Guaíba (corpo hídrico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lago Guaíba)
Guaíba
Guahyba
Guaíba (corpo hídrico)
Vista a partir de Porto Alegre
Localização
Coordenadas 30° 09' 22" S 51° 16' 35" O
País  Brasil
Região administrativa  Rio Grande do Sul
Características
Área * 496 km²
Comprimento máximo 50 km
Largura máxima 19 km
Profundidade média 3 m
Volume * 1.44 mil km³
Bacia hidrográfica 2.523 km²
Afluentes Delta do Jacuí, Arroio Dilúvio
Efluentes Laguna dos Patos
Guaíba está localizado em: Rio Grande do Sul
Guaíba
Mapa do Guaíba
Localização do Lago Guaíba e de sua Região Hidrográfica[1]
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.

O Guaíba é um corpo hídrico, classificado tanto como lago quanto como rio, localizado entre o Delta do Jacuí e a Lagoa dos Patos, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Fica na região metropolitana de Porto Alegre, banhando a capital estadual, Porto Alegre, bem como as cidades de Eldorado do Sul, Guaíba, Barra do Ribeiro e Viamão.

O Guaíba possui grande importância ambiental, econômica e histórico-cultural para a região.[2] Atualmente as águas do Guaíba tem múltiplos usos, como abastecimento hídrico, diluição de águas residuais (como esgotos), recreação, pesca e navegação (cargas e transporte público), além de fazer parte da identidade visual da região.[2][1] Ele é gerido pelo Comitê de Bacia do Lago Guaíba.[3] O Guaíba é o principal manancial de abastecimento hídrico da capital gaúcha desde sua fundação no início no século XVIII.[4] A sua enchente de 1941 deixou diversas ruas de Porto Alegre debaixo d'água por dias.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O Lago Guaíba é um corpo hídrico superficial raso e aberto, com vazão (média histórica) de entrada de 780 m³/s (com eventos pontuais ultrapassando os 3.000 m³/s).[5] É alimentado principalmente pelos rovos Jacuí (84,6%), Sinos (7,5%), Caí (5,2%) e Gravataí (2,7%), além de diversos arroios em suas margens, como o Arroio Dilúvio.[6] Estes rios desembocam no Delta do Jacuí, formando então o Lago Guaíba, que banha os municípios de Porto Alegre, Eldorado do Sul, Guaíba, Barra do Ribeiro e Viamão. A partir do Guaíba, as águas vão para a Laguna dos Patos e, por sequência, para o Oceano Atlântico.

O Guaíba possui área de 496 km², comprimento máximo de 50 km (entre o Delta do Jacuí e o exutório para Laguna dos Patos) e largura variável, entre 900 m (na altura do Gasômetro) e 19 km (ao sul do lago).

Região e bacia hidrográficas[editar | editar código-fonte]

A Região Hidrográfica do Guaíba abrange uma área de 84.751 km², cobrindo 251 municípios e 1/3 da área do estado, o que representa cerca de 50% dos municípios e mais de 60% dos habitantes do Rio Grande do Sul.[7][8] Nela, estão situados os núcleos industriais mais importantes do estado, concentrando dois terços da produção industrial do Rio Grande do Sul os centros urbanos mais populosos.

Já a Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba, especificamente, cobre 2.523,62 km² (0,9% da área do Rio Grande do Sul), envolvendo 14 municípios e mais de 2,2 milhões de habitantes.[8]

Orla[editar | editar código-fonte]

Na orla do Guaíba, encontram-se diversos pontos turísticos e de referência. Na margen oeste, no município de Guaíba, há um calçadão principal na avenida João Pessoa com bancos e um píer, popular nos finais de semana entre os guaibenses. Já na margem leste, onde está a capital gaúcha, há a Usina do Gasômetro, a área revitalizada do Parque Urbano da Orla Moacyr Scliar, o estádio de futebol Beira-Rio, o Anfiteatro Pôr do Sol, a Fundação Iberê Camargo, as ruínas do Estaleiro Só, entre outros.

A orla porto-alegrense também é o local de muitos clubes náuticos, como: o Iate Clube Guaíba, o Veleiros do Sul, o Clube dos Jangadeiros, entre outros.

O Cais Mauá localiza-se oficialmente no Canal dos Navegantes, sendo parte do Delta do Jacuí (estando à montante do Lago Guaíba).

Praias[editar | editar código-fonte]

O Guaíba possui diversas praias lacustres que são frequentadas pela população. Nem todas estas são utilizadas por banhistas ou possuem balneabilidade adequada. A balneabilidade das praias do Guaíba é monitorada pela FEPAM.[9]

Na margem leste
Na margem oeste
  • Praia da Alegria (Guaíba)
  • Praia da Florida (Guaíba)
  • Praia da Picada (Barra do Ribeiro)

Ilhas[editar | editar código-fonte]

Além do arquipélago do Delta do Jacuí (à montante do Guaíba), há diversas ilhas no lago:

Poluição[editar | editar código-fonte]

A baixa qualidade das águas do Lago Guaíba já eram notadas desde o fim dos anos 1950,[10] persistindo por décadas de percepção pública. Até a metade do século XX o lago tinha variados usos de suas águas, sendo um destino popular para banhistas, esportistas e turistas - especialmente entre as décadas de 1940 e 1970. Porém, estas atividades foram restringidas ao longo do tempo pelo aumento da poluição.[11][12][13] Na época, a aceitação da poluição e da "perda" das praias foi vista pela população como uma consequência inevitável do desenvolvimento econômico.[13][12][11]

Por do sol
Pôr do sol no Lago Guaíba

A poluição do Guaíba se dá principalmente através das águas do Delta do Jacuí e dos arroios afluentes. O delta apresenta poluição derivada de esgotos sanitários (principalmente vindas do Rio Gravataí) e de efluentes industriais (do Caí e dos Sinos) - provenientes da histórica região coureiro-calçadista próxima de Novo Hamburgo e São Leopoldo.[7] Na margem de Porto Alegre a poluição flui principalmente a partir de arroios como o Dilúvio, o Cavalhada, o Salso e outros.[11] Nestes áreas o sedimento do leito do Lago Guaíba apresenta poluição por excesso de nutrientes (C, N, P) e metais potencialmente tóxicos (Zn, Cu, Cr, Ni, Pb, Cd), derivados principalmente de esgotos não tratados e outras fontes derivadas da intensa urbanização e atividade antrópica, como indústrias, esgotos e o intenso fluxo de veículos nas vias.[1][11]

Projetos de despoluição[editar | editar código-fonte]

Diversos programas já focaram na despoluição do Lago Guaíba, dentre eles o Pró Guaíba.[14]

O projeto governamental de saneamento denominado "Programa Integrado Socioambiental" (PISA) teve como objetivo tornar as águas do Guaíba balneáveis novamente, em um prazo de 20 anos (a contar de 2007). O programa envolveu a construção de Estações de Tratamento de Esgotos (ETE), entre outras obras correlatas.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Na cartografia dos séculos XVII e XVIII (e até princípios do XIX) o Lago Guaíba e a Laguna dos Patos eram denominados conjuntamente de “Rio Grande”, o que gerou o nome do estado: Rio Grande do Sul.[2][15][16][17] Em relação ao Lago, o nome “Guahyba” origina-se da família linguística Tupi-Guarani (primeiros habitantes da região), podendo ser traduzido como “encontro das águas”, denotando a convergência de seus afluentes (no Delta do Jacuí).[2][6] Entretanto, até o início do século XIX, este manancial foi conhecido por outros nomes, como “Lagoa de Viamão” ou “Lagoa de Porto Alegre”.[15][17]

Classificação[editar | editar código-fonte]

O Guaíba já foi classificado como “rio”, “ria”, “estuário” e “lago”. Houve até a indicação de que, “na dúvida entre o correto termo recomendou-se a utilização do nome apenas como ‘Guaíba’, sem designação.”[18][15][19] Sendo um ambiente transicional, este acidente geográfico possui particularidades que dificultam sua simples denominação toponímica, persistindo continuamente a discussão.[19]

A lei municipal portoalegrense nº 7.767, de 17 de janeiro de 1996, institui o "dia do Rio Guaíba" no último domingo do mês de novembro de cada ano;[20] já a lei nº 10.904, de 31 de maio de 2010, que institui o calendário de datas comemorativas, redefine aquela data como apenas "Dia do Guaíba".[21] O governo do Rio Grande do Sul chama o Guaíba de lago desde 1998, quando instituiu o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba.[22] Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística adota o topônimo Rio Guaíba em seus mapas,[23] bem como a Marinha do Brasil.[24]

Os argumentos a favor do Guaíba ser um lago são:[6]

  • Os rios que nele desembocam formam um delta (Delta do Jacuí);
  • O escoamento da água é bidimensional, formando áreas com velocidades diferenciadas, típico de um lago;
  • Os depósitos sedimentares das margens possuem geometria e estrutura características de sistema lacustre;
  • A vegetação das margens é de matas de restinga, identificadoras de cordões arenosos lacustres.
Fluxo de água com sedimentos no Guaíba, desde os seus tributários até a Lagoa dos Patos.

Os argumentos a favor do Guaíba ser um rio são:[25]

  • tem canais controlando a sedimentação
  • tem curto tempo de residência da água
  • tem modo de escoamento que acompanha os gradientes do terreno submerso, "o talvegue ao longo de toda extensão entre a Usina do Gasômetro e a Ponta de Itapuã".

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Andrade, Leonardo Capeleto; Coelho, Fabrício Fernandes; Hassan, Sayed M.; Morris, Lawrence A.; de Oliveira Camargo, Flávio Anastácio (2019). «Sediment pollution in an urban water supply lake in southern Brazil». Environmental Monitoring and Assessment (em inglês). 191 (1). ISSN 0167-6369. doi:10.1007/s10661-018-7132-2 
  2. a b c d Andrade, Leonardo Capeleto de; Rodrigues, Lucia Ribeiro; Andreazza, Robson; Camargo, Flávio Anastácio de Oliveira (30 de maio de 2019). «Lago Guaíba: uma análise histórico-cultural da poluição hídrica em Porto Alegre, RS, Brasil». Engenharia Sanitaria e Ambiental. 24 (2): 229–237. ISSN 1809-4457. doi:10.1590/s1413-41522019155281 
  3. «Comitê do Lago Guaíba: Histórico» 
  4. «Histórico». DMAE. Consultado em 11 de julho de 2018 
  5. ANDRADE NETO, J.S. (2012). «Descarga sólida em suspensão do sistema fluvial do Guaíba, RS, e sua variabilidade temporal». Pesquisas em Geociências 
  6. a b c MENEGAT, R.; PORTO, M. L.; CARRARO, C. C.; FERNANDES, L. A. A. (Coord.). Atlas ambiental de Porto Alegre. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006. 228 p.
  7. a b Andrade, Leonardo Capeleto de; Andrade, Rodrigo Da Rocha; Camargo, Flávio Anastácio de Oliveira (20 de março de 2018). «The historical influence of tributaries on the water and sediment of Jacuí's Delta, Southern Brazil». Ambiente e Agua - An Interdisciplinary Journal of Applied Science. 13 (2). 1 páginas. ISSN 1980-993X. doi:10.4136/ambi-agua.2150 
  8. a b «G080 - Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba». SEMA - Secretaria de Meio Ambiente e Infraestrutura do Rio Grande do Sul. Consultado em 6 de maio de 2019 
  9. FEPAM. «QUALIDADE AMBIENTAL: Projeto Balneabilidade» 
  10. FREITAS, A. F. R. (1962). O destino dos esgotos de Porto Alegre em face da poluição do Guaíba. Rio Grande do Sul: Ed. da Universidade do Rio Grande do Sul. pp. 39 f. 
  11. a b c d de Andrade, Leonardo Capeleto; Tiecher, Tales; de Oliveira, Jessica Souza; Andreazza, Robson; Inda, Alberto Vasconcellos; de Oliveira Camargo, Flávio Anastácio (2018). «Sediment pollution in margins of the Lake Guaíba, Southern Brazil». Environmental Monitoring and Assessment (em inglês). 190 (1). ISSN 0167-6369. doi:10.1007/s10661-017-6365-9 
  12. a b Rückert, Fabiano Quadros (6 de fevereiro de 2014). «O problema das águas poluídas na cidade de Porto Alegre (1853-1928) - doi: 10.4025/dialogos.v17i3.763». Diálogos. 17 (3). ISSN 2177-2940. doi:10.4025/dialogos.v17i3.763 
  13. a b Prestes, A.J.D. A poluição do Guaíba e de suas praias em Porto Alegre a partir dos anos 1960. In: Pereira, E.M.; Rückert, F. Q.; Machado, N.G. (Eds.). História ambiental do Rio Grande do Sul (p. 224). Lajeado: Editora da Univates, 224 p., 2014.
  14. «Pró-Guaíba». FEPAM. Consultado em 5 de maio de 2019 
  15. a b c OLIVEIRA, Carlos Alfredo Azevedo (1981). «Um lago chamado Guaíba». Boletim Gaúcho de Geografia 
  16. OLIVEIRA, Carlos Alfredo Azevedo (1976). «A designação do Guaíba – conceituação em Geografia Física». Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul 
  17. a b SPALDING, W (1961). «O Guaíba, a Lagoa dos Patos e a Barra do Rio Grande». Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul 
  18. CHEBATAROFF, Jorge (1959). «Denominação do Guaíba e o moderno conceito de Estuário. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul». Boletim Geográfico do Rio grande do Sul 
  19. a b ANDRADE, Leonardo Capeleto de. IMPACTOS DO AMBIENTE URBANO NA POLUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DO LAGO GUAÍBA. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Agronomia, Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo, Porto Alegre, BR-RS, 2018. 116 f.
  20. [1]
  21. [2]
  22. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, Decreto nº 38989, de 29 de outubro de 1998. Cria o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Guaíba.
  23. Mapa Político do RS
  24. Carta náutica Barra do Rio Guaíba
  25. [3]