Cândido de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Cândido Fernandes Plácido de Oliveira GCM (Fronteira, 24 de setembro de 1896Estocolmo, 23 de junho de 1958) foi um jogador e treinador de futebol e jornalista desportivo português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou a jogar futebol na Casa Pia de Lisboa, tendo passado, em 1914, para a primeira categoria do Sport Lisboa e Benfica, de onde sairia em 1920 para criar o Casa Pia Atlético Clube. Foi capitão da seleção nacional no primeiro jogo desta, em 1921.[1]

Pela sua atividade contra o regime do Estado Novo foi enviado para o campo de concentração do Tarrafal onde esteve entre abril de 1942 e 1944.[2] Lá, ele não ficou internado dentro do campo, como os outros prisioneiros. Como preso de interesse especial, ficou em um dos alojamentos administrativos situados fora da zona cercada [3]. Isso não o impediu de testemunhar e mais tarde denunciar a situação ali vivenciada no livro Tarrafal, o pântano da morte.

Em 1945, fundou, com António Ribeiro dos Reis e Vicente de Melo, o então bissemanário jornal "A Bola", no qual colaboraria até à sua morte.

Como treinador, foi selecionador nacional (orientou a equipa portuguesa que chegou aos quartos-de-final do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos de 1928) e técnico do Sporting Clube de Portugal, onde ganhou o campeonato nacional de 1946-47.

Ascendeu a supervisor técnico na época seguinte, mas em 1947-48 volta a ser o treinador principal do Sporting Clube de Portugal, conquistando dois campeonatos, uma Taça de Portugal e chega à final da Taça Latina.[4].

O seu discípulo, Fernando Vaz, também viria a ser um reputado treinador.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Pelo seu papel no futebol português, foi dado o seu nome à Supertaça instituída pela Federação Portuguesa de Futebol.

A 27 de janeiro de 1995 foi agraciado, a título póstumo, com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.[5]

Obras publicadas[6][editar | editar código-fonte]

  • Alguns aspectos psicológicos dos Casapianos. Lisboa : Sociedade Nacional de Tipografia, 1934.[7]
  • Football : técnica e tática. Lisboa : ed. autor, 1935.
  • Relatório do selecionador nacional para o décimo segundo Portugal-Espanha. Lisboa : Federação Portuguesa de Football Association, 1935.
  • Relatório da minha viagem à Inglaterra ao serviço do football nacional. Lisboa : Federação Portuguêsa de Football Association, 1936.
  • A formação dos jogadores de futebol. Lisboa : Sociedade Nacional de Futebol, 1938.
  • Os segredos do futebol : técnica de ensino : aprendizagem e treino : táctica de jogo. Lisboa : A Bola, 1947
  • A evolução táctica no futebol. Lisboa, 1949.
  • Tarrafal: o Pântano da Morte. Lisboa: Editorial República, 1974.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cândido de Oliveira : Uma biografia» in O Militante, n.º 257, março-abril de 2002.
  2. Cândido de Oliveira fazia parte de uma rede organizada pelo SOE inglês, conhecida como rede Shell, por incluir vários funcionários desta empresa em Portugal, que visava o desenvolvimento de sabotagens e destruições no caso de uma invasão alemã em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Cf. BARREIROS, José António. Traição a Salazar. Lisboa: Oficina do Livro, 2012.
  3. Russell, Miguel Wagner (1976). Recordações dos tempos difíceis. Lisboa: Avante. 47 páginas 
  4. RTP, RTP, Rádio e Televisão de Portugal -. «Quem eram os» 
  5. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Cândido de Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 7 de julho de 2014 
  6. Fontes: Porbase; Porbase.
  7. Conferência realizada em 2 de junho de 1934 no Casa Pia Atletico Club.
Precedido por
Fernando Vaz
Técnico do Porto
1952-1954
Sucedido por
Fernando Vaz


Bandeira de PortugalSoccer icon Este artigo sobre futebolistas portugueses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.