Capelinha das Aparições

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde abril de 2017).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Capelinha das Aparições
A Capelinha das Aparições da Cova da Iria, em Fátima.
Estilo dominante Ermida popular
Religião Catolicismo
Diocese Leiria-Fátima
Ano de consagração 1919
Bispo António Marto
Padre Carlos Cabecinhas
Website www.santuario-fatima.pt
Geografia
País  Portugal
Cidade Cova da Iria, em Fátima

A Capelinha das Aparições é uma capela localizada na Cova da Iria, no recinto do Santuário de Fátima em Portugal. O pedestal onde se encontra a escultura original de Nossa Senhora marca o sítio exacto onde estava a pequena azinheira sobre a qual a Santíssima Virgem Maria apareceu aos três pastorinhos de Fátima a 13 de Maio, de Junho, de Julho, de Setembro e de Outubro de 1917.[1]

A Capelinha[editar | editar código-fonte]

A capelinha foi construída em resposta ao pedido de Nossa Senhora do Rosário: Quero que façam aqui uma capela em minha honra.

Pouco maior que um nicho, a Capelinha nasceu do voluntarismo de Maria dos Santos Carreira, uma mulher do povo que desde 13 de Junho de 1917 acorria à Cova da Iria. Mas antes da Capelinha houve um arco.

Maria dos Santos Carreira começa por limpar o mato em volta da azinheira e enfeita-a com flores e fitas. Depois, com a ajuda do marido, constrói um muro à volta da azinheira e ergue um arco de madeira.

Quando este arco foi destruído em Outubro de 1917 e levado para Santarém para aí ser exibido numa paródia de procissão já o povo deixava esmolas junto à azinheira.

É Maria dos Santos Carreira quem guarda essas esmolas. As primeiras foram 30 réis e umas peças de fruta. Mas rapidamente ficou com um saco de pano cheio de moedas.

O destino a dar às esmolas deixadas em Fátima é de tal modo importante que o padre Formigão o inclui no interrogatório que faz a Lúcia:

“O que declarou a Senhora que se devia fazer ao dinheiro que o povo deposita na Cova da Iria ao pé da carrasqueira? – perguntou o padre Formigão a Lúcia que na sua resposta diz terem sido estas as ordens da senhora

– Disse que Parte desse dinheiro seria destinado ao culto e festa da Senhora do Rosário e a outra parte para ajuda de uma capela nova.”

Em 1919, as esmolas guardadas por Maria Santos Carreira já ascendiam a 357.000 reis de ofertas e quarenta litros de azeite.

Edificou-se no local exacto das aparições decorridas em Fátima no ano de 1917. De 28 de Abril a 15 de Junho de 1919, a tarefa foi executada pelo pedreiro Joaquim Barbeiro da povoação de Santa Catarina da Serra.[2]

A Capelinha das Aparições em 1922.
A Capelinha das Aparições, dinamitada, em Março de 1922.

A 13 de outubro de 1921 passou a ser permitida oficialmente a celebração da Missa, pela primeira vez, junto à Capelinha.[3]

Maria dos Santos Carreira tornar-se-ia na Maria da Capelinha e a Cova da Iria ganhava um templo cuja pequenez era inversa à importância que tinha para os peregrinos.[4]

Em 6 de março de 1922, a capelinha foi dinamitada por desconhecidos, mas foi reconstruida nesse mesmo ano.[3]

Em 1982 foi construído um vasto alpendre da autoria do arquiteto José Carlos Loureiro, tendo sido inaugurado aquando da visita do Papa João Paulo II em 12 de Maio nesse ano.

Em 1988, declarado Ano Mariano, o alpendre da capelinha foi forrado com madeira de pinho, proveniente da Rússia, norte da Sibéria. Foi escolhida esta madeira pela sua durabilidade e leveza.[3]

A capelinha original, embora sujeita a ligeiras reparações no decorrer dos anos, mantém os traços de uma ermida popular.

A imagem de Nossa Senhora[editar | editar código-fonte]

A imagem original de Nossa Senhora situada num pedestal que marca o local exacto onde apareceu aos pastorinhos.
A Capelinha das Aparições de Fátima.
O Papa Bento XVI entrega a segunda Rosa de Ouro a Nossa Senhora de Fátima no dia 12 de maio de 2010, na Capelinha das Aparições da Cova da Iria.
O Papa Francisco na Capelinha das Aparições da Cova da Iria, em Fátima.

A estátua original foi oferecida por Gilberto Fernandes dos Santos em 1920 e encomendada à Casa Fânzeres de Braga, segundo as indicações da Irmã Lúcia.[5] A obra de escultura foi realizada por José Ferreira Thedim em madeira, cedro do Brasil, mede 1 metro e 37 centímetros e pesa 19 quilos.[6] Conta o professor Xavier Coutinho que ela foi inspirada numa imagem já existente da Nossa Senhora da Lapa, da Casa Estrela, "com pequenas modificações de pormenor".[7] Thedim realizou algumas alterações na imagem, mais tarde, nos anos 50.[8][9]

A 13 de Maio de 1920, a imagem de Nossa Senhora de Fátima é benzida na Igreja Paroquial de Fátima pelo Rev. António de Oliveira Reis, arcipreste de Torres Novas.[2] A estátua é entronizada na Capelinha a 13 de Junho do mesmo ano. É coroada solenemente a 13 de Maio de 1946 pelo legado pontifício Cardeal Bento Aloisi Masella.[9]

A coroa de ouro foi oferecida por um grupo de mulheres portuguesas a 13 de Outubro de 1942, em ação de graças por Portugal não ter entrado na Segunda Guerra Mundial. Foi executada gratuitamente por 12 artesãos da casa Leitão & Irmão em Lisboa durante três meses. Pesa 1200 gramas e contém 313 pérolas e 2679 pedras preciosas. Tem incrustada a bala oferecida por João Paulo II no atentado de que foi vítima em Roma, a 13 de Maio de 1981, em sinal de agradecimento à Virgem, por lhe salvo a vida.[9]

Ao longo dos anos foram executadas 12 réplicas "peregrinas" da imagem de modo a satisfazer os muitos pedidos, que foram surgindo no país e estrangeiro, para a receber.[6]

Em Junho de 2013, e pela primeira vez, a imagem saiu da capelinha para poder ser analisado o seu estado de conservação. Os exames foram feitos no Instituto Politécnico de Tomar e revelaram estar em bom estado, atendendo à sua idade quase centenária. A saída da imagem de Fátima obrigou a medidas de segurança especiais, incluindo guardas e agentes de seguros.[8]

Viagens[editar | editar código-fonte]

A imagem apenas deixa a Capelinha das Aparições em ocasiões consideradas muito especiais. A estátua original apenas saiu da Capelinha 12 vezes,[9] e para o estrangeiro apenas foi a Espanha e ao Vaticano três vezes - em Março de 1984, a pedido do Papa João Paulo II, quando fez a Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, em Outubro de 2000, para estar presente na Praça de São Pedro na consagração do novo milénio à Virgem Santíssima e em 12 e 13 de Outubro de 2013, como ícone na Jornada Mariana a pedido do Papa Francisco.[8]

1.ª - entre 7 e 13 de Abril de 1942, para o encerramento de um congresso promovido pelo Conselho Nacional da Juventude Católica Feminina, em Lisboa.
2.ª - entre 22 de Novembro e 24 de Dezembro de 1946, por ocasião do tricentenário da proclamação de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal, num périplo pela Estremadura e Ribatejo.
3.ª - entre Outubro de 1947 e Janeiro de 1948 a imagem peregrinou pelo Alentejo e Algarve, passando a fronteira luso-espanhola por duas vezes, em Elvas, Badajoz e Vila Real de Santo António.
4.ª - entre 22 de Maio e 2 de Junho de 1948 a Madrid, por ocasião do Congresso Mariano Diocesano, passando por outras localidades.
5.ª - entre 9 de Junho e 13 de Agosto de 1951, com a visita a todas as paróquias da Diocese de Leiria.
6.ª - a 17 de Maio de 1959, por ocasião da inauguração do Monumento a Cristo Rei, visitou novamente Lisboa e Almada.
7.ª - entre 24 e 25 de Março de 1984 foi levada ao Vaticano, a pedido do Papa João Paulo II. No dia 25, na Praça de São Pedro, marcou presença na Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria, durante a celebração eucarística presidida pelo Papa.
8.ª - a 8 de Outubro de 2000 volta ao Vaticano para a Consagração do Novo Milénio à Virgem Santíssima, feita pelo Papa João Paulo II na Praça de São Pedro.
9.ª - em 12 de Novembro de 2005, ocasião em que a cidade de Lisboa se consagrou a Nossa Senhora de Fátima, numa das várias iniciativas que integraram o programa religioso do Congresso Internacional para a Nova Evangelização, que decorreu de 5 a 13 de Novembro.
10.ª - entre 16 e 17 de Maio de 2009, por ocasião das comemorações do Cinquentenário do Santuário Nacional de Cristo Rei, momento que celebrou a mesma visita feita 50 anos antes.
11.ª - entre 21 a 23 de Maio de 2010 foi levada à "Festa da Fé" na cidade de Leiria, a pedido de D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima.
12.ª - entre 12 e 13 de outubro de 2013 voltou de novo ao Vaticano, em resposta ao desejo do Papa Francisco de a ter como ícone na Jornada Mariana promovida pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. No dia 12, pelas 17 horas, foi acolhida na Praça de São Pedro com a presença do Santo Padre e no dia 13 o Papa fez diante da Imagem a Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria.[10][11]
Esta foi a primeira vez que a imagem original não esteve presente no santuário numa data de uma grande peregrinação aniversária, isto é, as que ocorrem num dia 13 de um mês entre maio e outubro. Nessa ocasião, a imagem foi substituída pela da Virgem Peregrina de Fátima, entronizada na Basílica de Nossa Senhora do Rosário desde 8 de dezembro de 2003.[12]

Galeria de fotografias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Santuário de Fátima - Site oficial». Santuario-Fatima.pt 
  2. a b Cónego C. Barthas (1967). Fátima. Segundo as testemunhas e os documentos. Braga: Diário do Minho, Lda. pp. 173–174 
  3. a b c «Capelinha das Aparições, Muro de Berlim, Presépio e Capela do Lausperene». Santuário de Fátima. Consultado em 9 de Setembro de 2011 
  4. «Fátima, do tempo dos videntes ao tempo da Igreja» 
  5. Documentação Crítica de Fátima : Seleção de Documentos (1917-1930). [S.l.]: Santuário de Fátima. 2013 
  6. a b Lima, Rosa Pedroso. "Nossa Senhora de Fátima: análise à imagem «verdadeira» desvenda história com quase 100 anos". Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, 10 de Junho de 2013
  7. Coutinho, Bernardo Xavier (1959). Nossa Senhora na Arte - Alguns Problemas Iconográficos e uma Exposição Marial. [S.l.]: Associação Católica do Porto [S.l.] 141 páginas 
  8. a b c «Nossa Senhora de Fátima 'vista à lupa' pela primeira vez». Notícias Ao Minuto. 8 de junho de 2013. Consultado em 8 de junho de 2013 
  9. a b c d «Imagem da Capelinha das Aparições». Site oficial do Santuário de Fátima. Consultado em 20 de outubro de 2011 
  10. Leopoldina Simões (20 de agosto de 2013). «Imagem de Nossa Senhora de Fátima será levada à Jornada Mariana a pedido do Papa». Site oficial do Santuário de Fátima. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  11. «Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização anuncia programa da Jornada Mariana». Site oficial do Santuário de Fátima. 20 de agosto de 2013. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  12. Luís Miguel Ferraz (10 de outubro de 2013). «Papa Francisco "chama" Nossa Senhora de Fátima para Jornada Mariana do Ano da Fé, em Roma». Diocese de Leiria-Fátima. leiria-fatima.pt. Consultado em 12 de março de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]