8] Brasil 7 a 1 no Equador. Passe de Roberto para Evaristo. 1 a 0. Evaristo arranca, bate o marcador entrega a Pepe. 2 a 0. Zizinho de falta. 3 a 0. Larraz de falta diminui. 3 a 1. Chute de Pepe, o goleiro dá rebote e Joel marca. 4 a 1. Pepe cruza e Joel fuzila. 5 a 1. Joel cruza e índio de cabeça. 6 a 1. Joel cruza e Evaristo marca mais um. 7 a 1. [9]

Na rodada seguinte, o Brasil aplica 9 a 0 na Colômbia. Joel para Pepe. 1 a 0. Didi entrega a Evaristo, de costas para o gol, gira e marca. 2 a 0. Roberto chuta e Evaristo desvia. 3 a 0. Pepe chuta e Evaristo desvia. 4 a 0. Pepe chuta, o goleiro espalma, e Didi finaliza de letra. 5 a 0. Zizinho passa por três e dá de presente a Didi. 6 a 0. Passe de Zizinho para Evaristo. 7 a 0. Claudio para Zizinho. 8 a 0. Cruzamento de Nilton Santos para Evaristo. 9 a 0. [10]

Derrota para o Uruguai. 3 a 2. O Uruguai abriu 3 a0 com Campero duas vezes e Ambrois. Didi para Evaristo. 3 a 1. Evaristo para Didi. 3 a 2. [11] O Brasil derrotou o Peru. 1 a 0. Didi de penalti sofrido por Pepe aos 27 minutos do segundo tempo. Após o gol, o jogo fica interrompido 15 minutos por protestos dos peruanos e o juiz dá por encerrada a partida. [12] Algumas semanas depois do sul-americano, Brasil e Peru disputariam uma vaga para a Copa do Mundo de 1958, e os protestos dos peruanos nesse jogo ajudariam a criar um clima tenso para a decisão das eliminatórias.

Na última partida, o Brasil foi derrotado por 3 a 0 pela Argentina. Sivori atira, a bola desvia em Djalma Santos e sobra limpa para Maschio. 1 a 0. Passe de Angelito para Maschio. 2 a 0. Angelitto chuta na trave e Cruz no rebote marca. [13]

Artilharia[editar | editar código-fonte]