Brasão de Porto Alegre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Brasão de Porto Alegre

O Brasão de Porto Alegre foi desenhado por Francisco Bellanca e criado pela Lei n° 1030, de 22 de janeiro de 1953, na gestão do prefeito Ildo Meneghetti, que mandou confeccionar o brasão através da Lei nº 1947 do mesmo ano.

Significado dos símbolos[editar | editar código-fonte]

A cruz de Cristo recorda a origem cristã e portuguesa do povo e foi usada na época dos descobrimentos. Era muito comum na época uma alusão ao catolicismo predominante na região.

O Portão Colonial, que era o marco da entrada da cidade, foi construído em 1773, quando José Marcelino de Figueiredo, da Capitania de São Pedro. A intenção era mostrar que a cidade estava de porta aberta a todos.

A vida da cidade passou a acontecer a partir do Largo do Portão; em suas imediações construiu-se a Santa Casa de Misericórdia; e a Praça do Portão passou a denominar-se, em 1873, Praça General Marques e, em 1912, Conde de Porto Alegre. O Portão Colonial também relembra a instalação do Clero, do Senado, da Câmara e da Justiça.

A Caravela recorda a Nau da Nossa Senhora da Alminha, que, segundo a tradição, trouxe à região do então Porto dos Dornelles ou de Viamão os casais de açorianos que inauguram, em 1751, o povoamento oficial do lugar, hoje Porto Alegre.

A Coroa Mural de Ouro, de cinco torres, significa "cidade grande", "cidade cabeça", capital. Na família, o homem é o cabeça do lar; segundo a Bíblia, o homem é a "cabeça" do casal e a mulher é o "coração". Assim, também, em um Estado, a capital é a "cidade cabeça".

O Listel de Gole, carregado das letras em prata, recorda o heroísmo do povo nas lutas políticas e sociais.

A frase "Leal e Valorosa Cidade de Porto Alegre" é o título que D. Pedro II do Brasil, em 1841, outorgou a Porto Alegre pela sua constância e fidelidade ao trono brasileiro durante a Revolução Farroupilha. Segundo o historiador Sérgio da Costa Franco, no decreto de outorga constava a palavra "valorosa". A consagração do arcaísmo "valerosa" se deve a uma preferência pessoal do secretário da Câmara, José Joaquim Afonso Alves, que até deixar o cargo em 1842 assim inscreveu a palavra na abertura das atas do legislativo municipal. Seus sucessores, porém, reverteram à grafia original e correta, "valorosa", mas nos anos 50, quando se decidiu formalizar o desenho do brasão, o arcaísmo foi reintroduzido por influência de Walter Spalding, importante historiador que, também por preferência pessoal, assim grafava o motto.[1]

O conjunto de esmaltes e metais relembra as cores das bandeiras do Brasil e do Rio Grande do Sul. O ouro é o símbolo de fidelidade. O azul é o céu sereno do Rio Grande do Sul. O verde representa as águas mansas do Lago Guaíba e também as campinas verdejantes do sagrado solo gaúcho. O vermelho significa a e o amor. A prata é a seriedade e o caráter nobre e altivo do povo.

Erros de confecção[editar | editar código-fonte]

O brasão de Porto Alegre apresenta erros crassos, considerando-se as convenções da heráldica municipal (também denominada "civil") brasileira:

  • O listel (faixa vermelha que ocupa a parte superior do brasão) está disposto erroneamente. O correto é que ocupe a parte inferior do brasão, como acontece na grande maioria dos municípios brasileiros (e mesmo estrangeiros).
  • O escudo carece de tenentes, também denominados suportes. Assim como o listel, a grande maioria dos municípios brasileiros contém tal ornamento. Eles estariam dispostos nas laterais do escudo, seguindo o mesmo padrão do brasão de Goiânia.

Referências

  1. Franco, Sérgio da Costa. Guia Histórico de Porto Alegre. Porto Alegre: EdiUfrgs, 2006, 4ª ed, p. 241

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ribeiro, Clovis, Brazões e Bandeiras do Brasil, São Paulo Editora, São Paulo, 1933, pp. 195–204.
  • Faria, Arcinóe Antônio Peixoto de. Enciclopédia Heráldica Municipalista, São Paulo, 1953,
  • Mattos, Armando de. Manual de Heráldica, 3ª edição. Porto, Livraria Fernando Machado, 1960.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Brasões das capitais do Brasil
Aracaju Belém Belo Horizonte Boa Vista Campo Grande Cuiabá Curitiba
Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Macapá Maceió Manaus
Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro
Salvador São Luís São Paulo Teresina Vitória Brasília